Forum
Marcia Aparecida Dos Santos
Fazer teatro em uma sala com 45 alunos na teoria é lindo! Na prática é inviavel!
Arildo Sanchez Guerra

Saudações teatrais a todos os que fazem parte deste fórum...

Sou especilista em, ARTE EDUCAÇÃO E METODOLOGIAS DE ENSINO e tenho vivênciado a oportunidade de atuar nos dois lados da "moeda"  ou seja, relizando trabalhos em escolas e com grupos profissionais de TEATRO E CIRCO é oportuno e extremamente necessário no momento PARABENIZAR essa iniciativa de discutir O FAZER TEATRAL NAS ESCOLAS quero expressar neste espaço para poder compartilhar com todos algumas de minhas inquetações :

Será que o teatro realmente está vivo na escola? Ou está adormecido como um vulcão ?

Será que estamos sabendo utlizar o teatro ,como ferramenta de grande utilidade no processo de ensino e aprendizagem dos nossos educandos ? Ou estamos simplesmente pensando que fazemos teatro comemorando algumas  datas que, "achamos" importantes.

POR UM TEATRO VIVO NA ESCOLA é necessário repensar, refletir  e fazer com que o VULCÃO do teatro  esteja ativo em toda vida escolar de nossos educandos.

Morane Barreto Da Silva Costa
marcia aparecida dos santos escreveu:
Fazer teatro em uma sala com 45 alunos na teoria é lindo! Na prática é inviavel!

Márcia,
Creio que seja viável sim. O problema está em "como"  fazer teatro. Se o teatro está sendo utilizado apenas como ensaio de peças para cumprir cronogramas de escolas, ele não é atrativo pra nenhuma quantidade de alunos. Mas, se o teatro acontecer por meio de jogos, oficinas, que atraem para o despertar de reflexões e críticas, penso que, independente da quantidade de alunos, possa proporcionar interesse e participação de todos.
Abraço,
Morane.
Francisca Veronese Kühn
         Gostei do tema e dos comentários dos colegas. Esta troca é muito válida, inclusive as sugestões de leituras. Bem,  eu sou  defensora do teatro, há muito tempo; nas  Escolas como parte do curriculo, ou como projetos. Trabalho este ano num projeto da Prefeitura Municipal de Panambi-RS, percebo que  os alunos inscritos  no projeto, já apresentam uma tendência muito forte para as Artes Cênicas. Embora  ainda  iniciando o  trabalho, um teatro sem camarins e sem palco..., mas o importante é também o fazer  de  conta que um determinado espaço é o palco, e outro espaço é o público... As Escolas hoje estão muito preocupadas com quadra de esportes etc.. e o espaço físico para o teatro ainda é um tanto precário.  Mas  isto não vai impedir  o trabalho prático do teatro. Como o próprio Wigotski fala em sua obra  "Psicologia da Arte",  a imitação de pequenas cenas do cotidiano, já demonstra a capacidade que   o aluno tem, e quando ele consegue se emocionar, realiza então a "Catarse". E a prática tem  mostrado que  essa "catarse"torna os alunos melhores. O teatro também humaniza as pessoas, tanto  para quem assiste como  para o ator. Boa tarde.
Lisinei Rodrigues

Sou professora do Colégio de Aplicação da UFRGS, em Porto Alegre/RS. Em nossa escola temos aulas de Teatro com docentes especialistas na área de 5ª a 8ª séries do Ensino Fundamental e como disciplina optativa (entre Artes Visuais, Educ.Musical e Teatro) no Ensino Médio. Tanto no fundamental como no médio a carga horária dos alunos é de dois períodos semanais (1h30). As aulas ocorrem em salas ambiente, com isolamento acústico e palco de desenho italiano demarcado por panejamento. Recebemos os estagiários da graduação de Licenciatura em Teatro da própria UFRGS ou de outras instituições. Para nós esse contato íntimo com a academia oxigena o trabalho e propõe um cotidiano rico em discussões focadas na epistemologia da linguagem teatral. Os princípios orientadores da proposta curricular do Colégio de Aplicação da UFRGS compreendem  os seguintes aspectos:

      O fazer teatral pelo Jogo;

      A construção do conhecimento e a aprendizagem pela experiência estética;

      A construção do sentido através do lúdico;

      A compreensão do produto artístico como parte integrante do processo criativo;

      O caráter comunal e socializante dos processos e dos produtos artísticos;

        O processo artístico como produtor de discurso e fomentador de leituras de mundo.

