Forum
Mirca Izabel Bonano

A síntese das postagens do ultimo fórum de música foram organizadas e sintetizadas com objetivo de identificar o universo de questões que ainda necessitam de entendimento. O novo fórum deve tratar das dúvidas e questões relativas ao ensino aprendizagem em música, a possibilidade de trocas entre professores, e o esclarecimento de aspectos da  Lei 11.769.

 

Mirca Izabel Bonano

Caros Professores

 

Boa tarde!

 

Em virtude do acumulo de questões que ainda ficaram por responder no último fórum “Música na Escola, o que ensinar?”, proposto pelo professor Francisco de Paula Medeiros Ribas, em novembro último, decidimos abrir uma nova oportunidade de encontro entre os interessados no assunto.

 

Este novo fórum terá uma dinâmica diferenciada. Contamos com a presença de um mediador para apontar possibilidades do trabalho com música na escola e de dois professores colaboradores, que comentarão principalmente as questões relacionadas à Lei n. 11.769.

Convidamos para mediar este encontro o professor Guilherme Gabriel Ballande Romanelli - atualmente é professor assistente da Universidade Federal do Paraná (UFPR) no Departamento de Teoria e Prática de Ensino, do setor de Educação e aluno de doutorado do Programa de Pós Graduação em Educação da UFPR. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Musical, atuando, principalmente, nos seguintes temas: Educação Musical, Musicalização, Formação de Professores, Resgate da Música Popular e Construção de Instrumentos.

Os colaboradores são representantes da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MUSICAL – ABEM.

Sérgio Luiz Ferreira de Figueiredo - É coordenador da Comissão de Avaliação da área de música do ENADE junto ao INEP. É coordenador do Programa de Pós-Graduação em Música - Mestrado da UDESC. Membro da Comissão Nacional de Incentivo 'a Cultura - CNIC, do Ministério da Cultura (2009-2010). Atualmente é presidente re-eleito da Associação Brasileira de Educação Musical - ABEM.

Luis Ricardo Silva Queiroz - Atualmente é professor adjunto do Departamento de Educação Musical e do Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal da Paraíba. Tem atuado na área de Música, contemplando, mais especificamente, os campos da Educação Musical e da Etnomusicologia.

No fórum, você pode argumentar, questionar, responder, dar sua opinião, pedir e oferecer ajuda. Seu texto é publicado imediatamente e você pode responder diretamente a um participante ou dirigir-se a todo o grupo.

Desejamos que este seja um momento produtivo para todos os professores.

 

Abraço,

 

Mirca Bonano

Instituto Arte na Escola

Guilherme Romanelli

Prezados professores,

É sempre um prazer discutir a relação entre a música e a escola. A partir da promulgação da Lei 11.769, grande parte da comunidade escolar está apreensiva em desvendar como a obrigatoriedade do ensino da música ocorrerá, o que gera muitas angústias e preocupações. Por outro lado, temos uma oportunidade única de acompanhar as primeiras discussões sobre essa nova fase do ensino de música , o que promete debates fervorosos que traduzirão a paixão que temos pelo tema.

Desejamos a todos uma ótima discussão,

Guilherme Romanelli

Myrna Azevedo Valente

A música, assim como a imagem, está em todo lugar, faz parte do cotidiano de todos nós, praticamente.

Mas não é fácil trabalhar com ela. Os critérios de uso da música na escola devem ser muito claros, inclusive no Projeto Político da escola.

Não pode ficar no campo do entretenimento ou do descanso e da brincadeira. A música é muito mais que isso, tem que ser levada mais a sério.

Tenho lido muito a respeito e espero que seu uso seja levado a sério.

Hoje contamos com muitas facilidades tecnológicas, temos que aproveitar esse bom momento.

Everaldo Assunção Salvador
Olá a todos, saudações.

Concordo com a Myrna, não podemos encarar ou tratar essa questão com leviandade. Confesso que não tenho nenhuma formação ou habilidades na área musical, no entanto estou sendo cobrado à atuar de modo profissional. Como farei isto? de que instrumentos posso dispor para não fazer de conta?. Abraços.
Luciana Pires Ribeiro

Oi, sou professora de Artes e estou me graduando em Pedagogia, e não poderia deixar de comentar o quanto também estou preocupada com a lei 11.769, é preciso esclarecimentos, pois sabemos o quanto é leviano colocar um profissional em uma sala de aula apenas para ocupar tempo e espaço.Como fica a questão da aprendizagem?

