Forum
Mirca Izabel Bonano

Gostaríamos de discutir a deficiência de professores de Arte com formação específica em todo o território nacional. Pautados no Censo de 2007 o a ausência de professores formados na educação básica é preocupante.

Mirca Izabel Bonano
Caros professores
Sejam bem-vindos ao fórum de setembro e outubro. Neste espaço de tempo iremos discutir a deficiência de professores de Arte com formação específica em todo o território nacional. O tema foi proposto pela equipe do Instituto Arte na Escola ao revisitar os dados do Censo Escolar da Educação Básica realizado em 2007.

Para mediar esta discussão, convidamos a Presidente da Federação dos Arte Educadores do Brasil FAEB e da Associação dos Arte Educadores do Rio de Janeiro, Jacqueline Mac-Dowell Lopes Alves: Especialista em História da Arte e Arquitetura SEC XX PUC - RJ; Graduada pela UERJ em Educação Artística/|Habilitação História da Arte; Professora contratada UFRJ (2003 e 2004) e UERJ (2005 a 2010); Promotora de Eventos Culturais e cursos de Formação de Professores no Estado do Rio de Janeiro; Atual Coordenadora de Artes Visuais da Secretaria de Educação do Município do Rio de Janeiro; Professora e pesquisadora do Instituto Helena Antipoff (Centro de Referência de Educação Inclusiva).

Seja bem-vinda Jacqueline. É um prazer muito grande podermos contar contigo neste espaço de trocas e discussão.

O fórum ficará aberto até 23 de outubro de 2010 e, ao longo deste período, pretendemos ampliar nossas possibilidades de conhecer como os professores e gestores brasileiros pensam esta questão.

É a oportunidade também para compartilhar ideias, novos desafios, novas propostas e conhecermos como cada Estado vem lidando em suas redes educacionais com esta realidade.

Este é um espaço aberto para a troca de conhecimentos e relatos de experiência. Vocês são os nossos convidados! Chame também seus amigos para partilhar desta troca.

Grande abraço,

Mirca Bonano
Instituto Arte na Escola
Thiago Zanotti Pancieri
A deficiência na formação de professores nas linguagens de Arte em nosso estado reflete também as propostas de contratação destes profissionais. Acredita-se e defende-se nas redes públias do estado que apenas os professores licenciados em Artes Visuais (curso oferecido pela única Universidade pública do estado) estão HABILITADOS para o exercício do cargo de PROFESSOR DE ARTE (nomenclatura usada no estado), reforçando a idéia que ARTE é apenas as Visuais. Por exemplo, no estado há a formação específica na habilitação de licenciatura em Música, no entanto o estado considera estes professores como NÃO HABILITADOS. Falando então dos professores de Artes Cênicas, Dança e Teatro, com habilitação em licenciatura para o exercício do magistério na disciplina de ARTE, as redes daqui nem sabem que existem estas habilitações. No meu caso, luto até hoje, por ter formação em licenciatura em Artes Cênicas para colocar o ensino desta linguagem no interior das escolas. No entanto, este mesmo estado que não permite que professor com estas habilitações seja professores de Arte (hoje eu sou por lutas judiciais) criam projetos e formações específicas para que professores com outras formações possam trabalhar o teatro nas escolas. Na boa, não sei nem o que dizer de fato, só sei que o uso destas linguagens não se legitimam nas escolas... continuo.
Fernanda Vieira De Paula Lutterback

A realidade nas escolas públicas no Brasil é essa mesmo.  Sou professora formada em Letras, e atuo como professora de artes na escola em que leciono, fiz a inscrição na Plataforma Freire para que eu possa ter a habilitação em Artes e até o momento a minha Secretaria Municipal de Educação nem se quer me deu um parecer favoravel, para que eu possa lecionar com bases teóricas e formação adequada. Gosto muito da disciplina Artes, porém quase não consigo contribuir para um melhor aprendizado dos meus alunos por falta dessa formação que é do meu interesse, ficando fadada apenas as Datas comemorativas que acho isso um absurdo, ou até mesmo como, a professora que entra na sala para dar descanso as professoras regentes. O professor de Artes não tem o direito de se ausentar das aulas, para fazer um curso de formação e/ou capacitação, nos sobrando apenas os fins de semana. Como se o professor de Artes fosse o verdadeiro "Tapa Buraco". Torno a repetir não sou formada em Artes, mas gosto muito de lecionar essa disciplina, mas a falta de formação me deixa engessada para desenvolver um ensino de qualidade para os meus alunos que são da Educação Infantil ao 3º ano do Ensino Fundamental.

