Forum
Lúcia Regina Silva Dos Santos

Oi pessoal , sou de Manaus

 Estou adorando os comentários e as sugestões feitas por vocês .Declaro que é a primeira vez que estou participando do fórum . Primeiramente estou só lendo , logo,logo estarei dando minha contribuição.

parabéns!

Lúcia

Gilberto Aparecido Damiano

sou de juiz de fora, mg. pesquiso sobre educaqção e arte.

gostaria de saber o que se entende por "Arte Performance" e se não seria mais uma forma de exigir do professor que seja "polivalente" diante da escassez de pessoal qualificado pra trabalhar as variadas artes no EM, EF, EJA, etc.?

Aproveito pra informar que a ANPEd já possui um Grupo de estudos (GE01) sobre Educação e Arte - é um fórum intreressante para levarmos/trocarmos  nossas experiências.

um abraço  

Hirlândia Milon Neves
Performatividade!
Como e por que discutir performance? De onde ela vem e pra onde ela vai? E mais ainda o que ela significa enquanto manifestação artística?
Como trabalhar com performances em sala de aula? Quais seus procedimentos e objetivos?
Poderiam ser estas e tantas outras questões a nortear nossas reflexões, no entanto, ao observarmos os apontamentos feitos até o momento percebemos que a própria palavra gera uma "performance" do ser enquanto reflexo de uma percepção variável e imbricada de subjetividades e deslocamentos.
Iniciamos assim, meio desconexos e um pouco abrangentes,  crendo que nossa interação nos levará a ambinetes mais tatáveis, talvez...
Aqui estamos para trocas e aproprições, mas o que quero que o outro ouça de mim? Mais ainda eu espero respostas ou necessito de espaço para ser ouvido? Performatividade do professor no contexto da reflexão em arte... hehehehe quanta teoria para um assunto "simples" e desafiador.
Desafiados a "criar" sem "regras" eis um apontamento da performance, deliberada e eloquante, lança mão de "tudo"a sua volta para dar conta de seus intentos.
Este é um momento de tudo que ainda faremos, veremos e ouviremos por aqui.

Valdemir
Beatriz Sodré

Performance é um meio em que podemos desenvolver ricos trabalhos de arte em sala de aula. Uma linguagem com possibilidades de expressão individual e coletiva, com a qual podemos trabalhar com grupos pequenos ou grandes. Uma maneira de expressão que exige poucos recursos, o que é uma grande vantagem quando trabalhamos em escolas públicas. Principal recurso: o próprio corpo,  fonte de inúmeras discussões sobre construção de identidade e auto-afirmação. Um bom (e difícil) assunto para lidar com jovens e adolescentes, mas desafio é uma das palavras que mais acompanha o professor de Arte, não é mesmo?

Sou Beatriz, aluna finalista do curso de Licenciatura em Artes Visuais, desenvolvendo meu Trabalho de Graduação na área de moda e performance.

Airla Gomes M. Barboza
Olá! Estou feliz, pois mais uma vez participo dos temas abordados no Arte na Escola.
Veja o desenvolvimento da performance do aluno, como um meio facilitador, para trabalhar as outras disciplinas, pois quando através da música e da dramatização trabalho a inquietude do aluno, conquisto a calmaria do mesmo, para que ele desenvolva a atenção no momento de trabalhar os conteúdos. Trabalhar com criança nâo é fácil, pois você deve encantá-la e para isto é necessário ação e envolvimento em tudo o que se faz.
Enquanto nós adultos apreciamos a arte, a criança se encanta por ela, porque existe algo de mágico no momento da expressão.

Airla

Fortaleza - Ce


Cristiane Ferreira

Estou participando pela primeira vez do debate, mas já trabalhei várias vezes com os alunos  a exploração desse tema, eles gostam muito e se envolvem nas atividades, são muito criativos.

Hirlândia Milon Neves

Olá Gilberto

Gostaria d ecomentar tua colocação: na verdade creio que não há precisamos nos preocupar com relação a ser mais uma tarefa aos professores de arte, vejo pelo ângulo de mais uma alternativa de fazermos o nosso trabalho, sendo essa talvez uma das caracteristicas que nos distingue no meio educacional. Somos capazes de apresentarmos infinirtas possibilidades de trabalho com um mesmo tema que por vezes creio que haja surpresa quanto a nossa atuação, tão dinâmica e não acomodada. Lógico que falo de uma parcela dos professores de arte, mas daqueles que me interessa falar.

Quando discutimos a questão da arte contemporânea, sem duvida um dos caminhos para adentrarmos em seus meândros é o trabalho com performances. Suas multiplas possibilidades e conexões abrem possibilidades de reflexões mais aprofundadas.

