Boletim Arte na Escola

Expressionista, Iberê Camargo registra a emoção subjetiva em cores e formas
Ascensão I, 1973, Óleo s/tela, 57 x 40cm. Coleção Maria Coussirat Camargo - Fundação Iberê Camargo, Porto Alegre/RS - Foto: Fábio Del Re

“A obra só se completa e vive quando expressa. Nos meus quadros, o ontem se faz presente no agora. Lanço-me na pintura e na vida por inteiro, como um mergulhador na água.” A frase de Iberê Camargo alinhava a narrativa de Gaveta dos guardados (2010) livro autobiográfico no qual o artista gaúcho resgata as experiências de vida que nutrem suas obras: a infância, a morte, os amores.

Balizado por suas vivências e pelo desejo de tornar visíveis seus pensamentos e sentimentos, Iberê foi um observador do mundo: retratou por meio da pintura o espaço e tempo presentes em sua memória, e trouxe dos tempos de menino referências que se transformaram em marcos de sua obra, como os carretéis. Influenciado pelas vanguardas européias – ele divide com Oswaldo Goeldi o título de maior artista expressionista brasileiro – o artista inspirou, no Brasil, uma geração de pintores.

Como todo bom expressionista, registra a emoção subjetiva em cores e formas. Para Iberê, a cor é um elemento expressivo em si, e o acúmulo desta matéria por meio da ação configuram a memória de sua pintura, depositada sobre a fértil superfície do suporte. O que interessa a ele são as formas do mundo real em diálogo com a afetividade que a matéria carrega, pois “a matéria também sonha”.

Diversas exposições celebrarão o centenário de Iberê Camargo ao longo deste ano. O Instituto Arte na Escola também presta sua homenagem a este artista singular usando a obra Ascensão I, 1973, óleo s/tela, como tema do XV Prêmio Arte na Escola Cidadã.

Para trabalhar com os alunos
A DVDteca Arte na Escola disponibiliza o DVD e o material educativo Iberê Camargo: matéria da memória. Apresente também outros artistas que trabalham com a matéria da memória. O material educativo do DVD pode ajudá-lo.

Iberê Camargo baseou a sua série "Carretéis" na memória de infância que remetia aos carretéis que sobravam das costuras da sua mãe e com os quais ele brincava. Oriente uma leitura de imagem da pintura Carretel azul, disponível em nossa Midiateca. Depois, peça para que seus alunos pensem em objetos e brincadeiras ligadas às suas mães. Distribua cartolinas para que manchem com tintas, pincéis, buchas e esponjas. Deixe metade secar e guarde a outra parte para que seja recortada na forma dos brinquedos lembrados. Monte uma exposição com os trabalhos, faça uma leitura das produções e estimule cada “autor” a falar sobre o processo de transformação das memórias em imagens. Mais detalhes desta atividade estão no caderno para o professor Agora eu era, publicação integrante do material educativo arte br. Compartilhe o resultando publicando as fotos em nossa Galeria dos Alunos.


Para ir além:

CAMARGO, Iberê. Gaveta dos guardados. Org. e apres. Augusto Massi. Porto Alegre: Fundação Iberê Camargo; São Paulo: Cosac Naify, 2010.

NEVES, André; DIAS, Christina. Iberê menino. São Paulo: DCL, 2007.

SALZSTEIN, Sônia (Org). Diálogos com Iberê Camargo. Porto Alegre: Fundação Iberê Camargo; São Paulo: Cosac Naify, 2002.

SIQUEIRA, Vera Beatriz. Iberê Camargo: origem e destino. Porto Alegre: Fundação Iberê Camargo; São Paulo: Cosac Naify, 2010.

VICENTINI, Daniela; CASTILHOS, Laura; RIBEIRO, Paulo. Tríptico para Iberê. Porto Alegre: Fundação Iberê Camargo; São Paulo: Cosac Naify, 2010. 

Comentários Deixe o seu comentário

  • Francisco Cruz do Nascimento, 10:30 - 07/06/2014
    Importante sugestão para o nosso trabalho em sala de aula, principalmente, porque além de refletirmos a obra de um grande criador, Iberê é um chamado para o mergulho criativo inovador em toda a sua produção.
  • Ivalda Aparecida Sampaio Gomes, 22:30 - 07/06/2014
    Adorei a proposta de trabalho, muito reflexiva com grandes possibilidades de explorar a criatividade de cada aluno e mesmo a do professor. Obrigada por divulgar.
  • GILDO VERAS MARTINS, 21:43 - 12/03/2015
    MUITO LINDO ESTA PROPOSTA ADOREI A DIVULGAÇÃO.. FORTALEZA CEARA

Deixe o seu comentário

Os campos assinalados com (*) são de preenchimento obrigatório.




Ainda nesta edição

  • Música na escola

    Artigo - Luís Ricardo Queiroz

    Ensino de música na escola: perspectivas para a atuação docente

  • Repertório plural

    Polêmica

    As novas Diretrizes Curriculares destacam Música, Dança e Teatro e Artes Visuais. Você está preparado?

  • Saber que ensina

    Carreira

    As técnicas de registro ajudam o professor a aprender com seu próprio trabalho. A professora Sumaya Mattar explica como fazer

  • Estamos em obras e produzindo arte

    Vivência

  • Arte como política pública

    Pelo mundo

    Na Argentina, as Escuelas Experimentales estimulam as habilidades artísticas dos alunos em todas as disciplinas.

  • Da memória para a história

    25 Anos

    Elliot Eisner, um dos mais importantes nomes da arte/educação, aproximou o Arte na Escola do Getty Center.

  • Olhos fechados, ouvidos atentos!

    Oficina de música

    Aprenda com o educador e musicólogo Carlos Kater como fazer o Túnel Sonoro, uma atividade que ensina a escutar

  • Editorial

    Editorial

    No aniversário de nossos 25 anos, inauguramos nova visualidade e formato editorial neste Boletim, numa proposta mais interativa e ágil.