1. POR QUE ARTE/EDUCAÇÃO?

O estudo “Achieving World-Class Education in Brazil: the next agenda”¹, publicado em 2012 pelo Banco Mundial, elencou as principais habilidades exigidas dos trabalhadores no século 21. De acordo com o documento, eles devem ter capacidade de pensar analiticamente e fazer perguntas críticas; possuir alto nível de competências interpessoais e de comunicação; além de desenvolverem aptidão para trabalhar em equipe.

A escola desempenha papel fundamental no desenvolvimento dessas competências. Trata-se, sem dúvida, de um grande desafio para o Brasil, pois o País ocupa o 58º lugar no ranking de 2013 do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (o Pisa), mantendo-se muito abaixo da média mundial em leitura, matemática e ciência.

Neste sentido, o ensino da Arte pode dar uma grande contribuição. Pesquisa realizada pelo Instituto Arte na Escola em 2012 em escolas com professores participantes dos Polos Arte na Escola apontou melhor desempenho dos alunos na Prova Brasil de 2007, tanto em Matemática quanto em Língua Portuguesa. O envolvimento nas artes – seja Artes Visuais, Dança, Música, Teatro – alimenta o desenvolvimento de competências cognitivas, sociais e pessoais melhorando, consequentemente, o aprendizado em outras disciplinas, como constata a pesquisa “Neuroscience of Art and Human Empathy: Aligning Behavioral and Brain Imaging Evidence” ², realizada por James Catterall, da Universidade de Califórnia, nos EUA, que após entrevistar 25 mil estudantes americanos, verificou que aqueles que são mais envolvidos com artes se mostram mais interessados em ler, escrever e realizar operações matemáticas “complexas”, faltam menos às aulas e são mais felizes na escola.

O livro “Critical links: learning in the arts and student social and academic development” (Washington: Arts Education Partnership, 2002) ³ reúne diversas pesquisas que associam o aprendizado da Arte ao desenvolvimento de habilidades cognitivas (como capacidade de raciocínio, percepção e criatividade) e habilidades sociais (como autoconfiança, resolução de conflitos, empatia social e tolerância). A publicação norte-americana ressalta também a importância dessa disciplina no envolvimento e na motivação dos estudantes. Em um ambiente escolar onde o ensino de artes tem presença efetiva, há mais comprometimento e maior frequência dos alunos.


¹ Disponível em: <https://openknowledge.worldbank.org/bitstream/handle/10986/2383/656590REPLA CEM0hieving0World0Class0.pdf?sequence=1>. Acesso em: ago. 2014.
² Disponível em: <http://www.croc-lab.org/>. Acesso em: ago.2014.
³ Disponível em: <http://www.gpo.gov/fdsys/pkg/ERIC-ED466413/pdf/ERIC-ED466413.pdf>. Acesso em: ago. 2014.

As pesquisas evidenciam que o desenvolvimento de habilidades cognitivas, essenciais para a escrita, ocorre no exercício do desenho. O treinamento para a visualização e a leitura de obras de arte, por sua vez, contribui para a interpretação de textos e a facilidade de leitura. A encenação teatral auxilia na compreensão de histórias, na capacidade de concentração e também na habilidade de trabalhar em equipe. Além desses benefícios, a dança concorre para o aumento da autoconfiança e da persistência.
A musicalização impacta positivamente na assimilação de conteúdos trabalhados em disciplinas que exigem raciocínio lógico e espacial e elevado grau de concentração, como matemática e línguas, pois ela ativa as mesmas regiões do cérebro usadas no aprendizado dessas disciplinas.

Para que o aprendizado das Artes seja efetivo e os estudantes desenvolvam as habilidades e conexões desejadas, é fundamental que os professores tenham uma formação consistente e continuada. No entanto, o censo realizado pelo Inep/MEC relata que apenas 6% dos professores de Artes em exercício no País têm formação na área. Neste sentido, o Instituto Arte na Escola tem desenvolvido materiais educativos e estabelecido parcerias com universidades para que, por meio de grupos de estudos nos Polos Arte na Escola, os professores recebam inputs para o seu constante aperfeiçoamento.