Cleonice Borges Leal
Essa idéia da obrigatoriedade do ensino de música na escola é fantástica, sabemos o quanto a música disciplina uma pessoa, tornando-o auto-aprendiz, mas para que isso aconteça é preciso fazer valer a Lei 11.769, contudo faz-se necessário que a mesma chegue até ás escola para estudos entre professores e esclarecimento concreto.
Maria Cristina Xavier Reis Vilas Boas

Olá, colegas

Sou pedagoga e este ano assumi aulas de Artes (5ª a 8ª série do ensino fundamental e 3º ano do ensino médio). A minha preocupação é a mesma dos demais professores. Como trabalhar com os alunos assuntossobre os quais não tenho formação? Como trabalhar a música com essas turmas? Gostaria muito de sugestões de textos, livros e outros materiais que pudessem me ajudar não somente na área de música como nas demais áreas relacionadas a disciplina Artes. Mais um questionamento: como fica a formação do educador para que esse trabalho possa ser realmente significativo para todos?

Um abraço,

Cristina

Vilma De Souza Saqueti

  Acho que ensinar música aos alunos uma ideia fantástica, porém fica pergunta:

- Atualmente os professores de artes (principalmente a área de plásticas) não tem esta materia no curriculo,então da onde tiraremos este conhecimento?

- E mesmo que fique estipulado que nós deveremos nos capacitar, quem arcará com as despesas? Afinal sabemos que a maioria dos professores trabalham de 2 ou 3 escolas (entre publicas e particulares).

- E mesmo sabendo que somos professores por escolha e que é o nosso dever estar sempre se reciclando, o quanto daremos de nós, de nosso tempo com nossas familia, para outros que nem sempre nos valorizam.

Lucia Helena

Boa noite,

Gostei imensamente da retomada do assunto, e aproveito para pedir, como a colega Cristina, idéias de como trabalhar música com alunos do ensino fundamental de 5 a 8 série e ensino médio, contudo, para mim já é mais fácil pois minha formação é música, sou formada em Educação Artística com Habilitação nesta área, e Bacharel em piano pelo CBM. Contudo não detenho a prática de ensino nesse enfoque. Minha experiência de 26 anos nas escolas se deteva às artes visuais, com pinceladas muito ralas no campo musical.

Prof: Lucia Helena

Valéria Boaretto
Oi pessoal, já leciono música em escolas particulares, meus alunos tocam flauta - doce e instrumentos de percussão, adorei quando fiquei sabendo que a música voltará para as escolas, pois até agora ela só estava presente nas escolas particulares, isso dá oportunidade para todos, pois a música é muito importante na vida das crianças e dos adolescentes, na sua formação, cultura e desenvolvimento. Aliás meu TCC da fauldade de Artes foi " A importância da música no desenvolvimento infantil". Beijos à todos e qq coisa estou à disposição tanto pra passar quanto para aprender também.
Kádia Eneida

Oii!!!!

Fico feliz que tenha uma Lei que trata da obrigatoriedade do Ensino de Música nas Escolas Públicas. Entretanto, sabemos que além da Lei, há a necessidade de política públicas para efetivarem a legislação. Espero que não fique só no papel, como o direito que professor tem de horário pedagogico semanal. Bom pelo menos é a realidade de Manaus. O planejamento é mensal. A música e a posia são responsaveis pela humanização do homem. vamos torcer pra ser efetivada.

