Forum
Claudinéia Da Silva Barbosa

Fiquei super feliz pelo convite! Estou no último semestre de Pedagogia da Universidade Estadual da Bahia e sou Professora em Educação Infantil.  Pensar a escola e suas ações é fundamental que seja de forma que se construa  e se elabore mais e mais a cultura. O espaço escolar tem essa possibilidade de produção e deve aproveitar as potencialidades que ali se desenvolvem.  Concordo com você Maria Angélica, principalmente quando diz que há necessidade de se começar pela infância e com valorização de suas raízes. esta é uma fase muito importante para a construção da identidade. E as linguagens artísticas da diversidade cultural existente no espaço escolar são estímulos riquíssimos para o desenvolvimento da sensibilidade. A formação do professor é item fundamental em todo o processo.

Pio Santana
Sueli Ap Pinto Toledo escreveu:
A escola pode ser considerada como espaço de produção cultural? Como isso pode ser possível?A formação do professor é fundamental na realização de tal questão? A formação do professor é fundamental, necessitamos de bons profissionais na escola. Não sei se entendo bem o que seja produção cultural, mas li outro dia e não lembro quem escreveu que nós precisamos da arte porque a vida não basta.Achei interessante, estou coordenadora na rede estadual de São Paulo, comemoramos dia 11/10 o cinquentenário da escola, e uma das professoras de arte montou um teatro em cima da música A Carta do Erasmo Carlos( alunos do 8º ano), nossa ficou simples e lindo e os alunos e a comunidade gostaram. Quando os alunos da EJA com suas mãos calejadas fazem a re-leitura de uma obra eu acredito que seja uma produção cultural, ou quando participam de um concurso de desenho,quando escrevem poesias,etc. A escola pode e deve ser considerada como um espaço de produção cultural, por mais que julguemos o nosso modelo de escola ultrapassado a escola transpira vida através de seus alunos.
Olá Sueli!

Obrigado por sua participação aqui.

A frase "A arte existe porque a vida não basta" é de Ferreira Gullar, disponível em:
http://g1.globo.com/pop-arte/flip/noticia/2010/08/arte-existe-porque-vida-nao-basta-diz-ferreira-gullar.html

Seu exemplo com o teatro e o fazer artístico a partir de releituras de obras de arte, acreditamos ser caminhos que fazem promover a cultura na escola. O ideal seria que essas ações, entre outras, fossem permanentes não é?

Abraços,

Pio.
Pio Santana

Olá Maria Angélica e Claudinéia!

Obrigado por participarem deste fórum.

Realmente concordamos, “a semente” cultural começa a brotar na infância e se o(a) professor(a) iniciar um trabalho de identidade cultural a partir desse momento da vida, acreditamos que essa construção  poderá ser consolidada com mais facilidade, tornando um adulto mais consciente de suas raízes.

Vocês teriam alguma sugestão prática de como começar um trabalho assim na sala de aula da Educação Infantil?

Abraços,

Pio.

Marcia Ap A A Arruda Depman
Pio Santana escreveu:

Olá Maria Angélica e Claudinéia!

Obrigado por participarem deste fórum.

Realmente concordamos, “a semente” cultural começa a brotar na infância e se o(a) professor(a) iniciar um trabalho de identidade cultural a partir desse momento da vida, acreditamos que essa construção  poderá ser consolidada com mais facilidade, tornando um adulto mais consciente de suas raízes.

Vocês teriam alguma sugestão prática de como começar um trabalho assim na sala de aula da Educação Infantil?

Abraços,

Pio.

Sim Eu acredito que escola pode e deve ser espaço cultural mais ~com acoperação de todo corpo decente em um unico objetivo.Temas como de  animais ou da natureza as crianças são apaixonada por estes temas ,e á muitas maneira de trabalhar,se precisar estamos aqui .

Marcia Ap A A Arruda Depman
Pio Santana escreveu:
Olá Professoras

Elizete, Cleide, Luciane, Vanessa, Marcia e Marilda!