A compreensão da linguagem teatral como área do conhecimento com possibilidades de articulações transdisciplinares e não apenas como recurso ou ferramenta facilitadora de aprendizagens para outras disciplinas é certamente nosso maior desafio dentro da instituição.
Lisinei Rodrigues
José Simões de Almeida Junior escreveu:

Bom dia a todos

Gostaria de propor a leitura dos livros de Viola Spolin sobre o Jogo Teatral e também de Ingrid Koudela, sobre o mesmo tema.

Além disso existe uma vasta produção acerca da pedagogia do teatro sendo elaborada em várias universidades, entre elas a USP, UFBA, UDESC, entre outras. Muitas delas disponibilizam esse material por meio de suas bibliotecas on line.( teses e dissertações)

Destaco, também, o GT Pedagogia do Teatro&TEatro na Escola da ABRACE . Importante grupo que reune os pesquisadores da área

Já foi disponibilizado o último volume on line das comunicações apresentadas no último congresso em 2006, no Rio de Janeiro.

O próximo cogresso será em outubro em Belo Horizonte.

Algumas inquietações:

1- tenho discutido com meus colegas que o teatro não é uma linguagem da arte. Ele é arte. Que tal denominação de "arte e suas linguagens" nos leva a entender que o conhecimento da Arte só poderia ser atingido SE conhecessemos todas as linguagens. Portanto, carrega a noção de arte como  estrutura polivalente. Quem faz teatro faz arte.

2- a segunda questão é saber qual o conceito de linguagem que estamos utilizando?

3- a terceira questão é o teatro como ferramenta. É preciso estar atento. Senão vamos acabar desenvolvendo o conceito de um teatro utilitário.

4- Existe muita preocupação dos professores em como fazer. Eu, todavia, penso que antes é preciso discutir a formação desse professor. Os cursos de licenciatura estão focados para o ensino de teatro? Os componentes pedagógicos estão adequados com a realidade escolar? Qual o posicionamento sobre aqueles professores que nunca discutiram sequer uma teoria vinculada à pedagogia do teatro e desenvolvem em sala de aula um teatro autodidata? por fim; qualquer pessoa pode dar aulas de teatro somente por ter feito teatro?Ou por que é ator? e a especificidade da pedagogia teatral?

5- Por fim, penso que o Teatro não é o lugar onde tudo pode. O teatro tem seus pre requisitos cenicos, espetaculares e espaciais.

um forte abraço a todos

jose simoes

 Oi José

Muito pertinentes tuas colocações. Viola Spolin é livro referência,além dos demais citados.

1 - Há muita confusão entre polivalência e transdisciplinaridade. O teatro é arte visual, é sonora e é,como a dança também efêmera, trabalhando tempo/espaço de forma simultânea.

2 - Ótima questão.  Linguagem pressupõe comunicação, decodificação e um "idioma" que possa unir os interlocutores.

3 - Na minha opinião, a primeira função de um objeto artístico é servir a contemplação voluntária por seu valor estético. Entretanto, pensando assim, todas as manifestações do teatro político e até o teatro invisível de Boal não seriam arte... A questão é que nas escolas ainda se encontra o teatro, ou melhor a dramatização, como um recurso para a aprendizagem de conceitos ou de outras linguagens. Particularmente não vejo isso como um problema desde que haja espaço para a construção de conhecimento na arte teatral, com seus conceitos, habilidades e competências próprias.

