Forum
Sandra Avellar Gomes De Oliveira

Janice,Wilson,Lucia,Emanuele,e tantos outros....

Assim como vocês,caros colegas ,fiquei muito desapontada com a exclusão do prêmio para a categoria Fundamental II !

Nós nos enchiamos de orgulho e satisfação a cada etapa vencida e apostavamos neste incentivo cegamente,certos de que os nossos nomes não estavam ali por acaso!

Merecemos sim,uma explicação!

Uma instituição tão séria quanto esta ,não deveria correr o risco de perder a sua credibilidade !!!!

Um forte abraço

Sandra Avellar

Manon Toscano Lopes Silva Pinto

Queridos colegas:

Desculpem-nos por não poder ter estado com vocês durante este período. Mas estivemos envolvidos na apresentação da 1a parte de nosso projeto que diz respeito a interculturalidade e defesa do meio ambiente - A jornada do 'escravo' Eliseu. Não possuo computador nem internet e como técnica em assuntos educacionais do INSS (infelizmente meu concurso para o MEC me colocou em um órgão que não foi a minha meta mas, enfim, estou aqui) não trabalho diretamente com a arte mas de forma indireta. Eu e o colega Isaac, ambos professores de educação física, ele também estudante do curso de teatro da UFBA e eu, professora de dança da UNIRB e do CMS, como podem ver são servidores públicos mas não deixamos a arte de lado. Não sei que milagre realizamos mas inserimos colegas do curso de educação transdisciplinar, mães de alunos, professores e militares, alunos do curso de educação física, uma associação ONG-camelot, localizada em Amaralina que recebe os alunos de 5 estabelecimentos estadual e municipal do fundamental I, II, vinculados ao EJA Pois bem, são alunos que estão na faixa dos 4 aos 60 anos, alguns portadores de necessidades especiais. Trabalhos de forma inter e transdisciplinar nas oficinas de montagens de textos, sonoplastia, figurinos e adereços e acaba se tornando pequenas, médias e grandes poduções. Algumas dão certo, outras dão errado porque o carro-chefe é o CMS e como colégio militar há um fluxo grande de saídas e chegadas de autoridades e chefias. Isso prejudica nosso trabalho mas com a forma afoite com que nos lançamos no IX pr~emio, conseguimos, pelo menos, de forma feliz, chegar a um possível 5o lugar na final já que esse é o lugar que o número de finalistas no EJA são 5. Tentamos e saímos vencedores, no nosso entendimento porque até a emissão dos documentos foi extremamente dificultosa com a greve dos correios e o feriado prolongado em salvador.

Com essas palavras queremos agradecer aos organizadores do evento e nos comunicar diversos fatores que podem melhorar nosso trabalho no estabelecimento de ensino e nos dar uma diretriz sobre em que categoria, de fato, estaríamos, já que nosso pretensão é ampliar nosso projeto, ainda mais. Fizemos questão de inscrever no EJA porque a mioria dos alunos envolvidos estavam na faixa além dos 18 anos e porque muitos pertencem á rede estadual e municipal, estudantes do curso noturno e que estão conosco porque o CMS está abraçando a causa de amparar esses alunos já que é difícil contarmos com o apoio do governo para projetos dessa monta.

mais uma vez agradecemos e contamos estar presentes no próximo evento com a mesma motivação que nos fez passar horas na montagem desse material tão diversificado quanto o nosso.

Bjos e parabéns aos demais vencedores.

Manon Toscano 

Rosane Mari dos Reis
ROSANE MARI DOS REIS escreveu:

Obrigada Deus!

Oi Sônia! Que bom dividirmos esta alegria... Com certeza temos a mesma visão sobre a capacidade de aprendizagem dos pequenos... por isso chegamos juntas até aqui. Parabéns e parabéns também aos demais colegas vencedores. Nos encontramos todos em Goiás...até lá!

Parabéns também a todos os participantes que acreditam fielmente no seu trabalho e que batalham dia-a-dia na busca da qualidade na educação de seus alunos, superando obstáculos e todo tipo de desafios. Um abraço e fiquem com Deus.

É isso aí prof.ª Rosane Mari...

Chegamos juntas ao final e isso demonstra que temos algo em comum: acreditamos em uma educação de qualidade na Educação Infantil.

Parabéns!

Nos veremos em Goiás.