Muito obrigado por contribuirem com este fórum nos permitindo a refletir sobre nossas práticas, desejos e realizações como expôs a professora Luciane.

Será que o ato de por em prática a produção cultural da qual estamos nos referindo neste espaço tem relação com postura política do professor? Que postura seria necessária?

Abraços,

Pio.
Sim .Dentro do nossos objetivo que poderemos mostra novos horizonte ,no caminho da arte é estimulando em todos um novo  caminhos e ser povocante e principalmente acredita  na capacidade deles e tua para chegar onde  se deseja. Äprende arte a aprende todos dias a viver..
Teresinha De Bastiani Twardowski

Olá.

Agradecendo pelo convite e contribuindo com o tema proposto, devo dizer que é facilmente possível estabelecer a escola como espaço cultural. E mais, não somente na disciplina de arte, como também em todas as outras disciplinas pelo simples fato de que há ARTE EM TUDO e TUDO PODE SER ENTENDIDO COMO ARTE. As mais diversas formas de pesquisar, buscar, apresentar, enfim, em tudo há que existir uma maneira artística de apresentar resultados.

A escola onde trabalho vem desenvolvendo há dois anos a semana da cultura, que por sinal acontece esta semana, com a contribuição de trabalhos dos alunos, auxiliados por professores, e o resultado é maravilhoso, visto que todos querem apresentar bons trabalhos. Os que não colaboraram sentem-se motivados a contribuir num próximo momento, e os colaboradores, além de aprender cada vez mais, ainda deixam sua marca positiva para a escola e para os futuros alunos desta, já que estes trabalhos são registrados e encaminhados ao acervo histórico da escola.

Se a escola é um espaço cultural? Deus nos livre deixar de ser. Aí as escolas deverão ser fechadas, porque também o conhecimento deixará de existir e acontecer.

É preciso incentivar cada vez mais as escolas a promoverem momentos culturais dentro dela, e que a família e a sociedade possam participar e prestigiar esses momentos.

Écerto que não é o único espaço, mas, eu diria, o primeiro e mais importante.

Profª Teresinha - Bituruna/PR Col. Est. Santa Bárbara

Pio Santana
Olá Marcia!

Gostei de sua energia, fica o convite para fazermos da escola esse lugar da cultura!

Abraços,

Pio.
Pio Santana

Olá Sandra e Terezinha!

Muito obrigado por participarem deste fórum!

Concordo com você Sandra, a contextualização faz a diferença para se estabelecer o conhecimento dos bens culturais como algo que nos pertence.

Gostei da força que Terezinha demonstra em dizer que é tarefa fácil transformar a escola em espaço cultural. Só me preocupo com a generalização de que ‘tudo pode ser entendido como arte’, acredito que temos que ter certo cuidado nessa afirmação. Arte é linguagem, tem suas especificações e conteúdos próprios.

Parabéns Terezinha, por estar numa escola ativa culturalmente e que guarda em seu acervo os trabalhos dos alunos. E nada melhor como se ter a parceria da família e sociedade.

Abraços,

Pio.

