Forum
Belmira Amorim Salvador De Paiva
Elizabete fico muito feliz em poder compartilhar esta experiência, com vocês e saber que estamso refletindo sobre o assunto. Obrigado!!! Hoje nós imprimimos mais xilos, daquela turma que fez as músicas, o resultado foi muito bom, inclusive usamos duas cores na mesma placa , por iniciativa dos alunos . foi bárbaro!!! Encrementamos as cores, usamos o rosa (a pedido dos alunos) estou enviado fotos. O próximo passo será o acabamento das xilos e segue em paralelo o desenvolvimento de esboços para peinéis, em equipes, com os temas : Pesssoas atividades realizadas de Dia e de noite. Vamos aguardar. beijos
Belmira Amorim Salvador De Paiva
Fotos de xilogravuras 09/2005 - Tema "pessoas dançando"
Belmira Amorim Salvador De Paiva
foto 10/2005 "pessoas dançando"
Belmira Amorim Salvador De Paiva
Belmira Amorim Salvador De Paiva
Belmira Amorim Salvador De Paiva
foto Xilo com duas cores!!!
Vênera A. Martins De Matos
Belmira, parabéns, as imagens dos trabalhos são dez. Que bacana ver os alunos tão envolvidos. Isso porque eles têm uma arte educadora comprometida , parabéns. Vendo os trabalhos lembrei-me de uma obra em específico da qual sou muito fã "A Dança" de Henry Matisse. Segue como sugestão para você dialogar com o resultado dos trabalhos, e com o material da pasta. Não deixe de colocar o su projeto na galeria de alunos , na sala de aula, assim outros educadores que ainda não conhecem a pasta podem se deleitar com o resultado do seu projeto. Muito legal. Mande aos seus alunos um parabéns bem grande pela motivação , envolvimento e resultado plástico. Até mais
Belmira Amorim Salvador De Paiva
Olá Vênera agradeço muito seus elogios e vou transmitir aos alunos sua mensagem! Ainda não registrei na galeria por falta de tempo. Na segunda vou enviar a fita de vídeo com as colagens musicais pra Eliana espero que voce possa ver também. Acima de tudo estas atividades com as obras da pasta ArteBR , me aproximou ainda mais dos alunos, até mesmo daqueles mais difíceis ; que me ajudaram muito no decorrerde todo esse percurso.Mais uma vez obrigado. beijo. até mais. Ah parabéns pelo novo visual da home page do site.
Eliana Tumolo Dias Leite
Belmira, não se preocupe com o desenho dos alunos, o importante é como eles elaborar a representação e reflexão sobre como é essa representação e linguagem artítica. Fazer relação das obras da pasta com a produção deles é um exercício necessário. Ficou muito legal a xilo que enviou.Parabéns a todos!!
Belmira Amorim Salvador De Paiva
Olá Eliana obrigado!! Quando digo que vamos melhorar é com relação a f inalização e acabamento. O processo esta muito bom. Estamos observando as obras da pasta, questionando e com certeza tendo como referencia para nossas atividades. Beijos pra você, pra Elizabete ,Maria Rosa e todos que estão nos acompanhando..Até mais!!!!
