Boletim Arte na Escola

Carmem Machado
Escola Estadual Professor Benedicto Leme Vieira Neto, Salto de Pirapora (SP)

A frase de Carmem Machado, vencedora na categoria Ensino Fundamental 2, impacta, e não é à toa. Ela trocou as aulas na Educação Infantil por um emprego no banco para pagar a faculdade de Educação Artística. Mais tarde, já formada, foi vender seguro em uma escola onde os computadores haviam sido furtados – e a vocação falou mais alto. Prestou concurso e foi aprovada para lecionar exatamente ali, na Escola Estadual Professor Benedicto Leme Vieira Neto, na periferia de Salto de Pirapora, interior de São Paulo, em um bairro esquecido pelo poder público.

A decisão de abandonar a promissora carreira de gerente e o novo salário, que equivalia ao vale-refeição que Carmem recebia no banco, causaram tamanho rebuliço na família que a levaram a um psiquiatra. A única que viu a mudança com naturalidade foi a mãe, analfabeta e cheia de sabedoria. “Ela fez um longo discurso, e dizia entre outras coisas que, se eu queria ser professora, era necessário aprender a viver financeiramente e emocionalmente como tal, rever os valores.”

Carmem queria que seus alunos conhecessem a Arte e se apaixonassem por ela, diminuindo assim as diferenças e incluindo novas linguagens e outros meios de expressão. Encontrou crianças e jovens com baixa estima, que não sabiam o que era teatro e acreditavam ser o axé sinônimo de dança. Ela os envolveu em jogos e processos criativos, e juntos construíram um conhecimento diferenciado, permeado – e inspirado – em mestres da dança contemporânea. Nesse processo, que durou seis anos, nasceu o premiado SENTIVER - Inspiração, conteúdo e leveza: Pina Bausch adentra o cotidiano escolar. “Quando soube do resultado do prêmio, a escola toda comemorou. Os alunos gritavam ‘somos os melhores do Brasil’. O reconhecimento dá força para que eles acreditem que são capazes. Esse era o foco, quando enviei o projeto. Dar voz a esses anônimos.”

Assista ao documentário:

DICAS DO PROFESSOR

Estabeleça relações com brincadeiras de dança e teatro num processo de criação e aprendizagem. Abra espaço para um corpo se relacionar com o outro, consigo mesmo e com o ambiente. Uma rede de percepções será formada, tornando os alunos investigadores e autônomos da própria criação.

O PROJETO

Sentiver – inspiração conteúdo e leveza trouxe a dança contemporânea e o teatro, a importância do processo de criação no ambiente escolar, respeitando o tempo de cada um.

OBJETIVO

Trazer o estudo da dança contemporânea enquanto linguagem artística e estética no cotidiano escolar. Abrir espaços para as experimentações onde todos são protagonistas, no ato de criar e recriar. Transformar a sala de aula em espaço cênico aberto às singularidades.

CONTEÚDOS DA ARTE

Os jogos teatrais de Viola Spolin e os temas de movimentos de Rudolf Von Laban. Os vídeos e imagens da dançarina Pina Bausch, uma das fundadoras da vertente estética conhecida como dança-teatro, foram elementos provocadores de movimentação e uso da espacialidade.

COMO FAZER

>> Criar um espaço cênico dentro da sala de aula;
>> Fazer uma relação de brincadeiras cênicas e propor que elas sejam realizadas nesse espaço por pequenos grupos;
>> Apresentar essa brincadeira com observadores (palco-plateia);
>> Trazer os jogos de Viola Spolin e inserir nas brincadeiras;
>> Trazer as propostas de Rudolf von Laban, com os temas de movimento;
>> Mostrar como podemos criar partituras rítmicas com essas provocações;
>> Inserir movimentos cotidianos como correr, pular, cair, girar e torcer. Nesse jogo incluir os níveis alto, médio e baixo, peso e fluência. Cada grupo cria a sua sequencia rítmica e mostra;
>> Exibir vídeos da artista Pina Bausch;
>> Mostrar a dança-teatro em espaços não convencionais e a utilização de diferentes materiais como terra, água e ar;
>> Criar cenas que contemplem a brincadeira, os jogos, a movimentação corporal, os elementais e o espaço não convencional.

