Forum
Juliano Farias

Lilian, essa massa é feita com trigo e água.Estou realizando o projeto implantado no Estado de SP em 2004 "Alice no país das maravilhas", onde o objetivo é trabalhar as 4 linguagens, tendo como pano de fundo essa obra (filme), o primeiro estágio é artes visuais, criação do bicho esquisito....se quiser maiores detalhes meu email é juliano.arq@hotmail.com

ANDRE DIAS PIRES

Olá a todos. Esse tema vei bem a calhar para mim. Sou professor de artes visuais com experiencia no 3 e 4 ciclos (6 ao 9 ano). Nas minhas aulas procuro fazer com que o aluno compreenda melhor sua propria cultura e a cultura de outros povos e diferentes épocas através do estudo de imagens da arte e da cultura visual. Pois bem, mesmo com toda dificuldade do ensino publico (municipios do Rio e Caxias) tenho prazer em produzir minhas aulas. A novidade é que atualmente leciono artes na prefeitura de Niterói (onde moro) e não tive outra escolha a não ser pegar os 1 e 2 ciclos (1 a 5 ano).

Com os promeiros ciclos Tenho 18 turmas com uma aula 45 minutos por semana. Sem sala de artes apropriada.

Questiono: Como fazer com que tenham experiencias sensoriais com diversos, usando tinta ou argila nessas condições? tenho muita insegurança quanto a isso.

Eu poderia abordar na educação infantil temas e imagens da cultura visual (figurinhas, tv, propagandas...) com objetivo de desenvolver compreenção critica? ou é impossivel e inadequado?

Estou me perguntando isso e muito mais atualmente e o que encontro são salas de aula onde não se pode falar pois a falta de noção de convivio é muito grande e ao mesmo tempo enxergo a vontade de fazer coisas com materiais, aprender tecnicas e usar a criatividade dessas crianças.  

Julmara Goulart Sefstrom
Olá a todos. Sobre a questão da modelagem com argila, gostaria de questionar. Quando trabalhar esta técnica, como pode ser conduzido o processo? É válido mostar imagens de esculturas, por exemplo? Parte-se de algum tema? Ou deixa-se a criança trabalhar com tema livre, epxerimentando o material? Trabalha-se a partir de contação de histórias? Gostaria de saber a opinião dos colegas. Fico um pouco em dúvida com relação às atividades livres ou dirigidas.
Rho Gonçalves

Olá a pessoas das artes...

Quero compartilhar com o grupo algumas ansiedades, a que mais me incomoda é o trabalho em grupo.

Trabalhar com as crianças as possibilidades de criação coletiva ou de organização da criação. Por exemplo, os jogos teatrais, ou as criações coreográficas. Parece-me que há uma ênfase nos trabalhos individuais com as crianças.

Bem tenho uma certa dificuldade em desenvolver essas atividades coletivas.

Como vocês trabalham?

Rosiane F. Da Silva

Olá a todos......

Ao apreciar a área de educação artística na educação infantil e buscar pesquisar sobre a própria história das mudanças ocorridas educacionais neste campo e também poder dar cursos na área de formação de professores, pude observar que mesmo estando em pleno século XXI à arte ainda é vista dentro da educação infantil como apenas em introduzir modelos prontos e nem se quer ter uma preocupação em construir um olhar mais crítico sobre o meio, sobre si e sobre o outro.

Dificultando o apreciar esteticamente e criticamente de tudo o que cerca uma criança que está em formação.

 

O valor cultural pouco tem sido considerado e percebo que tem faltado a sensibilidade do próprio professor, estudo e aprofundamento em introduzir um olhar mais crítico referente às obras de arte, aos museus de arte, o percurso artístico de diferentes artistas, sua criatividade, suas descobertas, que tanto são importantes para os alunos desde pequenos terem contato e gradativamente irem construindo o seu olhar sensível frente à arte.

Precisamos de mudanças urgentes na educação infantil em artes............

abraços, Rosiane

Daniela Linck Diefenthäler
Olá Julmara!