2. COMO ATUAMOS

REDE ARTE NA ESCOLA

O Instituto Arte na Escola, desde 1989, incentiva, promove e qualifica o ensino da arte por meio da Rede Arte na Escola, constituída de 47 Polos em universidades conveniadas em 22 Estados, que realiza programas de educação continuada para professores da rede pública.

O Instituto também desenvolve materiais educativos, disponibilizados na Rede e no portal, com mais de 48 mil usuários cadastrados.

DESTAQUES / POLOS ARTE NA ESCOLA

O fomento do Instituto Arte na Escola possibilitou a ação de diversas formações nos polos, como o 24º Seminário Nacional de Arte e Educação (Fundação Municipal de Artes e Montenegro), Simpósio de Ensino Arte na Escola da FAP: arte afro-brasileira na educação, XI Simpósio de Arte-Educação Dialogando com as Tecnologias (Universidade Estadual do Centro-Oeste).

Reflexões e debates sobre a sala de aula e o ensino da Arte se deram no VIII Seminário de Arte e Ensino de Londrina - O cotidiano das Artes na Escola: e você, o que faz? (Universidade Estadual de Londrina), VIII Encontro de Professores de Arte de Mato Grosso do Sul e IV Seminário: Diálogos Visuais e Culturais no Cenário da Pesquisa em Mato Grosso do Sul (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), Da Arte Digital ao Ensino da Música na Educação Infantil: reflexões e ações (Universidade Federal de Uberlândia, campus Patos de Minas), IV Encontro de Professores Arte na Escola - Interlocução: Cultura Contemporânea e Ensino de Arte (Universidade Estadual de Montes Claros), Educação Musical: desafios e perspectivas na formação contínua de professores de Educação Básica (Fundação Universidade Regional de Blumenau), 14º Encontro de Reflexões e Ações no Ensino de Arte (Universidade Federal de Uberlândia), Palestra e Oficina: Conversas sobre Arte Contemporânea (Universidade Feevale), II Encontro Regional da Rede Arte na Escola e IV Seminário do Curso de Licenciatura em Artes Visuais (Universidade Federal de Goiás), Ensino da Arte na Contemporaneidade (Universidade do Contestado), Vivências artísticas e ensino da arte (Universidade Univille), As minhas, as suas, as nossas histórias (Universidade Cruzeiro do Sul).

Os polos Faculdade Novo Milênio e Universidade Federal de Roraima comemoraram 10 anos de atuação com os eventos Encontro de Professores - 1º Encontro Arte na Escola FNM: 10 anos de história no Espírito Santo e 10 anos Polo Arte RR: Experiências e realizações na formação docente, respectivamente.

TEMÁTICAS DOS GRUPOS DE ESTUDOS

Os polos Arte na Escola organizam grupos de estudo e de pesquisa. Entre os temas abordados estão a Arte Contemporânea, Música e Dança na escola, leitura de imagem, arte na Educação Infantil e a utilização dos materiais pedagógicos da Midiateca, como o Eco Art e a DVDteca Arte na Escola em sala de aula (Veja a relação completa aqui).

PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS

Dez coordenadores da Rede Arte na Escola participaram de painéis na XXIV Confaeb (Congresso Nacional da Federação de Arte/Educadores do Brasil), em Ponta Grossa (PR), importante espaço de diálogo sobre arte/educação.

Leila Baptaglin (Universidade Federal de Roraima) - A Educação Patrimonial e a Arte na Formação Docente Indígena: A Licenciatura Intercultural do Instituto Insikiran.

Eliane Tinoco (Universidade Federal de Uberlândia) - Experiências, Trajetórias e Inquietudes.

Maria Irene Pellegrino (Universidade Estadual de Londrina) - Da formação à formação continuada no ensino de Arte: caminhos de reflexão; Interdisciplinaridade, memória e experiência na formação em arte: os objetos pessoais como ponto de partida.