Silvana França

Boa tarde.
Estou chegando agora neste fórum, e pretendo permanecer.
A escola contemporânea não pode mais ser apenas o lugar de se adquirir conhecimento, ela é antes de tudo local de se produzir esse conhecimento, na Proposta Curricular do Estado de S.Paulo está claro que habilidades é que devem ser o foco dos aprendizados. Não se desenvolve habilidades sem que integremos Cultura/Educação.
No mundo informatizado, a educação não pode mais estar voltada para a conquista de dados estanques, subdivididos em disciplinas, nosso alunado, e nós também, com o apertar de algumas teclas teremos ao alcance esses dados com muito mais qualidade e quantidade do que poderíamos apresentar durante o ano letivo, no entanto precisamos preparar nossos alunos para que o raciocínio dele possa localizar o modo de como e onde acessar, interrelacionar informações e apropriar-se de diferentes linguagens, para que possa realmente usufruir o que lhe é ofertado.
A cultura que até a pouco tempo podia estar subdividida pelo espaço físico hoje é integrada pelo espaço virtual. Sua miscigenação nunca foi tão acelerada. Podemos acompanhar ao vivo o que está acontecendo do outro lado do mundo... Essa transformação deu-se no curto espaço de aproximadamente meio século, com a chegada da televisão ao Brasil em 1952 e hoje quase 60 anos depois estamos aqui...
A escola contemporânea deve ser altamente renovável, as obras que apareceram nos cadernos de arte à três anos atrás já precisam ser complementadas.
Criar um espaço de produção cultural na escola é imperativo, pois só experimentando o fazer é que nosso aluno vai poder acompanhar o que está sendo feito, e logicamente para fazer ele precisa estar nutrido com o que já foi produzido... Não faz sentido ficarmos "descobrindo a roda" a cada nova criação em que ela seja necessária, portanto esse “feedback” torna-se infinito.

A cultura que durante muito tempo foi vista como algo que se restringia a duas esferas que pouco interagiam, a chamada popular, basicamente relacionada ao folclore e que se manifestava na maioria dos casos em espaços públicos abertos, e a erudita, que estava restrita às classes mais privilegiadas da sociedade e ficava restrita aos espaços fechados. Com a arte moderna isso começa a mudar e hoje, tudo está ao alcance de todos.

Nossas escolas, no entanto não estão preparadas fisicamente para isso, às superpopulações em salas de aulas apertadas, a inexistência de espaços lúdicos ou coletivos para que os alunos possam se apropriarem livremente, agravado pelo despreparo do tempo onde as aulas se sucedem de modo estanque e fixo, como se nossos alunos fossem maquininhas programadas por liga/desliga, a cada 45 ou 50 minutos, sem a existência de continuidade de raciocínio.

Professores, bem intencionados, mas em muitos casos desmotivados, que estão ali para cumprirem o mínimo exigido e que pouco ou nada sabem do que está acontecendo na sala ao lado, são grandes entraves à evolução da escola enquanto espaço de criação cultural, isso sem falar na bur(r)ocracia da qual somos vítimas e aliados.

Alunos desmotivados, mais preocupados com qual será a nota do quem aprender, são fruto dos anos em que a escola ficou a mercê unicamente, de vencer nas estatísticas internacionais de redução do analfabetismo (hoje temos um numero imenso de analfabetos diplomados), todos foram para a escola, mas a que custo? Ao custo não de uma escola de qualidade que se abriu para todos, e sim de uma escola que perdeu qualidade para chegar a todos. Felizmente hoje já se vislumbra um pequeno lampejo governamental no sentido de mudar esse rumo.

Famílias nas quais a escola é colocada como ou local para “despejar” seus filhos, ou pior ainda como algo que deve ser utilizado (obrigatoriamente) para que se possa usufruir de algum “benefício social do governo”, e que acreditam que só pelo fato de suas crianças estarem presentes na escola não precisam mais se ocuparem com a educação das mesmas, transferido toda essa responsabilidade à escola.

Produzir cultura na escola soa redundante em meus ouvidos, pois acredito que todo local que produz cultura é uma escola e toda escola deve produzir cultura...

Quem é o professor e quem é o aluno quando se produz cultura na escola, quem aprende com quem? Ou ambos aprendem juntos trocando experiências e vivências?

Um Professor é aquele que sempre está aprendendo e por vezes ensinando!

 

Elis Adriana Ludvig

Olá, colegas!

A escola é um espaço de produção cultural, pois é no ambiente escolar que se constrói o conhecimento formal, divulga o científico e cultural da sociedade.

Os educandos na troca de experiências e informações, orientados pelos educadores tornam a produção da cultura possível. Porém, para que isso aconteça, é necessário a pesquisa, programas, projetos, palestras, valorização das diferentes culturas e costumes da comunidade escolar e a elaboração de um currículo que propicie a sua propagação. 