Leda Maria Dos Santos Belo
Oi, meu nome é Leda sou professora de Arte da E.E. Profª Maria Aparecida V. Madureira Ramos da D.E. de São José dos Campos-SP, elaborei meu projeto "Desvelando Arte" apropriando-me do material Arte Br levando em consideração as orientações da Vídeo conferência do dia 02/09/2005, mas ainda tenho dúvidas e gostaria de opiniões e orientações sobre o trabalho que venho desenvolvendo. Já iniciei meu projeto e pude "colher" as mais variadas opiniões quanto a escolha das obras, critérios de escolha que revelam a realidade e o emocional de cada aluno. PROJETO ARTE BR IDENTIFICAÇÃO: a- Título do projeto: “DESVELANDO ARTE” b- Autor do Projeto: Leda Maria dos Santos Belo - RG: 23.705.605-7 c- Escola / Entidade: E.E. Profª Mª Aparecida Veríssimo Madureira Ramos d- Público alvo: 2º ano – Ensino Médio I – PROPOSTA Este projeto busca desenvolver a capacidade de articular conceitos, procedimentos e valores ao exercitar as competência do fazer, fruir e refletir de forma sensível, imaginativa e consciente, desvelando significados estéticos, culturais e históricos, ao apropriar-se dos temas e das imagens dos cadernos Arte BR. Os temas “História e Religião” foram selecionados de forma a consolidar e aprofundar os conhecimentos já adquiridos pelos alunos. As obras: A providência guia Cabral , Noite de São João, Ceia Eucarística e Logotipos poéticos da cultura afro-brasileira dos cadernos Histórias em torno da história e Além do jardim, da pasta arte BR vem de encontro as experiências de apreciação estética ( análise dos elementos objetivos e subjetivos, signos e símbolos de obras da arte brasileira) já vivenciadas pelos alunos em sala de aula. As obras visuais: A mesa de Cristo – José Antônio da Silva, A Última Ceia – Tintoretto, The Las Supper – Lucas van Leyden e Meninos brincando de Ceia larga – W. Virgolino também serão exploradas, assim como as músicas “ Anjos de Deus” de Elizeu Gomes e Warmer Chappell, “Mitã” dos Currumis da aldeia Guarani e “Sahanaa Vavatu” Chants of Índia. II – PERCURSO 1º - Expor para os alunos o objetivo e o conteúdo da proposta e instiga-lo para a realização de um “combinado” onde eles pronunciarão suas idéias e expectativas do tema a ser trabalhado; 2º - Apresentar o tema História e Religião e sua relações intrínsecas, ilustrando e realizando um paralelo com os conceitos já desenvolvidos (Arte no Brasil: Pré-história o “sentido mágico”, Arte Indígena o significado do grafismo nos rituais, a presença dos Jesuítas e a arte de servir a Deus,...), 3º - Expor as obras: “ A Providencia guia Cabral”-Eliseu Visconti, “Noite de São João”-Alberto da Veiga Guignar do Caderno História em torno da história, “Ceia Eucaristica”-Vicente do Rego Monteiro e “Logotipos poéticos da cultura afro-brasileira” do caderno Além do Jardim para que os alunos escolham democraticamente qual obra desejam iniciar as propostas. Após a escolha dispor a sala em círculo e deixar-los manusear a ilustração da obra, observando-a atentamente, após todos observarem conduzir alguns questionamentos: Por que vocês escolheram esta obra? O que mais lhes chamou a atenção? O tema ou a forma que o artista retratou a obra? (estilo, técnica,...) Qual primeira impressão que esta obra lhes causaram? Qual o tema representado? O que vocês já sabem sobre o tema representado? Já conheciam esta obra? Quem é o artista? Quando esta obra foi feita? Como será que o artista fez a obra? (técnica, material, estilo...); 4º - Encaminhar atividades embasadas nas sugestões dos cadernos selecionados do Arte BR, das escolhas e dos “combinados” realizado com os alunos, enfatizando sempre o contexto social e histórico da época da criação da obra; - Atividades de apreciação estética das obras: “ O olho o que vê?” Desenvolver a leitura objetiva da obra, os elementos que a compõem, elementos visuais estruturais (linha, ponto, cor, forma,...) e dos elementos intelectuais (ritmo, textura, volume, perspectiva,...), observar as relações entre os elementos, o título da pintura,... “O olho o que percebe?” Ainda devemos apontar alguns elementos da análise objetiva, elementos intelectuais que transmitem mensagem (cor, volume, expressões nos olhares, gestos, posições dos elementos compositivos, etc.), mas a ênfase será na análise subjetiva da obra (tema, mensagem, espaço, tempo, personagens, etc.); “De olho no artista, no brasil e no mundo”: Instigar alguns questionamentos, Como o artista criou a obra? O que ele remete na obra? O que ele expressa? Porque ele deu importância a essa temática?... “O olho que conta histórias”: Depois da leitura das obras, das construções dos significados descobertos de cada obra, cada aluno deve escrever três frases que sintetizem... “ O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa”: Nesse momento os alunos desenvolverão as atividades do caderno Arte BR referente as ilustrações das obras escolhidas, e atividades complementares sugeridas pelos alunos e elaboradas pela professora; Atividades: - Escolher junto com os alunos uma obra, fazer experimentos dos elementos