Ligia Margotto Munck
Com toda a sinceridade, nada disso era novidade pra nós da área. Um conteúdo que é visto e tratado pelos gestores como uma atividade complementar, nada me espanta o cenário dos professores de arte, levantado pelo censo escolar. Infelizmente na rede privada e pública professores sem habilitação continuam assumindo o conteúdo que me desculpem, não dominam. Acabam evidenciando ainda mais no senso comum, essa falta de propósito do ensino da arte.
Helena Maria Cordeiro Brown

Olá! Estou feliz que este tema esteja sendo discutido.Que não pare por aqui.Afinal , quem conhece a história do Ensino das Artes no Brasil sabe das dificuldades encontradas.Primeiro para termos Universidades em Educação Artística e depois a falta de educadores principalmente no interior dos estados brasileiros.Na minha opinião acredito que o ensino de Artes deveria englobar todas as áreas assim como fiz minha curta em Blumenau ,SC na FURB em que tínhamos que estudar três áreas em dois anos e aplicá-las no estágio.Em 1987 ( quando me formei) fui uma das pessoas que lutou pela licenciatura plena naquela instituição , mas em 2004 quando retornei ( não terminei por voltar para o RS) já para a plena tive a decepção de ver licenciaturas tornando-se em bacharelados e os alunos achando-se mais artistas do que educadores de artes.Quando fiz a curta já estudava música desde menina e achava :"esta é minha área" , mas tive que aprender a fazer várias técnicas , usar um pincél e fazer teatro.Assim como meus colega tiveram que cantar , aprender um instrumento e reger um coral.Eu sei , parece mentira mas aprender isto em dois anos e mais metodologias e etc? parece até conto do vigário , mas não é.Aprendí muito mais nesses dois anos de curta do que acredito que irei aprender numa única licenciatura que irá contra a realidade das escolas estaduais e municipais.Hoje , atuo seis anos em Livramento e faço o uso das 3 áreas quando posso ou mesmo quando ouço que minhas aulas são "uma bagunça " de meus próprios colegas.Como musicista que fui em Blumenau durante anos , aqui minha realidade é bem diferente e vivo pesquizando na internet mil formas de técnicas visuais porque sempre achei mais difícil para mim.Mas, eu faço como as crianças bem pequenas.Vou mexendo sem medo até achar o que quero.Aprendo junto com eles.Até porque existem milhões de possibilidades na atualidade e essa gurizada de séries finais precisam expressar-se mais do que imaginamos.Quando estou na Escola não penso em ARTES, aliás sou contra a mudança do nome.Prefiro EDUCAÇÃO ARTÍSTICA.Esta é mais apropriada para a realidade escolar que nós professores encontramos.Mas, sem sair do assunto, é fato o enorme desvio de função na Educação.Hoje , temos que aceitar dar aulas de qualquer área se houver deficiência da mesma.Por outro lado , vejo o descaso sobre o assunto.Tenho um amigo funcionário público que me disse uma vez: " a gente finge que trabalha e eles fingem que nos pagam".Será este o nosso começo , meio e fim nas expressões artísticas nas salas de aulas no Brasil? Sabem , como eu tenho que fazer a plena ,sem pestanejar , farei pelo canudo .Ao mesmo tempo , tenho medo do que vejo acontecendo.A arte-educação sendo aplicada ( maravilhoso) de forma errada por todos os professores.Chego a rir sozinha quando vejo os erros técnicos em cênicas ...e sinto-me invasiva se falar o que sei para ensinar.Bem , ao menos existem bons educadores dentro na nova era.Mas e aqueles que acredito serem a maioria que não sabem trabalhar inter ou multidisciplinaridade.Raramente nesses seis anos de município fui chamada para uma opinião.Por isto , pensei esta semana.Gente, deveria ter artes em cada licenciatura e nos 4 anos, então não haveria mais Universidade  de Artes e cada matéria saberia fazer o uso de várias técnicas em seu currículo.Cada vez mais observo que os livros didáticos vêm com artes aplicadas.E poucos são os didáticos para as Artes.Desculpem se meu raciocínio está cansado , mas Arte também cansa e estressa um professor.O lúdico torna-se um caos.O pensar e expressar , uma arma poderosa e perigosa em mãos com mentes muito rápidas e cibernéticas.Socorro!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Helena Brown

p.s. voltarei com o pensamento mais organizado e calma....rs.