Lucia Lopes Da S. Altelino
Boa tarde.... eu sou a amiga da Lucia, que participou deste evento, e estou na incômoda situação do Ensino Fundamental II.
Assim que soube do resultado, liguei para o nº disponibilizado no "fale conosco" e fiquei ainda mais surpresa com as explicações prestadas...."a comissão julgadora e os organizadores não encontraram nesta modalidade um trabalho de referência nacional para ensino fundamental II....", achando estranho, encaminhei um email, pelo "fale conosco", tentando entender se realmente, dentre os 48 trabalhos finalistas (quase a metade dos trabalhos), não existiu mesmo algum que tenha apresentado " um trabalho de referência.....".  Achei que seria a modalidade mais concorrida, e fico muito contente pelos outros professores contemplados, pois vocês mereceram de fato, e eu gostaria muito que em Ensino Fund. II também fosse possível ficar feliz, até para  nos próximos trabalhos, termos a chance de ver os trabalhos bons do concurso anterior. Infelizmente, para o próximo concurso, não haverá referência neste sentido.
Acabei de chegar do trabalho e não encontrei ainda uma explicação da organização, que, embora soberana, dada a repercussão negativa deste fato, poderia esclarecer a situação a todos, em um processo de clareza e respeito aos profissionais.Não sei se o regulamento foi claro, se eu não o entendi, se houve alguma mudança, prevista e na qual não tenha prestado atenção,mas seria interessante, mesmo não constando de regulamento, que pudessemos saber da menção honrosa, e até uma classificação dos trabalhos, de forma a tornar pública a lisura do processo, esclarecendo nossas dúvidas e não comprometendo a confiança que depositamos neste trabalho.
Agradeço a oportunidade de participação  e de aprendizagem  ...é o  1º trabalho que inscrevo neste site......Até uma outra oportunidade, um grande abraço aos finalistas e muito obrigado àqueles que compreenderam nossos sentimentos, socializando suas idéis por este espaço (fórum)!
Professora Evelyn Maria.
Léa Leite David

Começo a escrever a notícia para o nosso site, sobre a classificação da Profª Evelyn Guerra, da EE Monteiro Lobato, em nossa Diretoria de Ensino, entre as finalistas do Prêmio Arte na Escola, na categoria Ensino Fundamental - Ciclo II e não consigo concluí-la, porque não tenho como informar que o concurso foi finalizado sem premiação nessa categoria.

Olho o regulamento e ainda não consigo nenhuma explicação, mesmo que impessoal , e penso em concluir a notícia informando que "inexplicavelmente, o concurso não premiou nenhum finalista classificado na categoria da professora", mas penso que ficará estranho , incompleto e, acima de tudo, injusto com todos os finalistas e com a própria instiuição que coordenou o prêmio.

Assim, além de deixar aqui o meu protesto por este desfecho, insisto em saber as razões ( dentro do regulamento, é claro)  que o motivaram .

Léa Leite David - Supervisora de Ensino - D.E. de Taubaté/SP

Mirca Izabel Bonano

Caríssimos professores

Boa Noite!

Agradeço a todos as carinhosas e meigas palavras de reconhecimento do trabalho desenvolvido pelo Instituto Arte na Escola.

Além de parabenizar os professores que participaram conosco de todas as etapas do IX PAEC, tenho a missão de transmitir um breve relato do trabalho da Comissão Nacional de Avaliação:


"A Comissão Nacional de Avaliação do IX Prêmio Arte na Escola Cidadã, instância máxima de julgamento dos projetos, respeitosamente parabeniza todos os educadores que participaram desse concurso.

Apresentaremos uma pequena síntese dos argumentos gerados pela discussão na análise dos 103 projetos finalistas do IX PAEC, mais especificamente no que se refere a não premiação da Categoria Ensino Fundamental II.

Os critérios de avaliação do IX PAEC foram os publicados em regulamento e serviram como norteadores em todas as instancias de avaliação, sendo estas:

Fase 1 - leitura e análise do relato eletrônico realizada pela comissão local do Pólo Arte na Escola indicado na inscrição;

Fase 2 - análise da documentação comprobatória enviada pelos concorrentes, realizada pelas quatro comissões regionais, que garantiram a diversidade de contexto cultural e educacional brasileiro.

A Comissão Nacional de Avaliação é a ultima instância de análise e julgamento. Sua tarefa principal é decidir se há entre os projetos concorrentes por categoria um que se destaque qualitativamente a ponto de ser indicado para receber um prêmio. O critério principal, norteador do julgamento da Comissão Nacional, foi a eleição de projetos modelares, que pudessem ser exemplo para o país inteiro.

