Forum
Francisco De Paula Medeiros Ribas

Amigos, sou novo no fórum, proponho o tema pois a música está prestes a ser disciplina obrigatória no ensino regular, e o que vamos passar para os alunos?

Um grande abraço a todos!

Mirca Izabel Bonano

Caríssimos professores

 

Boa Noite!

 

É com muito prazer que abrimos um novo Fórum para discutir as temáticas sugeridas pelos professores freqüentadores do site arte na escola.

 

Quem fez a proposição foi o professor Francisco de Paula Medeiros Ribas que deseja discutir o que ensinar e como ensinar música na escola, após o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter sancionado a Lei n.º 11.769 que define que as escolas públicas do país terão três anos para inserir no currículo da educação básica o ensino da música.

Segundo Marcelo Soares Pereira da Silva, diretor de Concepções e Orientações Curriculares para a Educação Básica do MEC (Ministério da Educação), disse que a lei vale para os ensinos fundamental e médio, mas as definições sobre em quantos anos o ensino de música será ministrado e com que periodicidade vão caber aos conselhos estaduais e municipais de Educação, em parceria com os governos locais.

  

Convidamos a Professora Ilana Assbú Linhales Rangel que possui graduação em Educação Artística - Licenciatura Plena pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (1992) e mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1998). Atualmente é professora de música do ensino fundamental - Colégio São Vicente de Paulo e professor assistente da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Música e é uma importante colaboradora do Pólo Arte na Escola da UERJ, para Mediar este encontro.

 

Este espaço de discussão e trocas fica no ar até dia 24 de novembro de 2008, e esperamos todos vocês!

Para participar é simples, segue instrução.

 

PARA INICIANTES: NÃO SOU CADASTRADO

Participar é muito fácil. 1. Clique na palavra "cadastrado" da frase que se encontra no topo desta página, em vermelho. 2. Preencha os dados da página que irá abrir e siga as instruções. 3. Clique em ENVIAR. Dica: guarde seu nome de usuário e senha - que você irá escolher ao se cadastrar - para que futuramente você possa retornar ao Fórum e, assim, poder incluir novas mensagens neste espaço.

JÁ SOU CADASTRADO

1-Clique em "Informe Usuário e Senha para participar do Fórum", que se encontra no topo desta página. 2. Informe o seu nome de USUÁRIO e SENHA na página inicial do site. 3. Clique novamente em Fórum.

NOTA: Esta operação permite que você seja logado. "Logado", portanto, quer dizer que o sistema reconhece você como ususário exclusivo, o que lhe habilita participar de áreas específicas como esta. Logado, clique em RESPONDER no canto superior direito da página para inserir a sua mensagem neste Fórum.

 

Bom fórum a todos!

 

Abraço,

 

Mirca Bonano

Instituto Arte na Escola

Sonia Tobias Prado
Olá.
Minhas dúvidas vão um pouco além do somente "o que ensinar".
Também gostaria de saber se teremos uma aula a mais por série ou entraremos com o tema nas aulas que já possuímos. Como podemos oferecer aulas de música sem o devido preparo para isso? É lógico que sei o básico, aprendí na faculdade, onde também realizei curso extra de música. Mas as escolas não oferecem instrumentos musicais e somente a teoria fará essas aulas tornarem-se enfadonhas e ou cansativas para estes alunos.Mesmo que algum aluno tenha um instrumento, como o faremos para os colegas de sala aprenderem?? Será somente uma audição e não uma aprendizagem. É muito louvável a idéia do nosso Presidente em aulas de música, mas acho que antes ele deveria equipar todas as escolas com salas apropriadas e instrumentos para os alunos. A teoria é lindamente linda. Nós professores de artes, temos uma noção. E aqui no estado de SP, quem participou das aulas do projeto "Teia do Saber" também aprendeu um pouco de teoria musical, de como aplicá-la em sala de aula, na forma de brincadeiras com gravuras em uma pauta. Sons específicos gravados em CD-room para os alunos ouvirem e "sentirem " o instrumento, e através de fotos ampliadas verem como é este instrumento. Mas nada daria mais prazer do que tocar com as mãos esses instrumentos. Experimentar os sons, mesmo sem saber tocá-los, mas ter acesso a esta tentativa.Também tenho certeza que não existem professores suficientes formados em música para assumirem todas essas aulas. E lá vamos nós para mais uma... uma ótima idéia, diga-se de passagem, mas onde os professores deveriam ser também "iniciados" nessa arte, com capacitações. Também, aquele projeto de música no ciclo básico, foi ótimo, onde demos noções de instrumentos musicais usando o filme "Pedro e o Lobo" onde uma orquestra é apresentada aos alunos, que gostaram muito! Noções de cânones, e parlendas, divertidíssimas, as classes aproveitaram e conseguiram até superar expectativas. Mas também gostaria de dicas de como fazer essas aulas com alunos do quinto ao nono ano, que precisam de estímulos diferentes senão o interesse "some".
Vou olhar em meu material e volto com dicas de como fazer algumas aulas, ok?? E estou curiosíssima em ler relatos, dicas, histórias de outros professores.
Ilana Assbú Linhales Rangel