A formação e conscientização do professor é importante para que possa lidar de forma positiva, intervir  e principalmente orientar e monitorar os educandos e projetos que valorizem a produção cultural.

Pio Santana

Olá Silvana e Elis!

Muito obrigado por suas participações tão ricas e importantes, fazendo ampliar as reflexões disparadas pelo tema deste fórum.

Vocês ensinam que, de fato é na escola o lugar onde a cultura acontece, Silvana colabora com um panorama que contextualiza segundo sua visão, aspectos da realidade vivida na educação pública Paulista e alerta para uma possível redundância sobre a temática deste fórum.

Obviamente sabemos que ao se falar de cultura mais abertamente, sua produção se dá em todos os espaços do mundo e não somente na escola. Porém o nosso foco é querer saber como é que você professor faz, em seu cotidiano, para a produção cultural acontecer? Quais as estratégias? Quais os aspectos culturais privilegia? Sua formação interfere de que modo? Como isso é possível? Ou não é possível?

São provocações para refletirmos sobre nossas ações, enquanto professor,  no espaço escolar.

Quem prossegue essa boa conversa?

Abraços,

Pio.

Cristiane Delecrode3

Olá a todos.

É muito bom ver esse tema debatido neste espaço.

A 04  meses escrevi um projeto exatamente sobre formação de professores para a produção cultural.

Trabalho no MAM-BA e sou formada em Educação Artistica. Me lembro das pinturas murais, dos festivais de música e de teatro que aconteciam nas escolas, meados das décadas de 70 a 80, antes da decadência total que vivemos. Minha fase no ensino médio no Colégio Oswaldo Aranha - Blooklin / SP, era um painel de histórias contadas pela arte produzida em outros tempos e, que eu gostaria tanto de ter vivido. Era uma mostra de tudo o que a escola já havia feito em termos de cultura e arte. Lá estavam a propaganda das produções culturais que realizavam e que eu não pude participar.

Bem, esta indrodução foi só para ilustrar que a escola é "o lugar" da produção e vivênica cultural. São diversas as iniciativas que promovem: gincanas, apresetações de teatro, sarais, mostras de vídeo, etc.... .

Então, não cabe discutir se o espaço é ou não lugar de produção e realização e produtos / eventos de cultura e arte mas, como o professor pode se apropriar da gestão cultural para que possa insentivar seu aluno a realizar ações e incluir as produções culturais locais do entorno da escola.

Proponho que façamos uma reflexão sobre propostas efetivas de formação cotinuada que disponibilize  ao professor instrumentos e ferramentas da produção/gestão cultural. E, assim, que ele possa sensibilizar-se para adaptar, à sua realidade local, iniciativas que mobilizem a escola e toda a comunidade.

Posso propor, por exemplo, uma exposição de arte nos muros/paredes dos pátios com um mostra da produção de desenhos de todas as séries/turmas. Seria incrível perceber a evolução das expressões gráficas das faixas etárias que a escola acolhe. Seria um panorama incrível para discuitr o desenho e as formas de expressão plástica de acordo com a evolução gráfica do ser. Se essa iniciativa fosse gerida por alunos e comunidade escolar juntos, pensariam todas as etapas de pré-produção, produção/realização e desprodução do evento seria uma oportunidade para estudar todas as atividades envolvidas e tapas, desenvolver cronogramas, estatísticas, organização, público alvo, relação com a comunidade e tantos outros temas que poderiam ser abordados de modo transversal e integrado entre escola e sociedade.

bom, deixo essa contribuição para pensarmos em como tornar efetiva a produção cultural na escola.

grata a todos.

Cris Delecrode

Arte Educadora /

Desenvolviemtno de Projetos Museu de Arte Moderna da Bahia

Pio Santana
Olá Cris!

Obrigado por contribuir com as discussões deste espaço.

Pois é, sua visão vai no sentido de criar proposições que poderão encaminhar importantes produções culturais no espaço escolar.
Além de trabalhar no MAM, você também está na sala de aula da educação formal? Como percebe a diferença cultural nesses dois espaços?

