Forum
Mirca Izabel Bonano

Com o novo Fórum pretendemos continuar a conversa...

 Como diz a professora Dra. Mere Abramowicz,  " A avaliação é uma janela privilegiada de onde se espia a concepção de educação e a prática educativa, tanto do professor como da instituição"

 Aproveite este espaço para trocas e novos aprendizados,  convide seus amigos.

Mirca Izabel Bonano

Caros Professores,

 

O tema avaliação, já tratado anteriormente neste espaço, suscitou o desejo de continuar a conversa.

 

A proposta de dar continuidade ao assunto surgiu, tanto dos professores que participaram das discussões neste site, quanto daqueles que estiveram presentes nas palestras e grupos de trabalho sobre o tema realizados durante o XXIII Encontro Nacional da Rede Arte na Escola, em outubro, na cidade de Recife-PE.

 

Este novo fórum, que receberá a sua participação até 3 de dezembro de 2009, terá a mediação da  professora MARIA CECÍLIA DE CAMARGO ARANHA LIMA. Doutora e Mestre em Ciências da Educação pela Univ. Pierre Mendes France, Grenoble – França,  formada em Comunicação Visual e Educação Artística pela FAAP - Fundação Armando Álvares Penteado, SP, Cecília é autora de coleções didáticas para o ensino da arte, de livros infanto-juvenis, assessora e consultora pedagógica na formação contínua de professores e membro do Conselho Consultivo da Fundação Abrinq.

 

 No fórum, você pode argumentar e questionar, responder, dar sua opinião, pedir e oferecer ajuda. Seu texto é publicado imediatamente e você pode responder diretamente a um participante ou dirigir-se a todo o grupo.

 

  Desejamos contribuir para as reflexões do processo de avaliação das suas práticas educativas.

 

Abraço,

 

Mirca Bonano

Instituto Arte na Escola

Cecilia Da Silva Camilio

Como nas demais áreas de conhecimentos, na arte também ocorre o tempo de testagem, da avaliação. O aluno ou o público em geral vai observando primeiro, acredito que, como uma dosagem de conta gotas, assim vão liberando pouco a pouco sua visão sobre a arte e o que tem absorvido dela. Em doses pequenas começam a se prenunciarem, Usando essa conta gotas como uma pessoa que sabe que se tomar  um remédio. O professor deverá também agir da mesma forma, com cautela, mas continuamente. E assim aumentando o nível de exigência.

Acredito que assim a avaliação não assustaria meu aluno, e ajudaria a valorizar o conhecimento que ele vem adquirindo...

Marisa Ribeiro Da Silva Pardini
Que bom observar a preocupação entre o meio acadêmico sobre a questão da Avaliação. Considero que este tema possa aprofundar os conhecimentos e simultaneamente expor como o ato avaliativo tem sido realizado. Muitos estudiosos definem a avaliação como medir, julgar, mensurar conhecimentos e aprendizados. Isto pode ser colocado de forma relativa nas demais disciplinas, mas a questão é: Como "medir" o aprendizado em Artes? Quais instrumentos e critérios utilizar? Este é um procedimento importante para o avaliador e avaliado. Para que o ensino de Artes seja realmente instituído entre os docentes é necessário buscar embasamento teórico e sério para que a disciplina não caia no descaso e seja vista como mera atividade. Estes encontros e fóruns podem ser um caminho de busca para nós educadores e seres sedentos do saber. Um abraço a todos,
Marisa Pardini (Ribeirão Preto- SP)
Greice Cohn

Muito bem-vinda essa discussão neste fórum. Já no Encontro Nacional, em Recife, foi de grande valia o aprofundamento no tema que tanto preocupa os professores de Arte. A partir de todas as discussões que desenvolvemos, gostaria de destacar duas questões:

1- O professor, ao avaliar o aluno, está avaliando o seu próprio processo de ensino-aprendizagem. Este processo fica explicitado tanto nos instrumentos de avaliação, como nos resultados obtidos. Esses processos e seus resultados promovem uma constante oportunidade de auto-avaliação aos professores e precisam ser vistos como tal.

2- É preciso que o aluno esteja ciente dos critérios avaliativos pelos quais está passando nos processos de ensino-aprendizagem e que possa também ser ativo nessa avaliação. O exercício avaliativo é uma poderosa oportunidade para o aluno de reflexão, percepção, amadurecimento, apropriação e responsabilização dos processos de aprendizagem nos quais está envolvido.