O QUE APRENDERAM

A trabalhar com liberdade, responsabilidade, respeito, humildade, solidariedade e principalmente a criticidade. Que a sua história pessoal, inserida como objeto de trabalho na criação de cenas, compreende novas formas de aprender. Que quando utilizamos elementos da natureza nos aproximamos dela.
Os alunos experimentaram corporalmente e espacialmente elementos da dança-teatro com diferentes materiais.

Referências

ALVES, Nilda; GARCIA, Regina Leite (Org.). O sentido da escola: pedagogias em educação. Petrópolis: DP et Alii, 2008.
BROOK, Peter. A porta aberta: reflexões sobre a interpretação e o teatro. 5.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.
CYPRIANO, Fabio. Pina Bausch. São Paulo: Cosac Naify, 2005.
FERNANDES, Ciane. Pina Bausch e o Wuppertal Dança-Teatro: repetição e transformação. São Paulo: Hucitec, 2000.
FREIRE, Paulo. A pedagogia do oprimido. 43. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.
GALLO, Sílvio. Acontecimento e resistência: educação menor no cotidiano da escola. In: CAMARGO, Ana M. Facciolli de; MARIGUELA, Márcio (Org.). Cotidiano escolar: emergência e invenção. Piracicaba: Jacintha Ed., 2007. p. 21-39.
LABAN, Rudolf. Dança educativa moderna. São Paulo: Ícone, 1990.
MARQUES, Isabel A. Dançando na escola. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

______. Revisitando a dança educativa moderna de Rudolf Laban. Revista Sala Preta, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 276-281, 2002.
MILLER, Jussara.A escuta do corpo: sistematização da técnica Klauss Vianna. São Paulo: Summus, 2007.
RANCIÉRE, Jacques.A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Ed. 34., 2009.
REIGOTA, Marcos. Meio ambiente e representação social. 8.ed. São Paulo: Cortez, 2010.

______; PRADO, Bárbara
Heliodora S. do (Org.). Educação ambiental: utopia e práxis. São Paulo: Cortez, 2008.
RENGEL, Lenira. Cadernos de corpo e dança: os temas de movimento de Rudolf Laban (I, II, III, IV). São Paulo: Annablume, 2006.
SPOLIN, Viola. Improvisação para o teatro. São Paulo: Perspectiva, 2003.

______. Jogos teatrais na sala de aula: um manual para o professor. São Paulo: Perspectiva, 2007

Vídeo
 PINA. Dir. Win Wenders. Alemanha, 2010. 1 DVD (99 min.). Distribuição Midas Filmes.

Comentários Deixe o seu comentário

  • Denilson Augusto de Campos, 22:07 - 08/12/2013
    Adorei ver Carmem brilhando. Fui amigo de classe e conheci uma aluna dedicada e disciplinada. Vê-la nesse caminho da arte é maravilhoso. Desejo sucesso a sua caminhada. Parabéns a organização da revista e aos alunos da escola da professora Carmem. Sucesso a todos!
  • Adoniram Aparecida Paulino Vieira, 15:07 - 23/12/2013
    Adorei essa publicação, o vídeo, parabéns professora pela criatividade e inteligência. Gostaria muito de obter mais informações, conseguir algumas publicações para ler, pesquisar. Sou facilitadora de teatro numa Eentidade chamada Projeto Vida em Igaraçu do Tietê (SP), trabalhamos com crianças com baixo alto estima e alta vulnerabilidade social. Por isso queria em 2014 um trabalho diversificado e estou em busca de algo inovador. Um abraço e fico no aguardo...beijão

Deixe o seu comentário

Os campos assinalados com (*) são de preenchimento obrigatório.




Ainda nesta edição

Ediçao #71 - Dezembro 2013

Boletim Arte na Escola

Ediçao #71 - Dezembro 2013

Visualizar esta edição Baixar esta edição em PDF

O Boletim Arte na Escola é uma publicação da rede Arte na Escola, produzido com o patrocínio da Fundação Iochpe.

ISSN 1809-9254
Instituto Arte na Escola
Alameda Tietê, 618 - Casa 3
CEP 01417-020, São Paulo, SP Fone (11) 3103-8088
contato@artenaescola.org.br

Coordenação geral
Roseli Alves
Editora
Regina Ramoska
Jornalista responsável
Fábio Galvão MTB 20.168/SP
Redação
Fábio Galvão e Cecília Galvão (CGC Educação)
Projeto Gráfico
Zozi
Padronização bibliográfica
Shirlene Vila Arruda