No Ensino de Artes algo que me encanta são as diversas possibilidades de iniciar um trabalho com as crianças. Em relação à tua questão sobre a argila, acho que é muito bom provocar as crianãs com diversas imagens de esculturas, sejam elas artísticas, de esculturas de lugares públicos, de revistas, enfim... é importante ampliar o repertório visual infantil.

Dependendo do teu objetivo com esta proposta, pode deixar as crianças manipularem este material, experimentarem possibilidades, ainda mais se nunca tiveram contato com a argila ou com outras formas de modelagem. O importante é que não há certo e errado, e a condução destas propostas depende do teu olhar enquanto professora atenta às necessidades de teus alunos.

Também gosto muito de trabalhar com a literatura infantil conectada ao ensino de arte. Tenho trabalhado em alguns cursos de formação de professores com este tema. É interessante pesquisar no mercado editorial os materiais disponíveis e a qualidade dos mesmos. Atualmente existem muitos livros de literatura infantil voltados diretamente ao ensino de arte para crianças, mas é bom dar uma "garimpada" e ver o que realmente te interessa.

Seguimos conversando... abraços
Daniela Linck Diefenthäler
Olá André!

Fiquei muito interessada com tua proposta de trabalhar com a Cultura Visual na Educação Infantil, ainda mais porque desenvolvo minha dissertação de Mestrado nesta linha de pesquisa. É importante termos em mente que a Cultura Visual além de trabalhar com as imagens, se preocupa na relação que temos e estabelecemos com estas imagens. Afinal de contas, o que fazemos com tudo o que vemos? Talvez uma possibilidade de iniciar este trabalho com teus alunos da Educ. Inf. esteja em estar atento ao que estas crianças assistem na TV, às imagens que aparecem nos materiais escolares, roupas, enfim... Até mesmo que imagens estão presentes na sala de aula destas crianças, que fazem parte do contexto diário? Propor às crianças que tragam imagens que gostem, de brinquedos que possuem opu que gostariam de ter pode desencadear uma conversa que possa começar a desenvolver a compreensão crítica de que falas...

O interessante é que um trabalho com as imagens desde a Educação Infantil pode cm certeza produzir efeitos muito interessantes ao longo de todo o precesso educativo, e ao longo dos anos, ir provocando olhares para que coisas que talvez não olharíamos!

Abraços

Daniela
Daniela Linck Diefenthäler
Olá Inara!!!

Também tenho grande interesse pela questão do estereótipo nas produções expressivas infantis, minha dissertação de Mestrado trata disto a partir da imagem da representação da casa. Quem sabe podemos trocar algumas idéias? Gostaria de saber mais do teu trabalho nesta área. Se quiser entrar em contato meu e-mail é: danilinck@brturbo.com.br

Abraços
Daniela Linck Diefenthäler
Olá Adriana!

Que bacana estar trabalhando nesta faixa etária! Muito importante neste período é exatamente possibilitar experiências às crianças com diversos materiais e suas possibilidades: tintas, materiais de ponta seca (lápis de cor, giz de cera, canetas hidrocor). Muitas crianças nesta fase, possuem dificuldades em trabalhar com diversos materiais e o mais rico é exatamente provocar este contato e perceber o que acontece nesta troca. Um livro que talvez seja interessante para ti é: Baby-Art: os Primeiros Passos com a Arte. Talvez te ajude!!!

beijos
Mauro Luiz Lerco Aguiar

Olá pessoal, sou professor do ciclo 1 de escola particular e gostaria de compartilhar um sério problema que enfrento, as crianças sempre trabalham em função da forma e nunca da abstração, procuro sempre vincular o tema com o momento contemporâneo mas as crianças sempre tendem para o real, o concreto. Estou trabalhando no momento Franz Krajencberg e pretendo abstrair com esculturas e texturas em geral, estamos fazendo oficina de tinta natural e papel reciclado com material orgânico. Gostaria de saber como posso estimular nos meus baixinhos os moldes contemporâneos.

agradeço quem puder palpitar.

abraços

Mauro Aguiar - sp - capital

Elizete Faria E Ferreira

Bom dia a todos!