Aline Cerutti (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) - O agente cultural: estudos e práticas étnicos culturais em espaços socioeducativos.

Luciano Buchmann (Faculdade de Artes do Paraná) - A formação contínua de professoras de professores e a contribuição do Polo Arte na Escola FAP; Professoras e suas escolhas: estratégias à dominação masculina no ensino da arte por meio do Grupo de Estudos em Artes Visuais.

Myrian Pestana (Faculdade Novo Milênio) - Arte no curso de pedagogia: contribuições e metamorfoses a partir de narrativas das(os) estudantes.

Maria da Penha Fonseca (Faculdade Novo Milênio) - Formação Continuada: arte contemporânea brasileira com arte na escola.

Iany Bessa (Universidade Estadual do Ceará) - A música como mediação entre o conhecimento de si e do mundo.

Raimundo Martins (Universidade Federal de Goiás) - Comer com os olhos: um diálogo possível entre visão e paladar.

Rozenei Cabral (Universidade Regional de Blumenau) - Formação continuada na educação infantil: diferentes vivências e contextos no campo da arte.

PUBLICAÇÕES

KLEM, Dilma Marques Silveira (Org.). Cultura da imagem: pesquisas, poéticas e mediações. Textos de Alice F. Martins, Dilma M. S. Klem, Eny A. Barbosa, Hélio R. S. Brantes, Heloisa de L. V. Dumont, Juçara de S. Nassau, Nilza E. A. de S. Quintiliano, e Suely L. de Q. Ferreira. 2. ed. Montes Claros: Polo Arte na Escola da Universidade Estadual de Montes Claros, 2014. Disponível em: <http://artenaescola.org.br/uploads/livros/ e-book/cultura-da-imagem-2/Cultura-da-imagem-pesquisas-poeticas-e-mediacoes.pdf>

PESQUISA

KLEM, Dilma Marques Silveira. A concepção docente e a arte contemporânea. Montes Claros: Instituto Arte na Escola - Polo Arte na Escola da Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes, jan. 2014 a jul. 2015. (Instituto Arte na Escola - Incentivo à Pesquisa - Edital nº 008/2014). Em andamento.

ENCONTROS REGIONAIS

Os Encontros Regionais da Rede Arte na Escola envolvem os coordenadores dos polos e permitem a socialização de práticas desenvolvidas com os grupos de estudos, diálogos sobre formação continuada e novas oportunidades, entre outros. As diretrizes destes encontros, que ocorrem a cada dois anos, balizam o Encontro Nacional da Rede Arte na Escola. Três regiões sediaram os encontros em 2014: Norte (Universidade Federal do Piauí), Sul (Universidade Federal de Pelotas) e Sudeste (Universidade Cruzeiro do Sul).

GESTÃO DA REDE

Reconhecimento Fundação Iochpe Reconhecimento da excelência em gestão de acordo com as metas da Rede Arte na Escola. Em 2014 foi concedido à profa. Rozenei Cabral, do Polo Arte na Escola FURB (Universidade Regional de Blumenau).

PARCERIAS

AÇÕES DE FORMAÇÃO

SECRETARIAS MUNICIPAIS DE ENSINO

• PROVE (Projeto de Valorização do Educador e Melhoria da Qualidade de Ensino) - Formação de professores de Arte em parceria com a Secretaria Municipal de Ensino de São Paulo.

• Oficina "Caderno de artista – prática de registro de produção do professor de arte" para 50 docentes. Parceria com a Secretaria Municipal de Ensino de Campinas.

ICLOC

VI Congresso de Práticas na Sala de Aula – Organização e mediação da mesa Arte – Processos Criativos na Docência da Arte, com a participação de Gisa Picosque, Gustavo Kurlat e Sumaya Mattar.

FUNDAÇÃO VOLKSWAGEN

O Instituto Arte na Escola venceu o edital para realizar, em parceria com a Fundação Volkswagen, o Projeto “Aprendendo com Arte”, formação em Arte de 320 educadores, sendo 120 no formato semipresencial, em Cariacica (ES) e Aracaju (SE), e 200 totalmente à distância.