Enio H De Souza
Olá! Meu nome é Enio sou graduando em Artes Visuais pela FURB em Blumenau SC e atuo na rede Estadual a três anos, caríssimos colegas de profissão,primeiro pensem junto, para o estado é mais barato contratar qualquer um que não seja especifico da área.É uma pena que na nossa Universidade não tem mais o Bacharelado junto com as Licenciaturas pois acredito que sim, um professor artista tem e muito a contribuir com a escola. Ainda bem que separaram as tres disciplinas, pois as Artes Visuais é muito ampla de certeza uma licenciatura curta não abrangeria todo o conteúdo a ser visto, se contarmos com uma linha do tempo,veremos muitas fases boas e ruins e por fim, depois de Marcel Duchamp a Arte Conceitual. Sempre vai haver esta deficiência,pois sempre haverá um profissional de outras áreas como,História,Geografia,Matemática e outros mais afim de completar carga horária e o estado afim de não contratar um profissional. Aí vem o perigo,por muitos anos as Artes Visuais ou Educação Artística como era chamada anos atrás,se prevalecia do desenho e decoração de escola para datas comemorativas.Muito raramente uma argila,imagina usar tinta mesmo que fosse a base de água, fazer uma instalação, aplicar a land art, escultura.Ao menos visitar um museu, isto válido não só para os educandos mas também para os professores,respirar Arte fará com que fique mais prazeroso lecionar. E se estressar em dar aulas de Artes,só se o professor for somente um repassador de informação,pois se tiver criatividade e embasamento e a História da Arte bem colocada e amor pelo que faz ,tudo correrá bem.Chamo isto de preparo, nunca leve um prática sem antes testá-la,falta material ? Improvise no ambiente escolar existe muito mas muito material para a produção. Claro que tudo isto acompanhado de fundamentação teórica,que prepare o educando a entender o que venha a ser Arte. E de certeza não será através de uma plataforma freire que ajudara um professor a entende-la ,tem que voltar para a sala de aula, já que para compreender tem que vivenciar,produzir e refletir, não consigo imaginar uma aula de Artes Visuais a distância. Começamos pelo número de aulas dentro da unidade escolar, matemática quatro por semana,Artes em qq linha uma ou duas por semana, como se ela não tivesse conteúdo e valor suficiente para fazer a mente dos educando pensarem e muito, por que sem embasamento,não tem como caminhar na produção,não é só jogar tinta no famoso papel pardo e sair dizendo que Pollock foi o inventor da técnica. E sou totalmente a favor de que todo pedagogo deveria ter uma especifica por obrigação e as Políticas Públicas Educacionais fossem realmente voltadas para uma Educação de qualidade. Afim de contribuir com melhorias no que chamamos de Educação, nessa máquina chamada Escola. E assim termos mais profissionais de Artes, seja nas Visuais,Música ou Cênicas. Lecionar é uma diversão seríssima ! Ainda mais pelos caminhos das Artes Visuais que tanto pintou e esculpiu a história do ser humano.
Regina Figueiredo Dos Santos
Olá estou cursando o ultimo ano de Educação Artistica-Artes Visuais,sou apaixonada pela profissão de professora desde que me entendia por gente,mas devido as situações da vida me desviei do meu objetivo,mas consegui voltar a tempo,mas como vejo as condições de trabalho não mudou muito,devido as poucas horas destinadas á materia,poucos ou quase nenhum material,falta de reconhecimento e apoio dos colegas de trabalho que tem uma visão deturpada do que é,e a importância que essa disciplina na vida das pessoas,antes o professor de Artes so era requisitado nas festas comemorativas na escola,hoje o conteudo de história da arte está caindo em vestibulares de muitas faculdades,e aqueles alunos que não deram muita importância no passado estão pagando professores particulares.
