Boletim Arte na Escola

Trabalho com bebês e crianças até seis anos, que exploram os sons do corpo e do ambiente, criam letras e constroem seus próprios instrumentos musicais com sucatas. Usamos a bandinha infantil e instrumentos para as crianças se expressarem com criatividade. Elas aprendem a diferenciar o que é instrumento de percussão, sopro e corda. Usamos os tambores e a percussão com os pés e palmas. Fazemos audições dos eruditos e conhecemos todos os instrumentos de uma orquestra. Todos os conceitos teóricos são apreendidos brincando.
Gisele Lemos / Rio de Janeiro

Meus alunos aprendem música por meio de sequências didáticas que tem como proposta proporcionar ao grupo experiências que permeiem a apreciação (escutar), execução (cantar, dançar e tocar) e criação. Todas as didáticas são trabalhadas em diferentes obras musicais, de diferentes compositores e de diferentes formas.
Betina Santos / São Paulo

Aprende quando descobre que a música está ao seu alcance, que tudo a sua volta pode se tornar música, desconstruindo a ideia de que música é algo só para alguns privilegiados. Ao se perceber capaz, desfaz mitos sobre o dom, entendendo o fazer musical como forma de conhecer, de descobrir, de experimentar, de sentir e de
compreender o mundo por meio das suas sonoridades. Desta forma não fica preso somente aos padrões e às fórmulas prontas, se apaixona pelo fazer musical nas suas diferentes modalidades, buscando sempre aprender mais.
Érica Dias Gomes / Guarapuava (PR)

Infelizmente não aprende. Não tenho formação para tanto, minha graduação é Educação Artística em Artes Visuais. O que faço em aula é apresentar sons e músicas que eles não teriam acesso fora do ambiente escolar. Situo a música no contexto em que foi criada, identifico instrumentos e trabalho um pouco com o Audacity (programa de gravação e edição). Fazemos animações com sons produzidos pelos alunos e trechos de músicas editadas por eles.
Fábio Valle/ Bento Gonçalves (RS)

Os meus alunos aprendem música por meio de audição, sempre comentada e contextualizada. Estudamos a música desde a pré-história, passando por todos os estilos. Aplicamos um questionário sonoro musical para que eles possam relatar um pouco da sua história pessoal e o ambiente familiar. Fazemos uma pesquisa sobre a música brasileira desde 1950 até os dias atuais, apresentando o resultado em formato de slides, programa de rádio, TV ou teatro. O trabalho se encerra com a "Mostra Tua Cara", momento em que os alunos apresentam para a escola o seu talento musical.
Oscar Costa Borche / Colorado do Oeste (RO)

Comentários Deixe o seu comentário

  • Mônica Cooke, 18:52 - 17/01/2014
    Meus alunos aprendem também conhecendo o processo de criação de algumas músicas. Esta proposta que adotei é do Currículo de Arte do 9º ano de São Paulo, através do estudo da música Águas de Março, de Tom Jobim. Estudar todo o processo como a música foi composta aproxima mais os alunos deste universo tão particular do compositor. Permite, também, ouvir, cantar e apreciar a música várias vezes o que faz com que os alunos criem um vínculo, um gostar da música porque entendem como foi feita e , compreendendo, mesmo que não gostem, pelo menos respeitam. A mesma estratégia uso com música erudita, tão distante do repertório musical da maioria dos alunos da escola pública. Abraços!
  • Cláudia Veras Neves Bastos, 18:40 - 10/06/2014
    Meus alunos aprendem música experimentando os sons, criando ambientes sonoros, vivenciando a música com o corpo e com a mente. Não importa se ao trabalhar em uma escola pública eu não tenha acesso aos melhores instrumentos, pois juntos com os alunos, transformamos um balde de massa corrida em um atraente e personalizado tambor, umas forminhas de empadinhas em pratinhos e com toda a criatividade respiramos Música.

Deixe o seu comentário

Os campos assinalados com (*) são de preenchimento obrigatório.




Ainda nesta edição

  • Música ganha currículo nacional

    Conselho Nacional de Educação (CNE) envolve especialistas e produz documento para tirar a Lei 11.769/08 do papel

  • Som na Caixa!

    Música aumenta raciocínio, concentração e estimula a flexibilidade mental, garante Aurilene Guerra, mestre em Neuropsicologia e professora da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

  • MUSICANTO

    Um espaço livre para a Arte da Música

  • Celeiro de idéias

    É fundamental ter formação acadêmica para dar aulas de música?

  • Editorial

    Leia o editorial escrito pela presidente do Instituto Arte na Escola: Evelyn Ioschpe.

Ediçao #70 - Setembro 2013

Boletim Arte na Escola

Ediçao #70 - Setembro 2013

Visualizar esta edição Baixar esta edição em PDF

O Boletim Arte na Escola é uma publicação da rede Arte na Escola, produzido com o patrocínio da Fundação Iochpe.

ISSN 1809-9254
Instituto Arte na Escola
Alameda Tietê, 618 - Casa 3
CEP 01417-020, São Paulo, SP Fone (11) 3103-8088
contato@artenaescola.org.br

Editora
Regina Ramoska
Jornalista responsável
Fábio Galvão MTB 20.168/SP
Redação
Fábio Galvão e Cecília Galvão
(CGC Educação)
Projeto gráfico
Zozi
Padronização bibliográfica
Shirlene Vila Arruda