encontrados, registrar esses elementos gráficos explorando suas possibilidades. Escolher uma elementos visual o qual mais se identificou e criar uma composição; - A primeira Ceia, Um copo vazio está cheio de ar, Caderno Além do Jardim; - Criando Alegorias, Construindo “paisagens imaginantes”, Caderno História em torno da história; “o olhar que dialoga” Os alunos serão estimulados a ampliarem seus conhecimentos explorando outras linguagens: - Teatro: Observando a temática Santa Ceia presentes nas obras: Ceia Eucaristica – Vicente do Rego Monteiro, A mesa de Cristo – José Antônio da Silva, A Última Ceia – Tintoretto, The Las Supper – Lucas van Leyden e Meninos brincando de Ceia larga – W. Virgolino. Os alunos perceberam que cada uma delas apresenta a poética pessoal dos artistas, carregadas de referências de tempo e espaço. Em grupo, utilizando a linguagem cênica, irão criar um jogo teatral que envolva pessoas em torno de uma mesa, representando que são, onde estão e o que fazem. Apresentarão a cena criada para o restante da turma. E a partir da apreciação feita pela platéia, faremos um levantamento dos significados que foram lidos (idéias apresentadas, importância das cenas, valores trabalhados, etc.). Confrontaremos os resultados dos vários grupos e avaliaremos as imagens poéticas como modos singulares de desvelar a proposta (modo único e especial que cada grupo retratou a cena). - Música: Ouvir a música sacra cristã “Anjos de Deus”, Eliseu Gomes e Wagner Chappell, a música do ritual indígena “Mitã” Canto dos Currumin da aldeia Guarani (“Este canto fala que nos primeiros tempos foram deuses crianças que ordenavam e deram forma às coisas existentes nos reinos da natureza. Estes deuses crianças deixaram muitos ensinamentos e guardaram no silêncio dos espíritos das pedras, das folhas, da águas e das montanhas. De modo que para aprende-los temos que nos aquietar e ouvir o silêncio das coisas.”; e a música Sahanaa Vavatu, Ravi Shanker, música do CD Chants of India, são Mantras (fórmula mística de invocação) da tradição do hinduísmo. Depois de ouvir e perceber sensivelmente as variações melódicas das diferentes músicas ouvidas, os alunos deverão expor as sensações experimentadas durante a apreciação auditiva e do significado de cada uma delas para si e em grupo, os alunos deverão imitar os sons registrados na memória auditiva explorando a sonoplastia com uso de objetos e com a utilização dos sons produzidos pelo próprio corpo. Expor as descobertas sonoras aos demais alunos da sala de aula. Ao termino da atividade faremos um levantamentos das idéias apresentadas e dos recursos sonoros explorados. III – METODOLOGIA E CONEXÕES A Metodologia explorada será a Triangular (Fazer, fruir e refletir), posicionamento teórico-metodológico defendido por Ana Mae Tavares Bastos Barbosa, tendo conexões com teorias e sobre semiótica, estética, leitura de obras de arte, elementos compositivos, etc., com o Parâmetro Curricular Nacional do Ensino Médio e com os temas e obras dos cadernos Arte Br. IV – COMPANHEIROS CONCEITUAIS Pensadores: Luigi Pareyson, Lúcia Santaella, M. Heidegger, Susan Woodford, Wassily Kandinsky, M. Martins, Gisa Picosque, M. T. Telles Guerra, M.H.C.T. Ferraz e M.F.R. Fusari, esclarecendo e orientando questões: didáticas, estética, semiótica, elementos compositivos objetivos e subjetivos de uma obra; Artistas: Eliseu Visconti, Alberto da Veiga Guignard, Vicente do Rego Monteiro, Rubem Valentim, José Antônio da Silva, Tintoretto, Lucas van Leyden, W. Virgolino, Eliseu Gomes, Kaká Werá, Obras Visuais: A providência guia Cabral , Noite de São João, Ceia Eucarística e Logotipos poéticos da cultura afro-brasileira, A mesa de Cristo, A Última Ceia, The Las Supper, Meninos brincando de Ceia larga; Musicas: Anjos de Deus, Mitã e Embasamento Teórico: BRASIL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Parâmetros Curriculares Nacionais – Ensino Médio. Brasília: Semtec/MEC, 2002. FUSARI, M.F.R.; FERRAZ, M.H. C.T. Arte na educação escolar. São Paulo: Cortez, 1992. PROENÇA, Graça. História da Arte. São Paulo: Ática, 1996. FERRAZ, M. Heloisa C. e FUSARI, Maria F. de Rezende. Metodologia do Ensino de Arte. São Paulo: Cortez, 1995. MARTINS, M.C.;PICOSQUE, G.;GUERRA, M.T.T. Didática do Ensino da Arte. São Paulo: FTD,1998. BARBOSA, Ana Mae Tavares Bastos. A imagem no Ensino da Arte. São Paulo: Perspectiva, 1994. BARBOSA, Ana Mae Tavares Bastos. Inquietações e mudanças no Ensino da Arte. São Paulo: Cortez,2002. PAREYSON, Luigi. Os problemas da estética. São Paulo: Martins Fontes, 1989. SANTAELLA, Lúcia. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 1983. HEIDEGGER, M. A origem da obra de arte. Lisboa: Edições 70, 1992. WOODFORD, Susan. A arte de ver a arte. KANDINSKY, Wassily. Ponto linha Plano. Rio de Janeiro. Edições 70. V – ARTISTAS ESCOLHIDOS Eliseu Visconti, Alberto da veiga Guignard, Vicente do Rego Monteiro, Rubem Valentim, José Antônio da Silva, Tintoretto, Lucas van Leyden, W. Virgolino, Eliseu Gomes, Kaká Werá e Ravi Shankar. VI – TEMPO DE DURAÇÃO Um bimestre.
