Boletim Arte na Escola

Prêmio Arte na Escola Cidadã chega à 15ª edição valorizando e reconhecendo boas práticas

Quinze anos de vida, 71 premiados. A trajetória do Prêmio Arte na Escola Cidadã ganhou mais um capítulo na noite de 24 de novembro, na cerimônia realizada no Museu da Imagem e do Som, em São Paulo. Os cinco vencedores da 15ª edição mostraram que a criatividade é importante na concepção de um projeto pedagógico, porém o envolvimento dos próprios alunos e de outros professores, o empenho para encarar as adversidades e o profissionalismo na condução das tarefas fazem a diferença no resultado dos trabalhos.

Em seu discurso, a presidente do Instituto Arte na Escola, Evelyn Berg Ioschpe, fez uma retrospectiva dos 25 anos do Arte da Escola e agradeceu aos 800 professores inscritos no prêmio por fazerem do ensino da arte, muitas vezes realizado em situações precárias, uma bandeira de vida. “Meninos e meninas aprendem nas aulas de arte que não há uma única resposta válida para as questões que a vida coloca, que o conhecimento se dá no processo e não nos resultados, que com Arte se aprende Arte, mas também Português e Matemática e Ciências e História e Geografia. Com certeza eles alunos serão melhores médicos, engenheiros, designers e artistas porque tiveram boas aulas de arte. É o esforço de vocês, professores, que me faz acreditar que o Brasil pode estar entre os melhores do mundo. É para isto que há 25 anos trabalhamos”, destacou a presidente.

Os professores premiados receberam R$ 10 mil, publicações e dois dias de formação cultural. Já as escolas ganharam um computador, uma câmera fotográfica e uma filmadora digital, além de uma caixa com 30 documentários sobre arte brasileira da DVDteca Arte na Escola.

Os vencedores
Na categoria Educação Infantil, a premiada foi a professora Érica Poltronieri, do Centro Municipal de Educação Infantil Marlene Orlande Simonetti, de Vitória (ES). No Ensino Fundamental I, o vencedor foi Paulo Lorenzeti, professor da Escola Estadual Diva Gomes dos Santos, de Mauá (SP). A professora da Escola de Aplicação da UFRJ, Mariana Guimarães, foi a vencedora na categoria Ensino Fundamental II. Da pequena Santa Branca, no interior de São Paulo, vem a professora da Escola Estadual Waldemar Salgado, Aline Liberato, ganhadora na categoria Ensino Médio. Já Carmem Midori Namiki Onuki, do CIEJA Rose Mary Frasson, ficou com o prêmio da categoria Ensino de Jovens e Adultos.

Em vídeo exibido no encerramento da cerimônia, o ator e diretor de teatro Celso Frateschi parabenizou o Instituto Arte na Escola pela criação e longevidade do prêmio e por valorizar quem atua lá na ponta em prol da educação no país. “Mais importante do que educar é deseducar. É mostrar que a vida pode ser diferente”. O rapper e apresentador Max B.O., mestre de cerimônias do evento, lembrou que seu talento foi descoberto e incentivado por uma professora de Arte que percebeu a aptidão do menino para os versos e levou a música para sala de aula. “A escola nos dá a possibilidade de fazer coisas que estão dentro de nós e que nunca prestamos atenção”, finalizou.

Por Rosiane Moro

Comentários Deixe o seu comentário

  • ana carolina, 16:24 - 15/10/2015
    eu quero saber tudo sobre artes porque na minha escola vai ter campeonato e eu fui escolida para fazer o trabalho de artes entao eu quero saber o nome das linhas
  • Instituto Arte na Escola, 16:29 - 15/10/2015
    Olá Ana, para saber mais sobre o Prêmio Arte na Escola Cidadã acesse nosso site: www.artenaescola.org.br/premio abraços

Deixe o seu comentário

Os campos assinalados com (*) são de preenchimento obrigatório.




Ainda nesta edição