Profª Kádia Eneida

Rosânia Ribeiro Sasso Das Dores

ACHO INTERESSANTE E INDISPENSÁVEL A PRESENÇA DA MÚSICA NA ESCOLA. EU, COMO EDUCADORA DE ESCOLA INFANTIL, CONVIVO COM A MESMA EM DIFERENTES MOMENTOS. COM O TEMPO SERÃO REALIZADOS MAIS CONCURSOS, ONDE TEREMOS A PRESENÇA DOS PROFESSORES ESPECIALIZADOS. PORÉM, NÃO DEVEMOS ESPERAR, DE FORMA IMPRODUTIVA. PARA OS PEQUENOS, PODEMOS APRESENTAR AS MÚSICAS FOLCLÓRICAS E TAMBÉM UMA BOA SELEÇÃO DE  MÚSICAS POPULARES BRASILEIRAS, QUE DIZEM MUITO DA HISTÓRIA DAS PESSOAS COMUNS. ELES APRECIAM MUITO E AINDA NOS ESTIMULAM A PROSSEGIR. QUANTO MAIS TRABALHAMOS, MAIS NOS SENTIMOS CAPAZES DE PRODUZIR, POIS SOMOS "OBRIGADOS" A FAZER PESQUISAS EM RELAÇÃO A REPERTÓRIO, MOVIMENTOS, INSTRUMENTOS, ETC, DE ACORDO COM O PÚBLICO AO QUAL NOS DIRIJIMOS.

                                                                              ROSÂNIA

Maura De Lima Venancio Martins Dos Santos

Olá Turma, eu como professora de Arte com especialização musical, trabalho com caderno de música paralelamente as aulas de arte como um todo, leciono na rede estadual com ciclo I e II.No ciclo I, procuro desenvolver a sensibilidade da escuta com repertórios e suportes diferenciados convencionais e inusitados, bem como com os parâmetros do som, a poluição sonora, rítmos simples e grafias lúdicas, mais adequada a idade. E no ciclo II, a música de estrutura mais complexa,  envolvendo leitura, escrita,solfejo, ditado rítimicos que particularmente tem grande aceitação. Estamos iniciando o trabalho da fanfarra e aproveitando a ocasião, alguém pode me indicar onde posso fazer esse curso de fanfarra?  Nossa escola já possui todos os instrumentos da fanfarra. Na verdade música  como obrigatoriedade será um grande desafio para todos. Bom, não sei se estou no caminho certo,  procuro partir do repertório dos alunos para um estilo mais distante, e percebo que os alunos gostam de inovações e desafios e é aí que me apego a descobrirmos juntos.Já montamos um coral modesto na escola, já participamos dos eventos didáticos da OSESP na sala São Paulo.... Até Mais!!!

Eliane Correia Da Silva

Leciono Artes na 2ª fase do ensino fundamental, e confesso qeu tenho vontade mas não sei como começar a trabalhar música com meus alunos. Gostaria de informações sobre isso. Não tenho noção nenhuma de música, conheço alguns instrumentos mas não sei tocar. O que devo fazer? E de que forma eu poderei trabalhar música na minha escola? 

Eliane Correia- Guaçuí- ES

Edina Regina Baumer
Sou pedagoga com especialização em Ensino da Arte e concordo com os colegas quando afirmam a importância da música na escola e ao mesmo tempo, a dificuldade de se trabalhar com esta linguagem, tanto do ponto de vista da formação quanto do ponto de vista da infra-estrutura da escola e do trabalho do professor de arte. No entanto gostaria de contribuir lembrando que podemos pensar na formas mais simples de se fazer música: música com o corpo e com instrumentos não tradicionais; a questão da afinação da voz :na música, hoje, a música  pode ser até falada ( rap); a apreciação dos gêneros musicais da nossa cultura e de outras culturas (em tempos de globalização); enfim, fundamentar nosso trabalho com música, no conceito de comunicação: a música como comunicação, a linguagem da arte que utiliza os materiais expressivos sonoros para traduzir uma idéia artística (Souriau, 1983). Creio que não devemos nos intimidar pelas questões teóricas do aprendizado musical (como teoria musical e domínio de técnicas para desenvolver habilidades de tocar um instrumento). Estas questões realmente necessitam de professores habilitados em música e de salas preparadas na escola, inclusive contando com instrumentos musicais (longe da nossa realidade, não é?). Vamos procurar então, usufruir da obrigatoriedade que a lei impõe e levar para a escola, a música de ontem e de hoje, a música local e global ( e não só aquela que é veiculada pelas mídias), com o objetivo de conhecer, compreender esta linguagem da arte, reafirmando sua importância para a formação de crianças, jovens e adultos, na escola. Abraços! Édina.
5268 visualizações | 53 respostas Faça login para responder