Com certeza temos muito a dizer sobre isso, e a aprender também. Fica aí o Fórum como um exercício de troca e reflexão para todos. Abs,

Greice

Carla Cristina Da Silva Santos

Sou professora de Arte da rede pública estadual de São e apesar de, nos últimos anos, ter assistido a frequentes discussões sobre o assunto avaliação, ainda tenho muitas dúvidas sobre a melhor forma de desenvolver esse ponto tão importante do processo de ensino-aprendizagem. Quando li o boletim do site sobre esse tema do fórum pensei em escrever buscando saber da experiências de outros docentes nesse assunto.

Do meu ponto de vista acho que o processo de avaliação em Arte deve priorizar o processo, o desenvolvimento dos projetos e atividades, o envolvimento e a interação do aluno nas aulas Acho que um processo muito individualizado por isso complexo. O que vocês acham? Gostaria muito de trocar experiências sobre isso.

Até mais,

Carla Cristina

Isabel Neves

Sou professora do 1º ciclo, (dos 6 aos 10 anos)

Falar de avaliar a arte parece-me muito vago.  Para mim a arte tem várias vertentes. Mesmo pensando numa visão holistica, julgo serem diversos os aspectos a avaliar. em primeiro lugar, parece-me importante avaliar a evolução individual, o empenho demonstrado e o crescimento individual. A capacidade critica de avaliação do seu trabalho e dos outros , constroi uma estetica individual e uma consciencia do colectivo.Se procuramos o desenvolvimento global dos alunos não me parece possivel avaliar arte segundo apenas segundo niveis de competencias.

Adriana Aparecida Della Torre Merki
Sou professora do Estado de São Paulo, e acredito que não seja a unica a sentir dificuldades para avaliar meus alunos atualmente.Para ser bem sincera antes das apostilas fornecidas pelo governo conseguia visualizar melhor meu aluno nas atividades propostas.Hoje além da dificuldade dessa visualização de criatividade ainda tenho a dificuldade em convencer meus alunos a participarem de certas atividades ali inseridas.Tenho me sentido engessada nas aulas, pois a supervisora chega a perguntar em que página estou, mostrando que tenho que seguir rigorosamente o material, e quando me deparo com questões onde o aluno se recusa a fazer, principalmente na parte de teatro e dança, chego a me sentir frustada. Como vou avaliar um aluno tímido, que não representa nas peças, não dança, mas tem uma capacidade enorme em pintar, só que não estou trabalhando com pintura?
Carmem Guizilim Munhoz
Ola! sou professora de arte na educação especial. Que bom  conhecer a opinião de outros profissinonais a respeito desse assunto e principalmente pessoas com larga experiência. Desde já agradeço se puderem indicar alguma bibliografia específica.
obrigada
Carmem
Rita De Cassai Lemos Bareia
Olá pessoal, meu nome é Rita Bareia, sou professora de Arte do estado de São Paulo, achei muito pertinente este tema. Vi que este tema é continuidade do outro fórum, infelizmente nao participei, gostaria de trazer para este diálogo a avalição formativa e autores como Roldão e Jussara Hoffman. Aguardo o comentário das colegas,



abraço



Rita Bareia
Carlos Fernando Pulhiese

Sou professor de artes do ensino fundamental e médio da rede estadual de ensino de Minas Gerais. E um dos grandes entraves para se avaliar o aluno é a falta de material didatico que não é fornecido pelo governo, ou seja, o aluno não possui livro e sou obrigado a desenvolver meu próprio material.

Outro ponto que atrapalha a avaliação é que está disciplina não possui nota e sim conceito o que faz com que o aluno não dê importanância, pois não é reprovado.

Eleida Mari Girardi

 Sou professora de artes no RS e trabalho com ensino fundamental, médio e curso normal. Não utilizo apostilas, preparo meu material através de textos que busco em livros, sites, etc. Para a avaliação utilizo portfólio, provas, textos que os alunos precisam estar escrevendo, leitura de imagem, etc. O que para mim é mais difícil na avaliação é não ter continuidade, por exemplo no ensino médio tenho aula somente nos 1° anos, fico sem trabalhar muito conteúdo, a disciplina de artes deveria ser obrigatória como está nos PCN, deveria ser valorizada enquanto componente curricular. Enviam material didático de todas as disciplinas, mas artes sempre fica de lado. O educando não tem continuidade de conteúdo, pois cada escola escolhe algumas séries para ter este componente curricular. Quando Artes for realmente obrigatório, quando os governos principalmente municipal e estadual forem OBRIGADOS a ter artes em todas as séries daí poderemos ter um trabalho de qualidade e com certeza uma avaliação mais eficiente.