Estou pesquisando sobre didática e metodologias, no Ensino de Arte na Educação Infantil, para escrever a  monográfia de conclusão do curso de Artes Visuais da Universidade Federal de Uberlândia. E este Fórum veio na melhor hora. Focarei na faixa etária de 5 e 6 anos.

Busco ampliar meus conhecimentos acadêmicos e refletir sobre outros conteúdos, além do desenho e pintura.

Espero poder contribuir para o sucesso do Fórum e acredito que terei grandes contribuições para o meu trabalho acadêmico.

Até a próxima!

Elizete

Karen Greif Amar

Caros  colegas

Quantas possibilidades de trocas conseguimos estabelecer com esse forum, os caminhos são bastante variados e enriquecedores!

As contribuições sobre o trabalho com modelagem são muitas, além das outras questões que naturalmente apareceram já que o tema é tão amplo. Concordo quando a Daniela responde à Julmara que são diversas as possibilidades de iniciar um trabalho de arte com as crianças. Através da exploração, a partir de imagens ou mesmo de uma proposta sua de produção oferecemos aos alunos possibilidade de aprendizagem nessa área do conhecimento. As crianças aprendem arte realizando trabalhos nas diferentes modalidades, apreciando imagens e também refletindo sobre a própria produção e as produções realizadas por diferentes culturas. O professor pode, por exemplo, selecionar imagens de artistas populares que modelam animais - um tema sempre presente no universo infantil. Durante a conversa (que certamente com o hábito se tornará cada vez maior) podemos perguntar aos alunos questões pontuais sobre o procedimento e complementar a conversa com informações específicas sobre aqueles trabalhos, como por exemplo, de onde os artistas pegam a argila, como fazem para obter aquelas formas (no caso modelando ou colando as partes), de que maneira (com que ferramentas possíveis) produzem as texturas na superfície...os alunos certamente têm muitas hipóteses sobre essas questões, e elas podem ser retomadas a cada novo momento de apreciação. As propostas podem surgir da própria conversa, a partir do que foi observado. Nesse caso, comento a questão do professor André Dias, que relata sua realidade com 18 alunos e aula de 45 minutos: penso que seu planejamento pode ser estruturado levando em consideração esses aspectos e trazendo o grupo de alunos para participar ativamente de todos os momentos de aula. Essa postura não é adequada somente à sua realidade, compromenter os alunos ao processo é fundamental. Incluir todos na ação educativa é fazer com que eles também sintam-se responsáveis pelo próprio aprendizado, e não só o professor. Afastar as cadeiras, varrer a classe, lavar os materiais, gurdar os trabalhos no lugar combinado também fazem parte da aula. É certo que com pouco tempo tudo fica mais difícil, mas não é impossível. Organize apreciar e registro em uma aula e produção e conversa em outra. Com o tempo o grupo entra no ritmo e o trabalho flui. Provavelmente você terá uma estrutura de organização pessoal diferente de alguém que trabalhe com sala ambiente, mas a qualidade do trabalho não será diferente por isso. O importante é integrar sempre produção, apreciação e a reflexão.

um abraço

Karen

Karen Greif Amar

Camila!!!

Que legal te encontrar bem aqui querida!

Me escreve para amare@uol.com.br

bj

Karen

Karen Greif Amar

Rho, qual a faixa etária que você trabalha?

Sálua D. Guimarães

Prezad@s colegas:

Concordo com Karen. É importante integrar produção, apreciação e reflexão. Porém, nem sempre @s docentes que atuam na Educação Infantil tiveram, na formação inicial, o contato/experiência com essas dimensões do conhecimento de arte. Muitas vezes o repertório visual do professor é restrito, bem como a experiência de leitura de outras linguagens, além da escrita.    

O desafio é promover intervenções educativas que habilitem @s docentes a trabalhar o ensino de arte na educação infantil. Como fazer isto?

Saluagui 

7653 visualizações | 67 respostas Faça login para responder