O objetivo do projeto “Aprendendo com Arte” é envolver e auxiliar o educador na compreensão aprofundada do papel da Arte e da cultura como recurso educativo sócio-inclusivo e dos potenciais educativos da disciplina e dos espaços culturais.

Na modalidade semipresencial, com 85 horas de formação, o objetivo é capacitar o educador para mapear lugares e equipamentos culturais, resultando na produção de material regional para ser usado em seu processo de formação e na construção de seus próprios percursos e trajetórias. Serão sete encontros presenciais mensais em 2015, intercalados com aulas e encontros de formação à distância, dividida também em sete módulos temáticos e quatro seções de formação.

A participação na modalidade totalmente à distância acontece na Plataforma do Letramento com material exclusivo. A carga horária é de 29 horas de aprendizagem a distância distribuídas em sete módulos de atividades práticas e teóricas em Ambiente Virtual, além de sessões de videoconferência por HangOut com profissionais de destaque nas temáticas abordadas no curso, e mais quatro seções de duas horas cada para orientação de projeto, também por videoconferência.

INSTITUCIONAIS

Prêmio Arte na Escola Cidadã
Unesco, Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação), Consed (Conselho Nacional dos Secretários de Educação), Canal Futura, Revista Pátio.

Conteúdo Editorial
Revista Pátio, por meio de publicação de Relatos de Experiências de professores dos grupos de estudos dos Polos Arte na Escola ou vencedores do Prêmio Arte na Escola Cidadã.

3. NÚMEROS

4. PRÊMIO ARTE NA ESCOLA CIDADÃ

Em sua décima quinta edição, o Prêmio Arte na Escola Cidadã recebeu 800 projetos de todo o Brasil, avaliados regionalmente no Norte (Universidade Estadual do Amazonas), Nordeste (Universidade Federal do Maranhão), Sul (Faculdade de Artes do Paraná) e Sudeste/Centro-Oeste (Universidade Federal do Mato Grosso do Sul), sendo 155 projetos selecionados para a avaliação nacional, em São Paulo. A comissão nacional reuniu profissionais de notório saber: Sumaya Mattar (Artes Visuais), Márcia Strazzacappa (Dança), Gustavo Kurlat (Música) e
João Araújo (Cidadania).

PREMIADOS

EDUCAÇÃO INFANTIL

Érica Poltronieri

CMEI Marlene Orlande Simonetti - Vitória/ES

Possibilidades Estéticas:
Arte e natureza com
Frans Krajcberg
Inspirada na obra de Frans Krajcberg, a professora Érica Poltronieri desenvolveu uma proposição didática com os alunos do Centro Municipal de Educação Infantil Marlene Orlande Simonetti (Vitória/ES), estimulando-os a desenhar, pintar e, principalmente, a entender a importância da preservação do meio ambiente. Seu projeto envolveu as famílias, proporcionou saídas culturais em praças e parques e propiciou muita experimentação de materiais.

ENSINO FUNDAMENTAL 1

Paulo Lorenzeti

EE Prof. Diva Gomes dos Santos - Mauá/SP

Estudos sobre casas:
formas de habitar a arte
A curiosidade dos alunos do Ensino Fundamental I da Escola Estadual Diva Gomes (Mauá/SP) e a escuta e o olhar atento do professor Paulo Lorenzetti deram origem ao projeto que nasceu da casa de um marimbondo na sala de aula e abarcou múltiplas linguagens e disciplinas, das artes visuais, música, dança e literatura, produção de textos, até biologia e matemática.

ENSINO FUNDAMENTAL 2

Mariana Guimarães

Colégio de Aplicação UFRJ - Rio de Janeiro/RJ

A bordadura nas
artes visuais
Por meio da linguagem da bordadura a professora Mariana Guimarães, do Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, estimulou seus alunos do Ensino Fundamental II a desenvolverem suas próprias poéticas, promovendo o diálogo entre o tradicional e o contemporâneo e criando conexões com outras linguagens, como a literatura e a fotografia. Além das intervenções com o bordado em objetos cotidianos, houve intervenções em praças públicas e no espaço escolar.