Não resta dúvida que alguns dos projetos são muito bons, ótimos, merecendo ser premiados pela tentativa de fazer o melhor em suas cidades, diante das dificuldades enfrentadas. Contudo, para escolher um, que sirva de referência nacional, é preciso que este tenha muita coerência e pertinência em todas as etapas. A comissão desejava imensamente premiar nas diversas categorias, mas não foi possível. Não é a primeira vez que isso acontece. Nas versões anteriores, especificamente no ano de 2007 não houve premiação para projetos de Educação Infantil.

Considerando os critérios expostos no regulamento, não premiamos na Categoria Fundamental II porque nos deparamos com os seguintes "entraves", identificados a partir da leitura e análise dos projetos:

·        Projetos que não fazem conexão com a arte. A comissão julga a arte imprescindível em projetos de ensino de Artes. É um dos principais momentos no qual ocorre a ampliação dos horizontes dos alunos e efetivação da cidadania cultural, entendida como o "fazer" junto com a informação cultural;

·        Projetos com temas muito abrangentes, com problemas de delimitação;

·        Projetos que prometem ações pedagógicas, mas não comprovam o processo;

·        Projetos que não explicam o motivo e a pertinência de determinadas atividades;

·        Projetos que exploram o fazer inicial dos alunos, confrontam com outras produções culturais, mas não ampliam os conhecimentos em Artes identificados no fazer inicial;

·        Projetos que descuidam do registro visual comprovador do processo e que não documentam sua prática de forma clara e contextualizada;

·        Projetos sem procedimentos de avaliação explícitos;

·        Projetos com dificuldade de mobilização da comunidade e da escola, que não garantem uma ação cidadã;

·        Projetos com incoerência entre objetivos e procedimentos metodológicos;

·        Projetos que esquecem, abandonam e desvirtuam do problema principal que motiva o projeto,  não partem de problemas, de necessidades, de observações, da visualidade que circunda o cotidiano dos alunos;

·        Projetos com propostas impostas, sem diálogos com os alunos, não considerando estes como co-autores de suas práticas;

·        Projetos com foco maior nas técnicas em detrimento das articulações com a arte, a apreciação, o fazer e a contextualização;

·        Projetos desenvolvidos como atividade extracurricular, ou no contra turno, o que o desclassifica automaticamente;

Relatamos aqui um conjunto de problemas detectados nos projetos de Ensino Fundamental II, não cabendo a esta comissão um retorno pontual a cada professor, mas sim, uma sugestão ao Instituto Arte na Escola que consiste em preparar os Pólos da Rede Arte na Escola para a realização de uma programação específica de formação continuada, de modo a expor tais entraves e apresentar alternativas para os professores no ano de 2009."

Grande Abraço,

Mirca Bonano

Wilson Ferreira Da Silva Junior

Olá Sra Mirca!

Primeiramente, não soa bem uma educadora usar palavras irônicas, para não chamar de sínicas, como a senhora fez. Não são palavras meigas e carinhosas, são palavras ríspidas de pessoas que se sentem desrespeitas pelos organizadores do concurso.

Segundo, a senhora listou aqui ínumeros problemas que levaram a comissão a não eleger um vencedor, pois bem, o que me causa estranhesa é que se vocês observaram tantos defeitos, porque classificaram 48 projetos para a final? isso no mínimo é muito estranho, para não falar que vocês avaliam muito mal.

Terceiro, me causou muita estranhesa também, apenas 05 trabalho na categoria EJA terem passado pra fase final, ou os trabalhos que vocês receberam foram péssimos, ou vocês, assim como os governos que temos, não se importam com a educação de jovens e adultos.

E por fim, suas palavras finais jogando a responsabilidade da não premiação, no fracasso na formação dos profissionais em Arte, é no mínimo desrespeitosa, para não dizer ofensiva, e cabe a nós, educadores, professores de Arte, saber selecionar melhor os sites e projetos educacionais ao qual nos relacionamos, pois não queremos questionar o que achamos errado e no final ainda sermos chamados de burros como a senhora fez.

Lamentável uma atitude dessa, vinda de uma profissional tão inteligente e experiente, esperavamos apenas um esclarecimento.

abraços

Wilson Ferreira

Evelyn Maria De Sousa Tomy Guerra

Prezada  Mirca

Agradeço por tentar esclarecer as dúvidas. Acredito que em edições passadas isso não aconteceu, daí toda a polêmica.

Devo parabenizar a todos que chegaram na etapa final do processo na Categoria Ensino Fundamental II, pois isso reflete que, mesmo com alguns "entraves", as comissões consideraram os projetos adequados, sendo um indicativo de que, pelo menos a princípio, os trabalhos estavam no caminho certo. Agora, todos os envolvidos poderão observar em seus trabalhos a existência ou não dos entraves, a título de aprendizado pessoal.