4 - A arte teatral, assim como todas as outras, não possuem um "manual de instruções" ou mesmo título de propriedade. Penso que a qualidade do trabalho de quem tem uma formação na área acaba se impondo e os próprios sujeitos da aprendizagem percebem a diferença entre o diletante e o educador em arte. E se desse encontro surgir um produto artístico... a platéia reconhece a diferença.

Quanto a formação docente, penso que transpor simplesmente os jogos teatrais, as técnicas de interpretação ou de direção, os exercícios de expressão corporal ou de improvisação vistos no curso de licenciatura para a realidade escolar não é eficaz. A criança e o adolescente tem objetivos, visão de mundo e desenvolvimento cognitvo distintos de um adulto que busca formação em teatro. Acho que os cursos deveríam investir em disciplinas de investigação desses sujeitos da aprendizagem e que os docentes deveriam praticar o saudável exercício de questionar-se "a quem se destina as experiências pedagógicas que julgo relevantes", diante de cada turma.

5 - Penso que o regramento no tempo, espaço e nas relações interpessoais sejam boas aprendizagens que o teatro na escola pode proporcionar aos sujeitos. 



Eduardo Bartolomeu

A questão do "quem é o profissional que "pode" trabalhar teatro na escola" gerou boas discussões em umas das mesas de debate no "Rumos para o Teatro Infantil" no ano passado, realizado no Centro Cultural São Paulo. Tenho a oportunidade de trabalhar como ator e como educador de teatro e acho que uma coisa aproxima, completa a outra. Ingrid Koudela manifestou neste encontro sua discordância sobre a segmentação do curso de Teatro: Licenciatura e Bacharelado. Concordo com ela, pois antes de se pensar nisto, devemos pensar que a formação é para a Pessoa de Teatro, que, apaixonada pela sua arte, poderá ter habilidade para ensiná-la ou não. Não consigo entender como é possível alguém ser só professor de teatro sem nunca ter tido vivência em teatro. Não cabe na minha cabeça, porque por mais que se leia, se estude, é no sobe e desce de escada, no suor da maquiagem escorrendo no rosto, que a gente confronta o que lê nos livros e assim vai construindo o nosso próprio fazer. 

Quanto ao teatro utilitário, compartilho a posição de que o teatro utilizado como simples instrumento não oferece a ninguém a oportunidade de conhecer de fato o que é teatro. Como instrumento que é, pode a qualquer hora ser dispensado por não mais valer.

Que bom que a discussão está rolando...

Abraços!

Eduardo

Kátia Macabu De Sousa Soares
Eduardo Bartolomeu escreveu:

A questão do "quem é o profissional que "pode" trabalhar teatro na escola" gerou boas discussões em umas das mesas de debate no "Rumos para o Teatro Infantil" no ano passado, realizado no Centro Cultural São Paulo. Tenho a oportunidade de trabalhar como ator e como educador de teatro e acho que uma coisa aproxima, completa a outra. Ingrid Koudela manifestou neste encontro sua discordância sobre a segmentação do curso de Teatro: Licenciatura e Bacharelado. Concordo com ela, pois antes de se pensar nisto, devemos pensar que a formação é para a Pessoa de Teatro, que, apaixonada pela sua arte, poderá ter habilidade para ensiná-la ou não. Não consigo entender como é possível alguém ser só professor de teatro sem nunca ter tido vivência em teatro. Não cabe na minha cabeça, porque por mais que se leia, se estude, é no sobe e desce de escada, no suor da maquiagem escorrendo no rosto, que a gente confronta o que lê nos livros e assim vai construindo o nosso próprio fazer. 

Quanto ao teatro utilitário, compartilho a posição de que o teatro utilizado como simples instrumento não oferece a ninguém a oportunidade de conhecer de fato o que é teatro. Como instrumento que é, pode a qualquer hora ser dispensado por não mais valer.

Que bom que a discussão está rolando...

Abraços!

