Boletim Arte na Escola

É sempre uma alegria chegar ao final do ano - tempo da outorga do Prêmio Arte na Escola Cidadã.  Se durante todo o ano nosso foco é a educação continuada do professor de Arte, a chegada da Primavera é tempo de colheita: num processo que, na verdade, dura praticamente o ano todo, vamos garimpando os melhores professores de arte no Brasil.  Assim como uma árvore se transfigura ao longo das estações, primeiro é tempo de adubar e regar, para depois podermos observar os brotos explodindo com todo vigor de uma ação consequente. 

Os projetos - 667 este ano - são redigidos, burilados, documentados e enviados para nós, que os dividimos pelas regiões de origem, para garantirmos um olhar qualificado local na seleção. É uma das universidades que sedia o Arte na Escola que toma a si a primeira seleção de projetos.  Na segunda instância, são as regiões que se organizam para sempre através das universidades sediarem os Comitês de Avaliação.  Em muitos casos, encontramos greves pela frente e o desenho inicialmente traçado teve que ser refeito para contemplar as incongruências do ensino superior em nosso país.  Por último, um júri de notório saber em cada uma das linguagens artísticas disseca os projetos finalistas, a busca daqueles que podem iluminar o caminho de outros professores de arte através de sua exemplaridade. 

Temos apreciado o crescimento da qualidade dos projetos ano a ano, que frequentemente tem ligação com a formação superior mais especializada dos professores. Outra observação que cabe fazer é o poder da Arte de transversalizar o ensino, o que lhe garante uma proeminência no ambiente escolar e uma vantagem adicional, numa disciplina ministrada apenas uma vez por semana: mais tempo no currículo.

No momento que a Educação Integral volta a crescer, é a estação certa para os professores de Arte perceberem novas oportunidades e se prepararem para este novo tempo dilatado com propostas de qualidade.  Aqui os cinco premiados e mais as menções honrosas pavimentam o caminho.

Evelyn Berg Ioschpe

Comentários Deixe o seu comentário

  • Nenhum comentário foi encontrado para o conteúdo acima.

Deixe o seu comentário

Os campos assinalados com (*) são de preenchimento obrigatório.




Ainda nesta edição