Como muitos dos profesores que estão no mercado e lecionando a materia não  estão capacitados com conhecimento teórico,muitos cairam de para quedas e acabarãm ficando mas quem acaba perdendo são os alunos ,ainda mais agora que a matéria esta de 1º a 4º serie também muitos não sabem o que ensinar e acabam não dando nada substituindo essa aula,e eles chegam lá na frente sem nenhuma  idéia de qual
é realmente o conteudo da disciplina.
Adriana Aparecida Della Torre Merki
B om dia, Sou professora efetiva no estado de Saõ Paulo, já sabia dessa deficiencia de professores da area nos grandes centro principalmente, isso não ocorre na minha região, por aqui sobram professores e faltam aulas, para terem uma idéia preciso trabalhar em três escolas para compor minha jornada.Acredito que o principal problema para a falta do docente hoje não seja nem a formação mas o incentivo para ela, afinal quem sobrevive com esse mísero salário em grandes centros. No interior ainda é mais fácil a vida é mais barata mas mesmo assim a situação das salas de aula, a falta de interesse dos alunos, a falta de apoio dos gestores fazem com que muitos desistam.Essa semana conversando com um colega formado na área que atua como eventual fui surpreendida com a frase, " ano que vem não entro em sala nem morto, prefiro vender meus desenhos na praça". Isso faz com que o interesse pelo magistério da arte morra. Muito desses problemas é culpa de colegas que não valorizam a matéria e chegam a levar desenhos xerocados para as crianças de 6ª série pintarem, como já vi muitas vezes acontecer.E não são leigos, são professores de arte de formação.Me perdoem mas enquanto isso não mudar fica dificil entrar numa escola e mostrar a importancia da arte.
Jaqueline Dos Santos Trevisan
Bom dia. Sou Jaqueline dos Santos Trevisan, ganhadora do III  Prêmio Arte na Escola Cidadã. Moro em Santana do Livramento, RS, há alguns meses. É uma cidade fornteiriça, pois faz divisa com Rivera, Uruguai. É um lugar bacana de se viver, tem uma cultura nativista (gaúcha) muito forte, mas Arte é 'artigo de luxo', mesmo que a cidade tenha lindas construções neoclássicas, pouco valorizadas pela maioria da população. EStou trabalhando em uma escola particular, e criei um curso de Qualificação em Arte/Educação para professores de séries iniciais (500hs) que está em andamento. No entanto, a cidade não tem uma cultura do ensino da  Arte. Qualquer professor que está sobrando vai para a sala de aula como professor de Artes. Tenho uma aluna que é professora de matemática e está em sala como professora de Artes. Pelo que sei, há menos de 10 professores formados em Arte na cidade, que conta com quase 100.000 habitantes. Ainda é o professor de Artes o responsável pelos cartazes, pelas lembrancinhas, por enfeitar a escola. Para mim tem sido um difícil desafio. A LDB tem uma interpertação errônea aqui, pois entende-se "arte em todos os níveis" como uma série no ensino fundamental e uma no médio, e a lei está contemplada. Infelizmente nao temos pólo da Rede aqui. Talvez  fosse o caminho para que mais educadores pudessem conhecer arte e animar-se a cursar uma graduação na área. A grande novidade em Arte na cidade é o curso que venho ministrando, pois os professores que dele participam estão maravilhados ao descobrir que existe para além das fronteiras da cidade. EStão encantados com tudo o que é possível saber e fazer com Arte. Talvez, ainda haja salvação! Abraços a todos. Jaqueline
Rachel Aparecida Dos Santos