Para os próximos eventos, no entanto, coloco como sugestão:

- Regulamento melhor redigido, com atenção aos detalhes que devem estar previstos e, principalemente, o que se refere a "referência nacional", quais os objetivos a que se destina a "referência", de forma clara, objetiva e transparente. Devido às críticas deste ano, talvez  não esteja bem claro e um concurso dessa magnitude deve prever a existência de dúvidas em detalhes.

- Determinar, por regulamento, equipe específica para atendimento ao público, evitando desgastes.

- Estabelecer, em regulamento, a determinação de que, trabalhos fora dos parâmetros de referência nacional possam ser valorizados, não deixando lacunas em um universo tão rico de possibilidades.

- Integração entre as comissões que, adotando os mesmos critérios, evitariam posições antagônicas entre esferas de seleção regional e nacional.

Finalizando, parabéns aos colegas pois independente das dúvidas e questionamentos, alcançaram sucesso em suas aulas e a valorização da auto-estima dos alunos, que, sem dúvida, representam a melhor parte do sistema educacional.

Um especial abraço a todos!

Valeu pelo aprendizado e exercício de cidadania.

Profª Evelyn Guerra 

Lucia Lopes Da S. Altelino

Boa noite a todos!

Agora eu entendo perfeitamente que existia a possibilidade da não premiação, mas o  lugar vago... o vazio... a ausência de um ganhador me leva a pensar e pensar com o coração, a alegria de todos os finalistas esperando pelo dia 30  e esperando encontrar um nome que pudesse representar e representar bem cada modalidade, a decepção sim ao encontrar um outro nome, mas esta decepção seria tão pouca perante a alegria de outro professor... o humano de cada um de nós é capaz de superar a pouca decepção de não ganhar e oferecer ao ganhador toda a glória que um parabéns sincero pode oferecer e isto seria motivo de satisfação e dever cumprido para todos, que teriam no trabalho premiado um fator de motivação e superação de dificuldades e pequenos erros, que trabalhos finalistas devem conter. Somos humanos e que bom que o site disponibilizou este espaço para alguns mais afoitos poderem expressar suas opiniões, e, porque somos humanos, devemos pensar não só que foram projetos com tantos erros, mas que foram projetos que foram pensados e transferidos para a vida escolar de cada aluno participante e isto já é um prêmio, cada aluno que colocou um pedaço de sua vida, um pedaço de sua história, já deu a cada professor finalista seu prêmio mais do que merecido, Você já recebeu o Prêmio. Eu, como já disse, não participei do projeto, mas acompanhei cada detalhe pensado e planejado com todo o cuidado e atenção e não julgo a comissão e nem o site... só defendo que num mundo tão desumano, em uma profissão já tão carente de alegrias em que precisamos acordar e pensar que vale a pena buscar o melhor pelo nosso aluno, seria importante que houvesse um pouco mais de atenção também para que a motivação persista e que todos ganhem: em aprendizado, em dedicação, em profissionalismo para que a melhora ocorra em todos os processos que envolvam educação.

Agradeço a grande oportunidade e me perdoem o atrevimento.

Profª Lucia

Andreza Cristina Teixeira

olá!

Gostaria de saber sobre a menção honrosa?

Obrigada, Andreza

Flávia Costa

Acredito que não terá meção honrosa, nem muito menos 2º lugar.

Eu e todos aqui em Pernambuco estamos decepcionados com o Arte na Escola! Eu tinha entendido que o prêmio seria para valorizar o trabalho do professor de artes e não para encontrar algum que fosse referêcia nacional! Premiar o melhor trabalho seria o mais justo.

Caros professores, acredito que nossas opiniões aqui no forum não adiantará de nada. Temos que procurar outra forma para reparar a contradição, falta de consideração e respeito pelo nosso trabalho.

Atenciosamente,

                                Flávia.

Mirca Izabel Bonano
 

Caros professores,

Como um fórum aberto à participação e à discussão de todos, em caráter democrático, estamos atentos às manifestações e procuraremos dar atenção devida e respeito a todas as sugestões apontadas. Temos certeza que é por meio do exercício do diálogo que podemos nos conhecer, nos reconhecer e conviver para melhorar a nossa prática.