Eduardo

Eduardo,
Concordo plenamente com seu posicionamento!
Creio que às vezes por desinformação ou pouco trabalho de pesquisa, muitos professores tenham a tendência de utilizar o teatro como instrumento para o prrocesso ensino-aprendizagem de outras disciplinas. Isso é danoso para o Teatro enquanto uma área de conhecimento que precisa ser vista com o valor devido, bem como o ensino de Português ou Matemática. Se bem que que o Teatro me parece mais completo, enquanto formador humanístico.
Mas não podemos nos angustiar quanto a isso. Estamos num processo educacional e cultural   e como tal sabemos ser necessário muito tempo ainda para a Arte de modo geral obter o devido reconhecimento por parte da escola.
Acho que é isso!
Kátia
Ivana Bahls
José Simões de Almeida Junior escreveu:

Bom dia a todos

Gostaria de propor a leitura dos livros de Viola Spolin sobre o Jogo Teatral e também de Ingrid Koudela, sobre o mesmo tema.

Além disso existe uma vasta produção acerca da pedagogia do teatro sendo elaborada em várias universidades, entre elas a USP, UFBA, UDESC, entre outras. Muitas delas disponibilizam esse material por meio de suas bibliotecas on line.( teses e dissertações)

Destaco, também, o GT Pedagogia do Teatro&TEatro na Escola da ABRACE . Importante grupo que reune os pesquisadores da área

Já foi disponibilizado o último volume on line das comunicações apresentadas no último congresso em 2006, no Rio de Janeiro.

O próximo cogresso será em outubro em Belo Horizonte.

Algumas inquietações:

1- tenho discutido com meus colegas que o teatro não é uma linguagem da arte. Ele é arte. Que tal denominação de "arte e suas linguagens" nos leva a entender que o conhecimento da Arte só poderia ser atingido SE conhecessemos todas as linguagens. Portanto, carrega a noção de arte como  estrutura polivalente. Quem faz teatro faz arte.

2- a segunda questão é saber qual o conceito de linguagem que estamos utilizando?

3- a terceira questão é o teatro como ferramenta. É preciso estar atento. Senão vamos acabar desenvolvendo o conceito de um teatro utilitário.

4- Existe muita preocupação dos professores em como fazer. Eu, todavia, penso que antes é preciso discutir a formação desse professor. Os cursos de licenciatura estão focados para o ensino de teatro? Os componentes pedagógicos estão adequados com a realidade escolar? Qual o posicionamento sobre aqueles professores que nunca discutiram sequer uma teoria vinculada à pedagogia do teatro e desenvolvem em sala de aula um teatro autodidata? por fim; qualquer pessoa pode dar aulas de teatro somente por ter feito teatro?Ou por que é ator? e a especificidade da pedagogia teatral?

5- Por fim, penso que o Teatro não é o lugar onde tudo pode. O teatro tem seus pre requisitos cenicos, espetaculares e espaciais.

um forte abraço a todos

jose simoes


Concordo em alguns pontos com o que o Sr.José Simões de Almeida Júnior vem a dizer sobre o teatro na escola, quanto a necessidade de uma didática aplicada a esse ensino. As indicações de bibliografia também são de grande valor.

Porém consigo sim ver o Teatro sendo uma linguagem das artes. Seria inviável compará-lo à música por exemplo, por mais que o teatro se utilize desse elemento. Trato-o como linguagem para destacá-lo em suas especificidade.

Discordo do uso do Teatro como ferramenta, Teatro é, acima de tudo, conhecimento, e por ser conhecimento deve ser tratado como tal.

Eu sou professora de ensino fundamental e médio no Paraná, formada em um curso de Arte Educação. Um curso que para muitos pode ser visto como “Polivalente”, pois durante a faculdade foram trabalhado quatro linguagens de arte, sendo elas música, artes visuais, dança e teatro. Posso entender sim, que a arte é um fenômeno único, que acontece de várias maneiras. Um apanhado geral facilita muito o ensino do Teatro, assim como o teatro facilita o ensino de outras linguagens.