ENSINO MÉDIO

Aline Liberato

EE Professor Waldemar Salgado - Santa Branca/SP

O sonho do menino Portinari de colorir o Brasil: questões sociais e cultura local nas aulas de arte do ensino médio Partindo do anseio de seus alunos do Ensino Médio da EE Professor Waldemar Salgado que almejavam novos horizontes para além da pacata cidade de Santa Branca, a professora Aline Huber pensou em ampliar as vivências culturais levando seus alunos a museus e teatros em outras cidades, envolveu a cultura popular e a história local, além de valorizar as habilidades dos estudantes, como, por exemplo, grafite.

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Carmen Midori Onuki

CIEJA - Prof. Rose Mary Frason - São Paulo/SP

Apoema:
olhares, fotografia
A linguagem da fotografia foi o fio condutor para um projeto interdisciplinar envolvendo jovens e adultos na Zona Norte de São Paulo. Subsidiados por noções técnicas e históricas da fotografia, os alunos se apropriaram de espaços da escola e da cidade, conheceram artistas contemporâneos e se expressaram em diferentes suportes como painéis, objetos e scrapbook.

5. INSTITUCIONAL

ARTE NA ESCOLA EDIÇÕES

Publicação do livro 25, comemorativo aos 25 anos do Instituto Arte na Escola, com imagens de obras de artistas contemporâneos analisadas por 25 destacados arte/educadores do Brasil e da Espanha.

INSTITUTO ARTE NA ESCOLA. 25: 25 artistas: 25 obras: 25 arte-educadores: 25 leituras: 25 anos Instituto Arte na Escola. Apres. Evelyn Berg Ioschpe. Pref. Paulo Herkenhoff. Porto Alegre: Penso Ed.; São Paulo: Instituto Arte na Escola, 2014.

ESTRUTURA

CONSELHO

Cacilda Teixeira da Costa, Débora Ioschpe, Eduardo Szazi, Elizabeth Machado, Ivoncy Ioschpe, Julio Landman, Maria Heloisa Corrêa de Toledo Ferraz, Paulo Herkenhoff e Raimundo Martins da Silva Filho.

SÓCIOS EFETIVOS

Anamelia Bueno Buoro, Fernando Hernández, Gisa Picosque, Lucimar Bello Pereira Frange, Mirian Celeste Martins.

SÓCIOS FUNDADORES

Alexandre Silva dos Santos Filho, Ana Mariza Filipouski, Consuelo Schlichta, Dora Maria Dutra Bay, Elane Fátima Simões, Elizabeth Milititsky Aguiar, Elliot Eisner, Erinaldo Alves do Nascimento, Evelyn Berg Ioschpe, Fabíola Cirimbelli Burigo Costa, Fernanda Rodrigues Torino, Irene Lorenzoni, Iveta Maria B. A. Fernandes, Julio Landmann, Luiz Guilherme Vergara, Mari Lucie da Silva Loreto, Maria Cristina dos Santos Pessi, Maria Cristina V. Biazus, Maria Helena Wagner Rossi, Maria Helena Webster, Maria Isabel Kehrwald Petry, Marilene de Lima Korting Schramm, Marilia de Oliveira Garcia Diaz, Marlene Ramires François, Milene Chiovatto, Nadja Carvalho Lamas, Neide Pelaez Campos, Nelly Rose Nery Junquilho, Rejane Reckziegel Ledur, Rosa Iavelberg, Roseane Martins Coelho, Rosires de Andrade Carvalho, Rozenei Cabral, Ruy Pauletti, Silvia Sell Duarte Pillotto, Sylvia Bojunga, Tania Bittencourt Bloomfield, Therezinha Petry Cardona, Vanessa Rosa, Wandelcir Rosenbaum.

PRESIDÊNCIA

Evelyn Ioschpe

EQUIPE

TEXTO

Regina Ramoska

DESIGN

Edson Lovatto

DESENVOLVIMENTO

Luiz Destefano