Olá,

Sou Ilana e vou participar deste fórum, que promete ser bem rico, pois temos muitas questões e nada melhor do que dividí-las com profissionais interessados em poder melhor desenvolver seu trabalho. Em muitos momentos na história da educação brasileira fomos surpreendidos com leis que nem sempre falam de um realidade conhecida por quem a elaborou e nós que estamos no final da linha, ou seja, na sala de aula, temos que enfrentá-las e descobrir caminhos. A lei nº 11.769 tem sido foco de discussões em vários centros de referência e tudo ainda é muito novo. Eu, particularmente, sou da opinião que a música assim como todas as linguagens artísticas são essenciais na formação das pessoas e que as aulas de arte devem ser dadas por profissionais formados especificamente em cada área (artes visuais, música, teatro, dança). Entendo cada uma dessas áreas como campos de conhecimento específicos e que para cada uma delas é preciso profundo estudo para poder dividir o conhecimento com outras pessoas, em nossa sala de aula, por exemplo. Isso não significa que essas áreas sejam propriedade dos professores de arte (quando digo arte,estou falando de todas as lingagens), mas significa que para poder entregar uma outra lingagem artística para estudantes, propiciando-lhes a possibilidade de se comunicar "de fato" através dessas linguagens é preciso conhecimento profundo da área.  Existe diferença entre a "música na sala de aula" e a "aula de música" e as duas são possíveis e necessárias desde que com objetivos determinados e claros em cada uma delas. Vivi a música desde pequena quando iniciei meus estudos de piano, fiz escola normal, faculdade de música, mestrado em educação e por isso posso dar aulas de música, sou licenciada para isso, existe uma profissão regulamentada, que me confere essa possibilidade. Onde vivo existe formação de professor de música e campo de trabalho. O que vamos fazer com os locais onde não temos formação para isso? Como faremos para entregar uma linguagem artística para alguém apenas com noções básicas? Podemos chamar momentos com música de aula de música? Quem não é formado em licenciatura em música pode dar aula de música? Se pode, porque então não posso dar aulas de história, embora seja uma apaixonada pela área e com muitos conhecimentos sobre a mesma? Já não havíamos superado a 5.692 que versava sobre a polivalência do professor de arte? Vamos discutir música na aula e aula de música? Até mais!

Betania Libanio Dantas De Araujo

Olá Francisco e Ilana

Fico feliz sobre o debate da Música, pois parece que o mundo virou apenas artes Visuais, não é?

Caso esteja enganada, me corrijam por favor, a obrigatoriedade na escola foi um projeto de lei da Rosenaa Sarney, é isso? Gostaria de saber se a política tem uma leitura do Brasil quanto à formação dos profissionais de música antes de elaborar o projeto. É verdade que quem for formado em con servatório poderá lecionar? Se for verdade, como será o impacto da não formação pedagógica, visto que um engenheiro não está preparado para lecionar Matemática. Uma aluna de Pedagogia pesquisou, certa vez, sobre a falta de didática dos músicos em projetos alternativos no Brasil. Ela questiona exatamente que saber tocar não significa saber ensinar. Aliás este é o drama de diversos estudantes de música. Há um conhecimento pedagógico de como ensinar e aprender. Não desconsidero que o professor se faz lecionando, porém quais são as implicações com este projeto.

Obrigada

Betania

Vivian Dell Agnolo Barbosa
Olá colegas,
Sou formada em Música - Educação Musical pela Universidade Federal do Paraná e tenho encontrado muita dificuldade em me inserir no mercado de trabalho, mesmo após a lei que regulamenta a música como matéria obrigatória nas escolas. A música ainda é vista como desnecessária e fútil e me entristece saber que provavelmente dividiremos espaço com as outras linguagens artísticas. Cada um de nós deveria ter seu espaço - Música, Dança, Teatro e Artes Visuais - para que pudéssemos realmente trablahar com profundidade.
É isso ! Vamos continuar batalhando pelo nosso espaço !
Um grande abraço,
Vivian
Mauricio Ximenes Cesar

Quando estudei na escola pública existia música como disciplina.Na escola havia um anfiteatro,alguns instrumentos, etc...Tudo foi desconstruido! Com a tecnologia fica bem mais fácil isso tudo, mas existe suporte para esse tipo de conhecimento e uso? Quem forma os educadores? Acredito que somente um projeto nacional consistente na educação poderia viabilizar esses ideais.