Colegas! Tema bastante providencial. Devemos apenas constatar que o comprometimento não se limita a ARTE - mas, se estende a todas as outras áreas. Outrossim, falta aos profissionais de educação, de um modo geral, uma maior crença em suas capacidades e em suas áreas. Afinal, a falta de valorização de uma área começa pelo professor dentro da sala de aula que não prioriza e não divulga a  importância de sua disciplina. Só pode dar certo, aquilo em que realmente acreditamos e nos disponibilizamos a difundir. Repito aqui a fala de um professor dos comentários anteriores - "prefiro vender meus desenhos na praça que entrar em sala de aula" - quem tem esse pensamento, ainda não se conscientizou da real importância de sua função: como educador e tranformador de almas.
Rachel - Itararé

Enio H De Souza
continuando... Com certeza melhores salários, fará com apareça mais professores e que a disciplina de Artes renasça das cinzas em que está virando, isso é reflexo do desinteresse do próprio profissional em discutir as políticas publicas voltadas a disciplina,e também o tempo em que se levou para começar a discutir os rumos em que a produção e o ensino da Arte esta tomando. Acredito que a deficiência se dá ja anos atras com a banalização da disciplina Artes, a falta de investimento. E porque fazer o aluno pensar? Porque fazê-lo ver além da sala de aula?Desde de os primórdios o homem e preparado para trabalhar,trabalhar... Quantos são os acadêmicos que fazem pesquisas em busca de uma solução mais adequada para nossa Educação e forma de se lecionar a disciplina Artes? Vigiada por uma Lei (LDB) para nosso tempo inadequada. Mas se a falta de profissional está no seu auge, é porque somos o espólio desta época em que Artes já não era ensinada como uma disciplina que transforma e que agora esta eclodindo na falta dos profissionais, na verdade, são alguns assuntos que desnorteiam o crédito desta disciplina e precisam ser revista. Bem e quanto as culturas para cada região um quinhão, ja em 1922, na tão falada Semana de Arte Moderna, a própria São paulo Passando por uma reviravolta nos conceitos de estética, ainda não tinha espaços de arte. Mudanças de hábito exigem extenso estudo e dedicação sobre de que forma mudar seu gosto,esta ruptura como o que a Arte dos séculos anteriores ao XX se deu,mexeu e mexe com o cognitivo do ser humano,ainda em que se quer ensinar terá que ter a pesquisa como um livro de cabeceira,mas quantos de nós professores obtivemos o canudo e não sossegamos na caminhada das descobertas.Ou a estante com várias gavetas entupidas de cópias produzidas para dar aula de vinte anos atrás é mais fácil.Dar autonomia, ensina-la,mas como se são poucos que aceitam as transformações e agregam elas as suas ja experimentadas e ultrapassadas aulas de artes, (tricô uiii!).Conseguir melhores salários ,só quando os professores de qualquer área for unido por único objetivo. Sempre será Arte e Cultura as primeiras a serem cortadas do orçamento em qualquer esfera do poder público.Mas até quando. Acredito que ser professor primeiro tem que ser pesquisador, sem o qual não dá para caminhar. Em um planeta carregado de pessoas quase que sem ter para onde correr, se você não quer tem alguém atras que pegará, ai vem o amor pelo que se faz e o dinheiro vai ser conseqüência deste trabalho. Dominar 25, 30 crianças de uma 5º série tem que estar bem preparado não so de metodologia mas de respeito mútuo ,psicologia educacional. Olha a Música nas escolas,não são todas mas conquistaram seu espaço. Quantos professores de Artes ao ser questionado consegue argumentar na defesa de sua disciplina, agora as pessoas que procuram o curso de Artes ,acredito que muitos pensam que serão artistas (falando das licenciaturas),que no meio do curso se tocam que e pra ser tornar um provocador, êpa, mas como: Sala de aula? Crianças? continuo.
Monica Mesquita

Gente,

Vou ser direta: O Acho inadmissível alguém ensinar algo que não sabe, ou que não tem formação, e isso serve não só p/ Arte, mas para todas as disciplinas do currículo escolar.

 

Mas aí eu pergunto porque temos tanto alienígena ministrando a disciplina arte? Será que é só por que não temos profissionais suficientes com formação específica em Arte ou não???? Estes profissionais estão mal distribuídos no território federal?

 

Acho muito esquisito ouvir: Eu fiz licenciatura em geografia, mas quero mesmo é ser professor de Arte. Então que vá estudar Arte. Mesmo porque para se detectar carências na formação é preciso que haja uma necessidade dela.

 

Questiono também para que estão se prestando as licenciaturas específicas no país. Diante da banalização dos conteúdos. Parece ridículo estudar Arte, se “qualquer” um pode ensinar esta disciplina, mesmo não sabendo nada sobre ela. E isso reflete o caos da educação no nosso país.

 

Lembrando que obviamente que num processo de contratação de rpofessores, deveria se analisar e ter peso o currículo e formação do professor em cada disciplina e conteúdo, dando prioridade aos profissionais com formação especifica nas diversas áreas para ministrar a disciplina pelo qual ele tem formação. E se possível exigindo sim a formação específica em cada área.

 

Me desculpe a colega de letras, mas se você não tem formação para ser  professora de Arte (você mesma afirmou isso, e pelo menos teve ética e humildade de assumir as suas dificuldades em desenvolver a disciplina devido a este fato), eu pergunto: Então porque você está ministrando esta disciplina??? Não teve nenhum outro professor qualificado para a vaga de professor de Artes nesta escola? Porque você não está na área de letras que é a sua área?

