Boletim Arte na Escola

Descansando sobre sacos, 1985

Descansando sobre sacos, 1985

Raquel Alves

Luiz Braga gosta de olhar para a floresta. Não a floresta exótica, alegórica, que vende a imagem do Brasil nos folhetos das agências de viagens, nos cartazes estereotipados de hotéis e restaurantes, mas aquela que passa, literalmente, à margem. Tem especial fascínio pela porção de urbanidade que se esparrama nas beiradas amazônicas, circundando rios, engolindo porções de igarapés, moldando periferias de cidades. Até pouco tempo, cerca de três anos, o foco preferido de suas lentes estava nos arredores de sua cidade natal, a Grande Belém, mas Luiz Braga se zangou com a violência crescente. A insegurança de andar livre pela cidade, cuja alma retratou por pelo menos três décadas, o obrigou a uma espécie de autoexílio, impondo uma trégua forçada na sua relação íntima com a capital.  Seguiu para o interior do Pará sem descuidar da temática que o consagrou como um dos mais destacados fotógrafos do Brasil: o homem comum, o trabalhador ribeirinho, a lida, a graça e o ócio nas franjas da mata.  Achou material farto na ilha de Marajó e em outras cidadelas ao redor. "Simplesmente não sei andar por aí rodeado de seguranças, distribuindo contratos de uso de imagem, não é meu estilo. Para mim, a fotografia sempre foi um momento de cumplicidade e nunca uma expropriação visual. Preferi voltar o foco para outros lugares, mesmo sabendo que Belém continua viva, pulsante", lamenta.

Com obras em dezenas de coleções, diversas exposições e participação na 53ª Bienal de Veneza, Luiz Braga gosta do traço humano, da cor cabocla, do facho de luz que enche de força uma cena banal. Não aprendeu com ninguém a enxergar arte onde a maioria só vê cotidiano, afinal pouco havia de fotografia naquela Belém dos anos 1950 e 1960, época da sua infância. Aos 11 anos teve sua primeira câmera e nunca mais parou de explorar a visualidade amazônica, em busca "do que está fora do olho", como ele mesmo define. Ao longo da carreira foi apurando o olhar e experimentando possibilidades de cor e luz, delimitando assim fases distintas de trabalho. Começou com o preto e branco, que era a técnica mais acessível naquele momento, passeou por diversas temperaturas de cores. Em 1975, mesmo ano em que entrou para a Universidade Federal do Pará, onde formou-se arquiteto, montou um pequeno estúdio e passou a se dedicar mais às cenas urbanas e retratos. Colaborou com vários jornais, criou o próprio tabloide, o Zepellin, e no começo dos anos 1980 voltou ao preto e branco, agora como opção estética. As cores intensas e a luz abundante marcariam seu trabalho já no início dos anos 1990, justamente quando o preto e branco eram o símbolo da fotografia artística.

Sem fazer concessões às tendências e modismos, a obra de Luiz Braga logo ganhou consistência e as melhores galerias dentro e fora do Brasil. Ele nunca parou de explorar novas possibilidades para potencializar a força de suas imagens. Como fotógrafo de seu tempo, também capta momentos com a câmera do celular e compartilha imagens no Instagram, mas nem por isso acha que as novas gerações estão mais aparelhadas. "Construir carreira é muito mais do que uma questão pontual. As novas gerações querem produzir rápido demais, sem se dar ao luxo de errar. Fotografia é um misto de corte, genialidade e oportunidade, mas exige construção. É voltar lá e insistir, cinco, 10, 30 anos", receita.

Para trabalhar com os alunos

Câmeras pinhole são o instrumento que Luiz Braga utiliza nas oficinas que ministra para as crianças da ilha de Marajó, também no Pará. Mas para o Boletim Arte na Escola o fotógrafo propõe um trabalho mais afinado com as novas tecnologias: a produção de mini-documentários individuais. Ele explica: "Pensando na definição da escritora Susan Sontag, de que 'fotografar é atribuir valor', os professores podem propor que seus alunos passem uma semana registrando com a câmera do celular coisas que ele julguem importantes no seu dia a dia. As imagens colecionadas podem ser editadas na sala de aula, com a ajuda do professor, gerando um documentário individual, com 10, 12 imagens mais representativas. É um exercício para quebrar a banalização do uso que se faz das imagens criadas com o celular, e pode gerar um conteúdo reflexivo interessante: as crianças interpretando a própria realidade. Acredito que o grande espetáculo da vida não está no carnaval, nem nas grandes celebrações. Ele se dá no cotidiano das pessoas. É treinar o olhar para as pequenas ações do dia a dia", provoca o fotógrafo paraense.

Luiz Braga Balanço no Igarapé 2006

*A obra Balanço no Igarapé, série Nightvision, 2006, foi gentilmente cedida pelo fotógrafo e artista Luiz Braga para ilustrar o XVI Prêmio Arte na Escola Cidadã

Comentários Deixe o seu comentário

  • Angela, 18:46 - 05/05/2015
    Parabéns, gostei muito da matéria, e de um novo olhar para a fotografia. Estarei usando essa fotografa e suas imagens maravilhosas nas minhas próximas aula que é justamente sobre a fotografia.
  • Maria de Fatima Melo Costa, 10:26 - 09/05/2015
    Muito obrigado, estava precisando desta informação, parabéns para todos que aqui colaboraram.
  • rafael angelo, 13:24 - 23/05/2016
    Foi muito bom ter conhecido o trabalho desse artista no ano passado através do premio arte na escola!

Deixe o seu comentário

Os campos assinalados com (*) são de preenchimento obrigatório.




Ainda nesta edição

  • Criando raízes

    Vivência

    Projeto que une Dança, Teatro
    e Literatura resgata origens
    e aumenta autoestima

  • Mestrado Profissional

    Carreira

    ProfArtes abre caminhos
    para repensar o ensino das artes na educação formal

  • Pequenos grandes artistas

    Pelo mundo

    Vídeos, desenhos, fotos e pinturas vão revelar o olhar de 5 mil crianças de 35 países sobre a sua realidade
     

  • Teatro na escola

    Oficina

    Uma das vantagens da linguagem do teatro é a dinâmica. O perigo, no entanto, é transformar a aula apenas em experimentação

  • Ensino da arte:
    pedagogo ou especialista?

    Polêmica

    De quem é a responsabilidade pelo ensino da arte nas séries iniciais?

  • Trabalho em rede

    25 anos

    Em grupos de estudos, de pesquisa, cursos e workshops, polos Arte na
    Escola promovem formação continuada

  • O relato de experiências
    como narrativa

    Artigo

    O que é fundamental para
    relatar o projeto com fidelidade?

  • Editorial

    Editorial

    Vocês sabiam que apenas 6% dos professores de arte deste nosso Brasil têm formação específica em Artes?