Milene Araujo Moreira Duarte

Meu nome é Milene:

 Por favor, gostaria de saber com clareza uma coisa:

Eu por exemplo possuo licenciatura plena em Educação Artistica e durante minha formação obtive aulas de introdução musical. Minha dúvida é poderá apenas lecionar as aulas de música no ciclo fundamental e médio quem for licenciado em Música? Quem é licenciado em educação artística poderá também lecionar as aulas?

 

 

Sabrynne Sena

Fico muito feliz e ao mesmo tempo muito triste com essa volta da música as escolas... sou formada em educação musical ..e eu assim como vários colegas me encontro sem emprego ... devido ao fato de ter uma pessoa menos qualificada muitas vezes sabe tocar violão e ja vai dar aula de música.

Por que ...será que alguem com algum conhecimento em medicina nao pode medicar ou atender num consultorio ... pq nao colocar um professor de música formado para  advogar por exemplo?

Espero que a situação melhore ...

Andreia Carla Lobo Da Silva

Olá pessoal!!!!

Bem, sou nova por aqui...li os assuntos e gostaria que alguém comentasse um pouco sobre algumas questões pontuais a respeito da música, por exemplo...

Como perceber elementos estéticos na música do tipo... tridimensionalidade, espaço, luz ... Alguém tem alguns exemplos praticos?

Ana Lúcia Silva Coutinho Pin

Olá a todos! Fiquei muito feliz pelo tema do fórum, pois muitas são as dúvidas e o desejo de conhecer mais para ensinar melhor é muito grande. Quero muito saber de que forma os profisssionais de arte serão capacitados, pois recordo-me claramente de meu professor de música da faculdade dzendo que o que estávamos aprendendo ali não nos capacitava para ensinar.

Jairo Larroza

Estou cursando Música-Licenciatura pela Universidade Federal do Espírito Santo. Confesso que não conheço muito bem a mecânica de implantação, NA PRÁTICA, de uma lei como essa. Até 1972, se não me falha a memória, o ensino musical na escola pública era ministrado com base na pedagogia européia: orfeões, corais, bandas e conservatórios. Apesar da evidente elitização, houve muito proveito por parte dos alunos, no que diz respeito à transversalidade didática do ensino musical. Noções de equilíbrio, quietude, afinação, trabalho em grupo, disciplina, métrica, cadência e responsabilidade se agregaram intuitivamente à nossa maneira de enxergar as demais disciplinas.

Hoje, vivemos uma realidade de intenso contraste: o samba, o funk, a música eletrônica, o pagode, o sertanejo convivem com a pluralidade ideológica, religiosa e cultural dos alunos. Como ensinar “dó-ré-mi-fá” a um filho da pobreza? Como organizar uma banda instrumental sem instrumentos? Como exercitar compassos simples e compostos com adolescentes com dificuldades na formação de estruturas cognitivas e de linguagem? Como ensinar "técnica vocal" a crianças que não sabem nem falar corretamente? Gostaria de propor que o Ministério da Educação componha uma equipe (sob critérios exclusivamente técnicos, e não políticos) para elaborar um programa de ensino que contenha, inclusive, especificidades regionais. Isso porque um aluno do interior maranhense tem cosmovisão bastante diversa daquela do aluno, por exemplo, do ABC Paulista.

Creio que o ensino musical depende muito de aspectos como disciplina em classe, colaboração dos colegas de outras matérias, valorização por parte de toda a equipe acadêmica. Muitos colegas ainda acham o ensino da Arte em geral como algo dispensável, sem "praticidade". Em parte, a meu ver, isso é fruto dos governos focados na "formação acadêmica de trabalhadores", mão-de-obra. A música, como a arte em geral, faz parte de uma visão mais abrangente e profunda na formação do aluno, do cidadão, do "profissional". Ela vai além de um preparo técnico, mensurável. Atinge as emoções, a alma, o ser, a expressão do ser.

PARABÉNS por este fórum! Quero ler todos os comentários. Aguardo também sugestões, pois já trabalho com projetos financiados pela iniciativa privada e meus horizontes nesse sentido ainda são cinzentos.

Gisele S Lemos

Ola, Sou professora de musicalização infantil, canto e gosto muito de trabalhar com as músicas do folclore e também músicas das minhas próprias recordações infantis, busco e pesquiso.  Gosto de aprender com outros compositores por esse Brasil diverso.  Eu resgato músicas por aqui e dali.  O trabalho na escola no meu entender, começa com a vocação do educador, tem que gostar de crianças e ter muita energia para entreter 40 alunos numa sala  por vezes, sem instrumentos, alem de disposição para mudar, criar, incentivar, compor e caso tudo o que foi planejado, mude de rumo, você de um dia para o outro, deverá persistir.  