Abraços,

Pio.
Marcia Ap A A Arruda Depman
Pio Santana escreveu:
Olá Marcia!

Gostei de sua energia, fica o convite para fazermos da escola esse lugar da cultura!

Abraços,

Pio.
Obrigada pela consideração espero poder ajudar e principalmente aprender ,novos horizontes dentro da profissaõ que escolhi para ser feliz .Apesar de saber que á uma grande jornada para sentir realizada? abraço

Silvana França
Pio Santana escreveu:

Olá Silvana e Elis!

Muito obrigado por suas participações tão ricas e importantes, fazendo ampliar as reflexões disparadas pelo tema deste fórum.

Vocês ensinam que, de fato é na escola o lugar onde a cultura acontece, Silvana colabora com um panorama que contextualiza segundo sua visão, aspectos da realidade vivida na educação pública Paulista e alerta para uma possível redundância sobre a temática deste fórum.

Obviamente sabemos que ao se falar de cultura mais abertamente, sua produção se dá em todos os espaços do mundo e não somente na escola. Porém o nosso foco é querer saber como é que você professor faz, em seu cotidiano, para a produção cultural acontecer? Quais as estratégias? Quais os aspectos culturais privilegia? Sua formação interfere de que modo? Como isso é possível? Ou não é possível?

São provocações para refletirmos sobre nossas ações, enquanto professor,  no espaço escolar.

Quem prossegue essa boa conversa?

Abraços,

Pio.

Oi professor Pio e todos.

Moro em uma pequena cidade do interior de S.P., espaços culturais tradicionais aqui não existem, temos a Festa do Peão e o Demolicar, como atividades anuais.

Na Escola em que leciono tento desesperadamente suprir o que não temos, duas vezes por ano realizo com os alunos do EJA um Festival de Talentos, onde os alunos podem se expressar por meio de todas as linguagens da arte, expondo seus trabalhos, trazendo seus artesanatos, e apresentando seus espetáculos. Incentivo muito às linguagens hibrida.

Temos um mural intitulado “Quem é Você?” onde os alunos podem expor seus textos, ou quaisquer outros trabalhos.

Conseguimos uma sala ambiente para arte, e nela são mantidos diferentes painéis durante todo período letivo, já tivemos também 3 instalações, e estamos mantendo uma mesa com revistas e recortes de jornais que tratem de assuntos ligados à cultura.

Como além de professora de arte sou arquiteta estou desenvolvendo um trabalho de recuperação dos canteiros existentes na escola, e que estão bastante abandonados, os alunos vêm desenvolvendo projetos de transformação dos mesmos em áreas de convivência, é um trabalho que iniciei no semestre passado, e ainda precisa ser bastante aprimorado, mas nosso primeiro canteiro já tem projeto paisagístico pronto e estamos levantando verba para execução, pelo regime de mutirão. Trabalhei com os alunos além de técnicas de projeto também a legislação que rege as construções no município, visando principalmente uma melhoria nas condições de salubridade das moradias irregulares, que é o habitar da maioria deles, isso já se mostrou produtivo na prática.

Estamos com um projeto em faze de elaboração, envolvendo as disciplinas de arte e filosofia, que intitulamos “Vende-se uma Idéia”, deverá ser colocado em prática no próximo ano, deverá trabalhar as diferentes mídias utilizadas na propaganda, vendendo o produto que são os filósofos e suas teorias.

Acredito muito em uma escola que se transforma e se atualiza, tenho bastante apoio da direção e nos dois anos que estou trabalhando com eles já consegui implantar ao menos a idéia de que arte não é só coisa de museu e teatro, mas coisa que deve existir em qualquer lugar onde possamos encontrar pessoas. Mas ainda tem tanto para ser feito... Um dia vou poder criar um grupo de teatro, um de pesquisa musical e quem sabe um embrião de escola de samba.


8023 visualizações | 58 respostas Faça login para responder