 

Ninguém tem o direito que ensinar, uma disciplina só por gostar dela. É preciso ter sim formação....Acredito que tem que ser detectado os problemas: Muitas vezes não se tem um curso local ou na região para qualificar estes professores. E aí os cursos a distância são uma solução.

 

Temos que  exigir que nos editais de contratação de professores, seja feita a exigência da formação específica, para gerar a necessidade da formação na área. O que já vem acontecendo em vários locais do país. Lembrando que se a área de Artes foi desmembrada, com as formações em Teatro, Dança, Música e Artes Visuais, temos que ter disciplinas específicas também. Temos que evitar inclusive o termo artes cênicas, pois artes cênicas (ou da cena) se referem ao circo, teatro, dança e ópera.

 

Quero aqui lançar uma questão: Onde estão os professores de Artes do Brasil? Muitas vezes o que se percebe é que mesmo tendo professores qualificados locais, professores de outras áreas estão ocupando as vagas de professores de Artes, pelos mais diversos motivos. Isso é uma das questões que tem que ser levantadas aqui também. Muita gente está disposta a mudar para onde há vagas.

 

Concordo com o Thiago Zanotti, eu também sou a favor de recursos Judiciais. Para que profissionais habilitados em Artes ocupem e tenham prioridade nas vagas de Artes, que estão sendo ocupadas por alienígenas de outras áreas. Temos também que exigir a inserção das diversas linguagens no currículo escolar, com professores com formações específicas nestas linguagens. Para que seja contratados não professores de Artes, mas professores de música, de Dança, de Teatro e de Artes Visuais.

 

Por enquanto no meu desabafo é isso....

Monica Mesquita

Monica Mesquita

Professora Mirca e Jaqueline: 

Gostaria de ter acesso a pesquisa sobre o censo que foi citado. Onde estão os professores de Artes no Brasil? onde tem mais carências de formação e em quais  linguagens. Existe algum mapeamento específico da Arte??? Onde posso conseguir esses dados?

 

Abraços

 

Mônica Mesquita

 

Elizete Aikawa Padilha
Olá pessoal, o tema é bom demais mas não é novidade. Todos sabemos da carência do profissional verdadeiramente  "habilitado" na área. Quando falo de habilitado não me refiro apenas ao profissional que adquiriu uma licenciatura pela complementação, fazendo um ano de curso a distância  onde a presença obrigatória restringe-se a uma vez por mês. Na ocasião da saída de um concurso do estado para suprir vagas de professor de Arte, estava eu esperando condução para voltar para casa e ouvi o seguinte comentário de uma pessoa que, depois fiquei sabendo, era formada em Pedagogia e havia passado por uma dessas situações que citei acima. - Acho que só errei aquela que falava de uma tal de Ana Mem Barbosa. Nunca ouvi falar dessa mulher....Isso significa que a formação do professor de Arte não se dá apenas por um certificado. É necessário a mediação de formadores que propiciem experiências em oficinas de criação artística. É importante que os professores tenham acesso a textos e imagens de qualidade em diversos suportes: jornais, livros, material informatizado e didático, obras originais, vídeos. O profissional desta área necessita desenvolver um percurso de criação pessoal informado pela cultura, precisa edificar, alimentar sua prática constantemente. Só quem ama o que faz pode fazer parte deste universo maravilhoso que é o Ensino da Arte!Beijos a todos e muita força. Ainda chegaremos lá!
Jose Sávio De Oliveira
Olá, meu nome é Sávio e sou professor de Artes há muitos anos onde passei por várias fases desse ensino. É triste perceber que pouca coisa mudou em relação a valorização da Arte na educação e mais triste é ver professores licenciados fazendo da Arte um simples joguete. Estou desenvolvendo a monografia de minha pós exatamente sobre essa questão, ou seja, a formação,  a relação do arte-educador com a arte, com a escola e consequentemente com o aluno. A escola a meu ver está deixando e há muito tempo de fazer uma leitura de sua própria imagem. O professor por sua vez não está sabendo quais são os caminhos que levam os educandoa à Arte. Assim a essência e o grande sentido da Arte está fragmentado e se perdendo na mesmice, na livre expressão e até no tecnicismo. Acho que é preciso voltar os olhos por alem dos muros da escola e descobrir que a Arte não é apenas uma disciplina a mais e sim a grande manifestação do conhecimento humano.
3866 visualizações | 22 respostas Faça login para responder