Arte flamenga

Arte que floresceu entre os séculos XV e XVII, na região que compreende o norte da Bélgica e Países Baixos. Suas características principais são a cultura visual fundamentada em tradições que privilegiam a observação atenta do mundo natural e a valorização da superfície material da imagem.

Ecossistemas

Conjunto formado por todas as comunidades que vivem e interagem em determinada região.

Figurativa

Que nos remete à semelhança de objetos existentes no mundo.

Pinturas de gênero

Desenvolveu-se em meio ao florescimento do barroco na Europa católica (século XVII) nos Países Baixos, sobretudo nos Países Baixos do Norte (a porção que hoje corresponde à Holanda). Trata-se de um estilo sóbrio, realista, comprometido com a descrição de cenas rotineiras, temas da vida diária, como homens dedicados ao seu ofício, mulheres cuidando dos afazeres domésticos, ou até mesmo paisagens.

Tridimensionalidade

Que diz respeito ao que é tridimensional, ou seja, que tem ou dá a ilusão de largura, altura e profundidade.

Volume

Nos desenhos, gravura e pinturas são efeitos obtidos com materiais que dão a ilusão de tridimensionalidade.

Provocando olhares

Trabalhar arte na escola exige do professor o compromisso de promover o conhecimento por meio da exploração de uma linguagem ou mais linguagens intercalando saberes conceituais, históricos e procedimentais. Rosa Iavelberg (2003, p. 11) ressalta:

“O papel do professor deveria ser como o de um regente de orquestra, para o qual os alunos (instrumentistas) têm participação única e significativa na construção coletiva e individual dos processos e produtos da aprendizagem”.

Sob o ponto de vista pedagógico, o aprendizado em arte deve envolver ações nos distintos eixos de aprendizagem – a saber, fazer, ler e refletir sobre a produção social e histórica da arte, contextualizando os objetos artísticos e seus conteúdos. Sob essa perspectiva, o fazer torna-se o “campo construtivo” onde parte significativa dos conhecimentos adquiridos se concretiza, ganhando forma material. Por isso, é muito importante que o conteúdo trabalhado esteja conectado com o fazer, ou seja, a escolha da técnica e dos materiais que serão construídos e manipulados em função de suas especificidades discursivas pode aproximar ainda mais os alunos dos contextos em torno dos conteúdos trabalhados.