E deve-se levar em conta a arte contemporânea e o teatro pós dramático, como forma de ensino e aprendizado....

Eduardo Bartolomeu
Ivana Bahls escreveu:
José Simões de Almeida Junior escreveu:

Bom dia a todos

Gostaria de propor a leitura dos livros de Viola Spolin sobre o Jogo Teatral e também de Ingrid Koudela, sobre o mesmo tema.

Além disso existe uma vasta produção acerca da pedagogia do teatro sendo elaborada em várias universidades, entre elas a USP, UFBA, UDESC, entre outras. Muitas delas disponibilizam esse material por meio de suas bibliotecas on line.( teses e dissertações)

Destaco, também, o GT Pedagogia do Teatro&TEatro na Escola da ABRACE . Importante grupo que reune os pesquisadores da área

Já foi disponibilizado o último volume on line das comunicações apresentadas no último congresso em 2006, no Rio de Janeiro.

O próximo cogresso será em outubro em Belo Horizonte.

Algumas inquietações:

1- tenho discutido com meus colegas que o teatro não é uma linguagem da arte. Ele é arte. Que tal denominação de "arte e suas linguagens" nos leva a entender que o conhecimento da Arte só poderia ser atingido SE conhecessemos todas as linguagens. Portanto, carrega a noção de arte como  estrutura polivalente. Quem faz teatro faz arte.

2- a segunda questão é saber qual o conceito de linguagem que estamos utilizando?

3- a terceira questão é o teatro como ferramenta. É preciso estar atento. Senão vamos acabar desenvolvendo o conceito de um teatro utilitário.

4- Existe muita preocupação dos professores em como fazer. Eu, todavia, penso que antes é preciso discutir a formação desse professor. Os cursos de licenciatura estão focados para o ensino de teatro? Os componentes pedagógicos estão adequados com a realidade escolar? Qual o posicionamento sobre aqueles professores que nunca discutiram sequer uma teoria vinculada à pedagogia do teatro e desenvolvem em sala de aula um teatro autodidata? por fim; qualquer pessoa pode dar aulas de teatro somente por ter feito teatro?Ou por que é ator? e a especificidade da pedagogia teatral?

5- Por fim, penso que o Teatro não é o lugar onde tudo pode. O teatro tem seus pre requisitos cenicos, espetaculares e espaciais.

um forte abraço a todos

jose simoes


Concordo em alguns pontos com o que o Sr.José Simões de Almeida Júnior vem a dizer sobre o teatro na escola, quanto a necessidade de uma didática aplicada a esse ensino. As indicações de bibliografia também são de grande valor.

Porém consigo sim ver o Teatro sendo uma linguagem das artes. Seria inviável compará-lo à música por exemplo, por mais que o teatro se utilize desse elemento. Trato-o como linguagem para destacá-lo em suas especificidade.

Discordo do uso do Teatro como ferramenta, Teatro é, acima de tudo, conhecimento, e por ser conhecimento deve ser tratado como tal.

Eu sou professora de ensino fundamental e médio no Paraná, formada em um curso de Arte Educação. Um curso que para muitos pode ser visto como “Polivalente”, pois durante a faculdade foram trabalhado quatro linguagens de arte, sendo elas música, artes visuais, dança e teatro. Posso entender sim, que a arte é um fenômeno único, que acontece de várias maneiras. Um apanhado geral facilita muito o ensino do Teatro, assim como o teatro facilita o ensino de outras linguagens.

E deve-se levar em conta a arte contemporânea e o teatro pós dramático, como forma de ensino e aprendizado....


