Boletim Arte na Escola

Posso ver as fotos? É fácil fotografar? A câmera fotográfica com a qual a professora Marília Kalil* registrava os trabalhos dos alunos do quinto ano do Ensino Fundamental tornou-se o centro das atenções. Na Escola Municipal Cerra Azul, no bairro do Tingui, em Curitiba (PR), a maioria dos estudantes, com idades entre nove e dez anos, nunca havia manuseado o equipamento – e apenas três dos 48 alunos tinham uma em casa. 

A curiosidade da turma deu origem ao projeto Fotografia: a descoberta do olhar, no qual a câmera fotográfica foi o instrumento para o aprendizado da importância da luz, composições e da poética das imagens. Marília propôs ao grupo criar uma série de fotografias tendo como tema um objeto de predileção – a inspiração veio da escritora e filósofa norte-americana Susan Sontag, que afirma que “colecionar fotos é colecionar o mundo”. Antes de permitir que os alunos colocassem as “mãos na máquina”, Marília pediu que eles recortassem imagens de revistas que representassem coisas importantes e significativas em suas vidas, e colassem num papel sulfite A3. “Por meio delas começamos a analisar as composições, a importância do equilíbrio visual e alguns fatores que o favorecem, como a localização da forma no suporte, o tamanho, a cor, a configuração, o peso, a direção”, relata a professora.

A diferença entre fotografias documentais e artísticas tornou-se mais concreta quando a professora exibiu obras de fotógrafos renomados, como os norte-americanos Alfred Stieglitz e Paul Strand, e do brasileiro Sebastião Salgado. Elementos da linguagem fotográfica, além da poética do autor, foram debatidos a partir da apreciação das fotos e da leitura de imagens. Só então a professora explicou os principais recursos automáticos da câmera digital e como usá-los, além da importância da luz no processo.

96 MÃOS

Colocar o projeto em prática foi um desafio. Com apenas duas câmeras – uma da escola e outra dela mesma – e 96 mãos ávidas por um clique, Marília organizou quatro sessões fotográficas por aula de 110 minutos. Os alunos deveriam fotografar objetos que tivessem significado especial e, considerando a sua faixa etária, o universo infantil ganhou destaque: bonecas, carrinhos e bichos de pelúcia viraram modelos. Empolgados, aqueles que não estavam fotografando passaram a desenhar estes itens. “Os demais estudantes foram orientados a não interferirem no processo dos colegas, mas no decorrer do projeto percebi que a interação entre eles acontecia naturalmente e era enriquecedora para a aprendizagem”, constatou a professora.

Algumas crianças ficaram ansiosas ao manusear a câmera fotográfica pela primeira vez, mas na medida em que foram dominando a técnica, conseguiram se soltar e usufruir da experiência de forma prazerosa e divertida. A maior dificuldade foi conseguir nitidez nas fotos, principalmente devido às condições de luz. “Depois de algumas explicações, o resultado sempre era melhor”, lembra a professora.

Na exibição das “coleções” para a classe, Marília fez questão de ressaltar os aspectos positivos do trabalho, analisando com os alunos a composição, enquadramento, os fatores de equilíbrio, clareza, harmonia visual, pontos de vista, ângulos e planos. “Foi muito gratificante observar as reações das crianças, a alegria estampada em seus rostos, o orgulho de ter conseguido produzir as imagens fotográficas, o respeito pelo trabalho do outro”, destaca Marilia. “Este projeto superou minhas expectativas. As trocas de experiências, as reflexões, os desafios superados e os resultados obtidos geraram um grande aprendizado e amadurecimento. Ver o crescimento deles e acompanhar os seus processos transformou, também, o meu olhar como professora”, finaliza.

*A professora Marília Kalil participa do grupo de estudos do polo Arte na Escola FAP (Faculdade de Artes do Paraná).

Para ir além:

SONTAG, Susan. Sobre fotografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
FILHO, João Gomes. Gestalt do objeto: sistema de leitura visual da forma. São Paulo: Escrituras Editora, 2008.

 

Por Ana Carolina Belchior de Jesus

Comentários Deixe o seu comentário

  • Celia Cruz, 17:02 - 09/10/2015
    Que lindo

Deixe o seu comentário

Os campos assinalados com (*) são de preenchimento obrigatório.




Ainda nesta edição