Espero que possamos continuar trocando idéais.

Abraços

Valdemir

Hirlândia Milon Neves

Olá Cristiane

Seja bem vinda a nosso espaço,  é um prazer tê-la conosco.

Esperamos que possa socializar conosco essas suas experiências para que possamos articular novas possibilidades.

Abraços

Valdemir

Hirlândia Milon Neves

Olá BEATRIZ SODRÉ

Gostaria de fazer um comentário sobre sua explanação, no sentido de que "os poucos recurso" necessários ao desenvolvimento da performance na verdade dependem do processo de quem a propõe. Apenas menciono isso pelo fato de que alguns colegas talvez não tenham tantos referencias sobre o tema, de forma que possamos paresentar suas multiplas possibilidades.

Um exemplo que menciono relaciona-se a minha fotografia, só a parte da pintura corporal levou quase duas horas, ela foi realizada para fazermos uma performance em um evento aqui em Manaus.

Tenho certeza de que refere-se ao contexto escolar, no sentido de que podemos propor a atividade sem termos como impasse o "custo" e dificuldades operacioanis. Apenas como contribuição.

Abraçso performaticos

Valdemir

Hirlândia Milon Neves

Olá  Jandira

Sinto que sua realidade deva ser um tanto dificil, alias como a da grnade maioria dos arte-educadores brasileiros, no entanto acredito que o tema possa vir a contribuir muito para seu trabalho. Tivemos aqui em Manaus em uma das escolas que assessoramos um trabalho com um conjunto de performances idealizadas pelo professor Odacy e seus alunos, os quais estavam incomodados com a sujeira da escola e a falta de cordialidade, que abordavam tais temas, as palavras de gentileza (Vale lembrar a música interpretada por Marisa Monte), e ainda resultante das performances realizadas nos corredores da escola a realização deu m video-arte (caso haja interesse posso enviar um genérico pedagógico pra você).

As vezes as melhorias partem de uma resolução interior para que transborde e uinundo os espaços com nossas indagações, inquietações, proposições .....

Abraçso performatico

Valdemir

Rosicleia

ola, professores eu sou graduanda do curso de Pedagogia e estou fazendo o meu t.c.c como otema desenho  no processo de ensino aprendizagem e gostaria de saber de mais algumas bibliografias sobre o assunto, se alguem de vcs tem este conhecimento por favor mande resposta.

eu adoro tudo que envolve arte!

acho que somos artistas em sala de aula!

Edina Regina Baumer

Olá pessoal, sou Édina, de Criciúma.

Fico feliz ao ver professores de arte interessados no debate sobre a performance na escola principalmente porque, nos tempos de hoje, a comunicação é cada vez mais audio-visual e corporal. Além disto, a própria arte, contemporânea, é híbrida. Inclui e envolve imagem, som, movimento, interatividade. Acredito que a escola em geral, e  especialmente o ensino da arte (que está ou deveria estar sempre a frente de seu tempo) não podem ficar alheios(ou alienados) à esta situação.

Hirlândia Milon Neves

Oláa Edina

Concordo com você!

E acredito que uma de nossas possibilidades de desenvolvimento como professores de arte seja a pesquisa, o debate, e todas as outras possibilidades de continuação de nossas formações.

Espero poder ler outras considerações suas aqui no fórum.

Abraços

Valdemir

Hirlândia Milon Neves

Rosicleia

Para que publico voce está focando seu trabalho? Talvez outras informações dessa natureza nos ajudem a indicar referencias a você.

Abraços

Valdemir

Hirlândia Milon Neves

Professor Marcus Vinicius e demais colegas.

Quanto a sua questão sobre o que fazer a partir da obordagem inicial, talvez fosse interessante adentrar no contexto histórico da mesma, sua origem e proposições, o que de certa forma já deve ter sido trabalhado em algum grau incialmente.

Então pensarmos com os alunos as duas conotações sobre performance: a de uma presença física e a de uma apresentação , espetáculo, algo para ser visto (spetaculum).

Aqui abre um campo de reflexão muito interessante em sala:

O que significa uma presença física? Não estamos o tempo todo fisicamente presentes? qual a difernça no contexto da performance? e outras questões...

E o que significa criar algo para ser visto? pode-se fazer arte para não ver?

Esta reflexão abrirá espaço para o entendimento do cojstituição da performance através do cruzamento de expressões (musica, dança, teatro etc...)

(GLUSBERG, Jorge. A Arte da Performance. 2ed. São Paulo: Perspectiva, 2005)

8563 visualizações | 51 respostas Faça login para responder