Eleida Girardi

Três de Maio - RS

Tânia Maria De Sousa França

Olá! Um abraço carinhoso a todos e todas

Sou professora da disciplina de arte e educação do curso de pedagogia de uma IES particular de Fortaleza (ce), e o tema avaliação é muito pertinente. Trabalho com formação de professores, logo fiquei pensando como estou formando os alunos, futuros professores para avaliarem no ensino de arte? Penso que antes de especificar o ensino de arte é necessário refletirmos sobre o conceito de avaliação de maneira geral, qual o meu vínculo com esta temática? Qual a minha história com relação a avaliação? Acredito que a forma de avaliar de cada um tem base na experiência de vida pessoal e profissional. Daí ser necessário inicialmente, ficar claro esse vínculo, não só com a avaliação, mas também com a arte e identificar o que é preciso modificar, transformar para depois pensar na avaliação no ensino de arte. Nas minhas aulas trabalho com portfólio, texto-sentido, oficinas e autoavaliação, com o intuito de oferecer aos alunos possibilidades diferentes de avaliação, mas tendo como norte os objetivos traçados no projeto da disciplina.

Professora Tânia Sousa

Adriana Aparecida Della Torre Merki
Carla Cristina da Silva Santos escreveu:

Sou professora de Arte da rede pública estadual de São e apesar de, nos últimos anos, ter assistido a frequentes discussões sobre o assunto avaliação, ainda tenho muitas dúvidas sobre a melhor forma de desenvolver esse ponto tão importante do processo de ensino-aprendizagem. Quando li o boletim do site sobre esse tema do fórum pensei em escrever buscando saber da experiências de outros docentes nesse assunto.

Do meu ponto de vista acho que o processo de avaliação em Arte deve priorizar o processo, o desenvolvimento dos projetos e atividades, o envolvimento e a interação do aluno nas aulas Acho que um processo muito individualizado por isso complexo. O que vocês acham? Gostaria muito de trocar experiências sobre isso.

Até mais,

Carla Cristina


Olá Carla.

Concordo plenamente com voçê sobre a individualização da avialiação em arte, mas infelizmente o que tenho visto e que quando nossos alunos são avaliados e classificados fora da escola, a arte tornasse um tema de avaliação de massa.Não preocupam-se com o que ele pensa mas sim com um conteúdo teórico sobre vida de artistas e conceitos de linguagens muitas vezes decoráveis.

Voçê tem conseguido coordenar os dois assuntos em suas aulas seguindo o material didático do governo do Estado?

Eu particularmente tenho suprimido alguns pontos das apostilas para abordar esses assuntos,mas estou achando pouco.Se tiver umas dicas agradeço. Adriana Merki São Jose do Rio Pardo

Elizete Aikawa Padilha

Olá pessoal "dasartes"! Émuito bom encontrar uma tribo que fala nossa lingua. É assim que vejo este espaço. Sou professora da rede estadual de S.Paulo, mais precisamente da pequena cidade de Santa Isabel, e ardente defensora do ensino de Arte nos meios escolares. Meu olhar para a avaliação foge um pouco dos meios ortodoxos, pois acredito que as formas de aprendizado artístico são importantes não só para o desenvolvimento pessoal do aluno, como para o próprio processo de renovação da arte. Ao mesmo tempo que o ensino de Arte consagra e difunde certos princípios, promove o debate, a crítica e a experimentação estimulando a renovação de cabeças que, futuramente poderão contribuir,  participar ativamente na definição do gosto estético do grupo que convivem. Uma avaliação rigorosa e antecipada quebra o amadurecimento deste processo. Recomendo o uso de muita cautela nesta hora e um olhar educado para "ver" a produção do aluno. Um forte abraço para todos.

Elizete Aikawa Padilha

Maria Cecilia Camargo Aranha Lima
Boa tarde!
Sou a M. Cecília que - com muito prazer - fará a mediação deste forum, a convite do Instituto.
Se avaliação não é tema simples, tampouco arte na educação, temos realmente um grande tema pela frente: avaliação em arte!
Pelo número de participantes nestes poucos dias de "forum aberto", penso que teremos um grande e privilegiado espaço para trocarmos nossas dúvidas, nossas experiências,  assim como nossos pontos de sucesso.
Voltarei em breve,
Abraço a todos.   
4214 visualizações | 30 respostas Faça login para responder