Compartilho desta opinião de que teatro é linguagem sim e não acho que isto seja diminuí-lo. Por mais que a Música, a Dança, o Teatro e as outras formas de manifestação artística estejam ligadas quase que por cordão umbilical, é necessário observarmos que existem algumas fronteiras que delimitam algumas linguagens, até porque se jogarmos tudo no mesmo balaio, talvez enquanto educadores não consigamos ter organização metodológica do trabalho. Confesso que apesar de trabalhar em uma oficina que o foco é a aprendizagem teatral, adoro e acho muito importante cantar e dançar com os alunos. Aproveitando que surgiu o assunto linguagem e relação entre linguagens da arte, aproveito para destacar que considero muito valioso utilizar nas oficinas de teatro, a cultura popular como combustível para o aprendizado. É muito indispensável valorizar a teatralidade da cultura brasileira inserida nos brinquedos populares e nas diversas manifestações existentes.


Carlos Cartaxo

Marcia

Com base na teoria do construtivismo e respeitando a evolução do pensamento da criança, nessa faixa etária que você citou não é aconselhável se trabalhar com a expressão do teatro, mas com atividades lúdicas e, posteriormente, com jogos dramáticos tendo em vista que a criança ainda está na fase perceptiva se aproximando  da fase cognitiva,  mas ainda não tem um pensamento cognitivo constituído, maduro ou consolidado.

É bom lembrar que atividade lúdica, jogos dramáticos e teatro são diferentes, pois cada um apresenta um processo pedagógico determinado com forte influência na construção do pensamento da criança.

Ver mais em O ENSINO AS ARTES CÊNICAS NA ESCOLA FUNDAMENTAL E MÉDIA de minha autoria e as obras de Vigotsky e Piaget.

Bom trabalho e sucesso.

Carlos Cartaxo

http://carloscartaxo.multiply.com

http://carloscartaxo.spaces.live.com/

MARCIA BRITO DA SILVA MELO escreveu:

Trazer o tema para este fórum foi muito importante , sou coordenadora pedagógica em uma escola de educação infantil na rede municipal de São Bernardo do Campo, SP, e trago algumas questões que talvez um de vocês com formação específica possam me ajudar, como realizar um trabalho utilizando esta linguagem com crianças na faixa etaria entre 2 a 6 anos? Um abraço



Carlos Cartaxo

A dissertação deve ser muito intressante porque a professora Gerhart é muito boa!

CC

Ana Maria Petraitis Liblik escreveu:

Notícia da boa!  A professora Gerhart, aturando agora no pólo UFPR, em Curitiba, prometeu ceder uma cópia da sua dissertação de mestrado para publicação neste site, no link Pesquise!  Agora é só aguardar...


Idelma Frenandes De Lima Prado
Gostaria de saber como trabalhar a questao do teatro vivo na escola de Ensino fundamental .Se nao temos uma teatro na cidade,Como desenvolver a criatividade se os alunos nao conhece um teatro.Gostaria muito de desenvolver esta aptidao nos alunos.
Carlos Cartaxo
Idelma Frenandes de Lima Prado escreveu:
Gostaria de saber como trabalhar a questao do teatro vivo na escola de Ensino fundamental .Se nao temos uma teatro na cidade,Como desenvolver a criatividade se os alunos nao conhece um teatro.Gostaria muito de desenvolver esta aptidao nos alunos.

Idelma

Não existe fómula, existe leitura, conhecimento, aprendizagem, experimento. Eu coloquei a bibliografia de um livro meu que pode contribuir com seu trabalho, veja um pouco abaixo.

Bom trabalho e sucesso!

Alessandra Matos Pereira

Adorei o fórum. Sou mediadora de um grupo de contadores de história, o grupo ganhou mais visibilidade quando encorpamos o teatro como uma das potencialidades para o dinamismo das histórias. Convidamos uma professora de teatro para colaborar nos jogos teatrais,  laboratório corporal e vocal das crianças e adolescentes. Para isso acontecer tivemos muitas dificuldades, pois os professores tem o teatro como um suporte artístico, não como uma atividade artistica cientifica que ajudará no processo de desenvolvimento dos alunos(as). 

Alessandra Matos

Altamira - Pa

4537 visualizações | 47 respostas Faça login para responder