Como coordenadora do IX Prêmio Arte na Escola Cidadã, que acompanhou os processos de seleção em todas as instâncias, gostaria de explicitar que a decisão de não premiar uma determinada categoria é sempre um momento de angústia para a Comissão de Avaliação Nacional do Prêmio Arte na Escola Cidadã. Como em 2007 - em que tal situação se manifestou concretamente, no caso, em relação à categoria Educação Infantil - este ano, não premiar a categoria Ensino Fundamental II, foi, igualmente, uma decisão difícil. Decisão discutida pelo grupo que compôs a Comissão de Avaliação Nacional. Grupo este de renomados especialistas na área de Arte, como poderá ser conferido no documento que postamos em anexo. Coube à Comissão Nacional eleger, dentre os vários finalistas, aqueles que se destacaram segundo os critérios de avaliação do Prêmio. Queremos ressaltar que as Comissões (Regionais e a Nacional) são autônomas em suas decisões. Isso garante a legitimidade do concurso.

Esperamos que todos os professores finalistas de 2008, bem como todos os demais que se inscreveram, estejam conosco em 2009!

Abraços a todos.

Mirca Bonano

Wilson Ferreira Da Silva Junior

Fico muito triste em saber que uma instituição que me parecia referência nacional, valoriza tanto o professor de Arte quando as organizações governamentais.

Classificaram para a final 05 trabalhos em EJA, não divulgaram a mensão honrosa, tiraram o prêmio na categoria Ensino Fundamental II, enfim, falta de respeito foi pouco o que vocês fizeram.

Sinto muito pelos professores que acreditaram estar participando de um concurso sério, fico triste pelos alunos, que se frustaram de ver SEUS projetos descartados, parabenizo o Arte na Escola, que graças a nós, agora está com o acervo cheioooo de bons projetos e tiro meu time de campo, na certeza que em 2009 não cometerei o erro de acreditar em vocês.

abraços

Wilson Ferreira

Elisete Pickler Barbieri

Olá!

 Também fiquei indignada com a NÃO PREMIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL II, no mínimo deveriam dar uma explicação pessoal a cada projeto classificado nesta categoria.

Estou aguardando...

Se não vou pensar e fazer das palavras do Sr Wilsom Ferreira as minhas:

"Tenho pena dos colegas que enviaram seus portifólios acreditando estarem participando de um concurso sério, quando na verdade apenas colaboraram com o acervo do pessoal do Arte na Escola!!!"

Abraços,

Elisete

  

Mirca Izabel Bonano

Caros Professores,

 

Gostaria de reforçar a importância deste espaço democrático de discussão, aberto às manifestações. Isso determina um ambiente de diálogo importante, que possibilita ouvir e, sobretudo, acatar sugestões.

Nossa intenção é melhorar os procedimentos que compreendem todas as fases do Prêmio Arte na Escola Cidadã, que vem crescendo a cada ano. Isso significa que precisamos ficar atentos às mudanças necessárias para garantir o aperfeiçoamento do processo. Uma delas é a melhoria da redação do Regulamento para maior clareza e transparência em todas as etapas do Prêmio o que inclui as instâncias de decisão. Este fórum nos está possibilitando isso e, desde já, queremos agradecer a todos os professores que por meio deste ambiente estão colaborando com o aperfeiçoamento dos processos.

Compreendemos o quanto não premiar na Categoria Ensino Fundamental II tem sido motivo de insatisfação e isso tem servido de alerta para nós. Alerta igual tem nos provocado o fato de que esta foi uma decisão da Comissão de Avaliação Nacional, que também foi soberana por decidir não atribuir em 2008 nenhuma Menção Honrosa. Ressaltamos que a Comissão de Avaliação Nacional é soberana nestas decisões e seguiu os critérios de avaliação do IX Prêmio Arte na Escola Cidadã.

A Educação é um processo em constante mudança e nos espelhamos nela para também fazer com que estas mudanças venham garantir a melhoria dos processos. Sobre isso, reafirmamos aqui o nosso compromisso em aperfeiçoar a redação do Regulamento de forma que nenhum professor participante se sinta lesado ou prejudicado, em qualquer uma das fases do Prêmio. Que, pelo contrário, seja um entusiasta por também melhorar e aperfeiçoar a sua prática, contagiando mais e mais professores a fazer o mesmo e que, ao final, o Prêmio seja para cada um – sem exceção de NENHUM professor – uma ferramenta de VALORIZAÇÃO e aperfeiçoamento profissional. Pois em última instância é a isso que ele se destina, se dedica e para o qual foi criado.

 Grande Abraço,

 Mirca Bonano 

7822 visualizações | 130 respostas Faça login para responder