Elizabete Lucas Machado
Olá Leda, não poderíamos falar nada antes de parabenizá-la por tamanha sagacidade, profundidade, solidez e consistência em suas colocações. Está aí, algo muito importante que é o projeto bem elaborado, formulado, claro, objetivo. Logo na primeira leitura, ficou muito fácil de entender seu objetivo só não sei onde estão suas duvidas, pois me parece bem coerente, apenas o que me deixa em dúvida é a questão tempo. Você conseguiu programar as aulas, terá o número de aulas em um bimestre para todas essas atividades, incluindo a realização dos trabalhos visuais? Realmente o tema “História e Religião” está muito próximo do aluno,desde seu convívio familiar, na mídia, nos grupos de amigos, cada qual com seus interesses, fornecem um amplo campo para discussão (dá pano para manga). Como você já desenvolveu um trabalho sobre Arte no Brasil, seu aluno está munido de conceitos que você poderia linkar com aspectos do cotidiano. Fazendo uma leitura mais reforçada sobre a Religião e a Mídia” (as Igrejas que usam desse meio de veiculação para captar fieis, mesmo a “Tradicional Igreja Católica”, como elas se apropriam das qualidades e defeitos desses meios e sua influencia nos espectadores). Também gostaria de reforçar algo que você deixa claro que irá fazer, é a leitura das obras. Fique o quanto tempo for necessário nesse ponto de seu trabalho, ele é fundamental. Como já falou, os alunos vão manusear as obras observá-las com atenção e tempo, e depois capriche no passo a passo da leitura. Sei que coloca a metodologia triangular de Ana Mãe Barbosa como base para leitura da obra, mas vou lhe indicar o livro da Drª que coordenou o material arte Br e tem informações essenciais (a mesma filosofia) para o aprofundamento da leitura de obras. - - Buoro, Anamélia Bueno. Olhar em Construção. Cortez Editora. Trabalhamos há quase 10 anos baseado na metodologia da Anamélia. Não se esqueça de relatar tudo o que está acontecendo em suas aulas. Peça para seus alunos escreverem (relatarem) tudo o que estão vivenciando, esse material pode ser aproveitado até por outra disciplina como português. Ele também pode ser exposto, rediscutido... Depois do término das atividades para exposição, volte a fazer uma outra leitura dos atrabalhos dos próprios alunos. Você verá um retorno até inesperado, fantástico. Muitos dos livros que você propõe para embasamento teórico acredito serem bem profundos e reflexivos, mas difíceis, como: PAREYSON,. Os problemas da estética. SANTAELLA O que é semiótica. HEIDEGGER, A origem da obra de arte. As músicas escolhidas estão perfeitas, você está propiciando a esse aluno, contato com o desconhecido, com o “Belo”, está decantando o que está latente, PARABÉNS! Não caiu na mesmice, ao contrário está dando oportunidade para uma das mais elevadas formas de cultura, lazer e expressão dos vários sentimentos e emoções que podem traduzir a tradição cultural de um povo. Um texto lindo de Kahlil Gibran – O Profeta, Editora Nova Alexandria. na pg 91 E pediu um velho sacerdote: “Fale-nos da RELIGIÃO” Ele disse: “Tenho por acaso falado de outra coisa hoje? Não é religião todos os atos e toda reflexão, mas assombro e surpresa sempre manado na alma, mesmo quando as mãos talham a pedra ou manejam o tear? Quem pode separar a fé das ações, ou a crença das ocupações? Quem pode espalhar as horas diante de si, dizendo: ‘Esta para Deus, e esta para mim mesmo; esta para minha alma, e esta outra para meu corpo? Todas as suas horas são asas que batem pelo espaço de um eu a outro eu. Aquele que ostenta a moralidade apenas como sua melhor roupa, melhor faria se estivesse nu. O vento e o sol