Nós dependemos das escolas para colocarmos em prática nossos propósitos e temos que ter vocação e muita vontade de aprender a ensinar.  Ou ensinar aprendendo...Olhe, meus projetos desde ano incluem décadas e as músicas escolhidas com a proposta do programa de rádio.  Nos realizamos pesquisas, entrevistas, apresentações, e assim vamos falando da estória da rádio no Brasil, e sobre nosso povo, índios, negros, e influências da nossa música na cultura mundial, os programas de rádio e os grupos de pessoas, suas danças, usando diversas tecnologias empregadas na aula, desde cd, dvd, computador, artes, teatro, criatividade e imaginação, corpo e movimento, e tudo o que durante anos foram incluídos ou excluídos, (no caso de instrumentos de sopro, ou corda, instrumentos difícieis de encontrarmos nos escolas... ).  Cada faixa etária tem um propósito, mas sempre utilizo aulas para criação de instrumentos de percussão, corda, e a aula do instrumento da casa, aula de sensibilização com o corpo para aprender notas e clave de sol feita com massinha, papel ou qualquer outro recurso, começamos sempre do concreto e depois as tentativas e realizações finais.  Bem convido para lerem meu livrinho de folclore no site http://recantodasletras.uol.com.br/e-livros/837723 vou liberar para copiarem aos alunos o cd ainda não pude fazer. Até mais.

Leila Viaro
SOU PROFESSORA EFETIVA DE ARTE NA REDE MUNICIPAL E ESTADUAL DE ENSINO DO ESTADO DE SÃO PAULO. GOSTEI DA INICIATIVA DA INCLUSÃO DA MUSICA NA GRADE ESCOLAR,MAS GOSTARIA DE MELHORES ESCLARECIMENTOS, POIS TEREMOS TRES ANOS PARA NOS ADEQUAR AO CONTEÚDO PROPOSTO. DE ACORDO COM A SITUAÇÃO ATUAL, A MÚSICA DEVERÁ TER OUTRA ROUPAGEM, MAIS DESPOJADA,CRIATIVA,IMPROVISADA DE SONS, GESTOS E INSTRUMENTOS NÃO-CONVENCIONAIS.( PENSO EU) POR FAVOR, MANDEM-NOS MAIORES INFORMAÇÕES, A IDÉIA É BOA, MAS TEREMOS, COM CERTEZA,ORIENTAÇÕES, ENCONTROS, FORUNS PARA AMPLIARMOS O TERRITORIO MUSICAL. OBRIGADA.
Dorival Machado

Colegas

Sempre pensei que a escola devesse disponibilizar espaços de arte na escola pública e os alunos deveriam se matricular por conteúdo( música,desenho,escultura,teatro,etc )  para compor sua grade de formação( tantas horas-aula de cada série) onde o aluno fosse protagonista de sua formação( junto com seus pais, é lógico).

Antes de tudo: o quê cada professor ( segundo sua formação e escola onde esta inserido) pode  exercitar e o quê precisa para poder exercitar( equipamentos, espaços, materiais ) Isso se chama análise de posto de trabalho -chave de sucesso em qualquer trabalho sério.

LEMBRE-SE não importa qual forma de arte se exercite mas importa que se exercite com qualidade e profundidade possibilitando ao aluno um conhecer e produzir com orgulho e aplauso dos espectadores de sua arte.

A QUE SE TER HUMILDADE DE SE PERGUNTAR AO PROFISSIONAL envolvido o que é necessário e não vir por decreto.A realidade atropela o ideólogo.Dê-se oportunidade de cada profissional exercitar suas formas de arte e a diversidade colorirá esse país multicor !

Josianne Alves Trevisan

Oi Pessoal. meu nome é Jô e sou professora da rede estadual de ensino do Estado do Paraná e também enfrento dificuldades quanto ao ensino de música. Sou formada em artes visuais e preciso de ajuda pois, sempre trabalho a questão da música no sentido de reconhecimento de gêneros, estilos, ritmos, etc. mas, sem muita profundidade, mesmo porque nao é de meu conhecimento as nuances e detalhes técnicos da música. Agora, nós da rede estadual estaremos recebendo nas escolas um kit com determinada quantidade de flautas doce para podemrmos trabalhar com as crianças. To achando muito interessante mas como é possível desenvolver um trabalho legal com as crianças com o parco conhecimento que possuo quanto ao ensino de flauta? quem me socorre? help me.

Abraços.

14201 visualizações | 75 respostas Faça login para responder