certamente não abrirão buracos em sua pele. E aquele que determina a conduta pela ética, aprisiona a ave canora numa gaiola. A canção mais livre não sai de trás de barras e cercas. E quele para quem a adoração é uma janela.que se pode abrir mas também fechar, ainda não visitou a morada da própria alma, cujas janelas se estendem de aurora a aurora. Seu dia-a-dia é seu templo e sua religião Sempre que nele entrarem, levem com vocês tudo o que têm e são. Levem o arado e a forja, o taco e o alude, objetos que fabricaram por necessidade ou para o deleite. Pois em devaneio vocês não podem, elevar-se acima das próprias realizações, nem descer abaixo dos próprios fracassos. E levem consigo todos os homens; Pois em adoração vocês não podem voar mais alto que as esperanças dos homens, nem rebaixar-se abaixo do desespero dos homens. E se desejam conhecer Deus, não se preocupem em deslindar enigmas. Mas olhem em torno o O verão brincando com seus filhos. E mirem o espaço, e O verão caminhando nas nuvens, e estendendo Seus braços no raio e descendo na chuva. E também O verão sorrindo nas flores, e depois subindo e acenando da copa das árvores.” Para finalizar, você tem em suas mãos um super projeto, que deveria estar participando de concursos, como o do próprio Instituto Arte na Escola. Guarde tudo, escreva tudo, e participe em 2006, além do que, leve esse projeto para o link Sala de Aula - Relatos de experiências e depois - Galeria dos alunos... NOVAMENTE PARABÉNS!!!!! Contiue em contato, para qualquer dúvida.. Abraços
Vênera A. Martins De Matos
Leda, parabéns... acredito que a Bete já colocou tudo sobre o seu projeto. Mas não pude deixar de participar e comentar. Continue enviando seus projetos e não se esqueça de publicar na galeria dos alunos, para podermos compartilhar com outros arte educadores suas idéias. E novamente parabéns, seu projeto está "redondinho", gostaria de ver as imagens, se possível envie. Até mais.
Vênera A. Martins De Matos
Ana Maria, a proposta é esta: trocarmos idéias e experiências para que cada um de nós possamos nos alimentar sempre com novidades e possibilidades. Continue conosco e mande seus projetos.
Maria Rosa Mazza Chiaravalloti
Leda Maria,que maravihoso o seu relato.Embora o combinado deste forum é responder a uma pessoa e a Elizabete já respondeu à você, não posso conter o meu desejo de escrever que foi uma surpresa muito boa ler o percurso que você escolhe, a parceria de imagens e músicas casam super bem, eu me identifiquei muito com essa ligação, ouço muito Ravi Shankar e cantos indígenas, já viajei no seu projeto, dá para imaginar como vai ser bom! Tanto o seu relato como o da Elizabete me sensibiliazaram, estou também aprendendo com a coragem de vocês arrojarem na abordagem tão profunda da arte. As vezes eu viajo muito com essa coisa de "formar imagens e cenas" quando ouço determinados sons, ou, "ouvir certos sons" quando mergulho em certas imagens, essa sensação é muito mágica e forte porque geralmente nos remete a conhecimentos ancestrais, a confrontos com a nossa essência, e, como a emocão é muito grande, ao lidar com esses aspectos arte,religião,rituais...é preciso muita coragem e ao mesmo tempo tato, para saber lidar e conduzir essas questões em sala de aula. Você está num caminho muito fértil, com certeza será um percurso maravilhoso.Também eu não localizei suas dúvidas, mas, seja o que for, nos escreva, não deixe de manter contato,quero acompanhar seu projeto,mesmo que não lhe responda ,pois a Beti já vai lhe acessorar,eu quero ler os seus relatos sobre o projeto.Parabéns! Beijos...
12788 visualizações | 205 respostas Faça login para responder