Sala de Leitura
Artigos

Os Artigos aqui apresentadas são de responsabilidade de seus respectivos autores. O Instituto Arte na Escola propõe sua leitura como fonte de pesquisa e estudo.

Das Idées reçues francesas aos desenhos recebidos brasileiros


Resumo:

 Idéias recebidas (idées reçues) são idéias que se aceita sem repensar, sem tolerar discussão, sem consultar ninguém. Elas constituem “lugares comuns”, expressos em frases feitas, em clichés, apresentadas como verdades adquiridas desde sempre, as quais não se sabe nem de onde nem de quem se aprendeu. De larga tradição na civilização francesa, a expressão “idées reçues” só se fixou como sintagma no séc. 19. A partir das “idées reçues” do escritor francês  Flaubert, este artigo tenta estabelecer paralelos entre aquela noção francesa e as imagens escolares brasileiras. “Recebidos“ é a designação que a autora propõe para nomear os desenhos encontrados no ambiente escolar no Brasil. Inspirando-se no “Dictionnaire des Idées Reçues” de Flaubert , ela tece uma série de reflexões sobre tais imagens, baseada em suas próprias observações da realidade escolar e no desenvolvimento de um processo que denomina “desestereotipização” neologismo que criou.

 

Palavras–chave:-Imageria Escolar- Formação de Professores - Práticas Pedagógicas- Desestereotipização do desenho.

 
 

 *Maria Leticia Raeun Vianna, Especialista em Arte Educação, Mestre e Doutora em Artes pela ECA/USP e Sorbonne, atualmente é professora do Curso de Artes Visuais da Universidade Estadual de Ponta Grossa e Coordenadora do Curso de Pös-graduação: Poéticas Contemporâneas no Ensino da Arte da Universidade Tuiuti do Paraná.

 

 

”Tudo que recebe a adesão da massa merece ser repensado”.

 Todo homem que se afasta das idées reçues, é geralmente olhado

      como um frenético, um presunçoso, que se crê insolentemente

                                                                                       bem mais inteligente que os outros (..)                                                                             HOLBACH

                                          

A noção de “idées reçues” é praticamente inseparável da figura de escritor francês Gustave Flaubert (1821-1880) e de seu projeto de fazer um dicionário das idéias recebidas, muito embora ele não seja o criador do sintagma, nem muito menos, o inventor das “idées reçues”.( PIERROT, 1994.)

 

Porém, quando em 1847, concebeu o projeto de escrever tal dicionário sobre as idéias recebidas (que só foi publicado em 1911, mais de trinta anos após sua morte) Flaubert  inaugurou um tipo de discurso. De fato, ele parece ter sido o primeiro, inclusive, a empregar “idée reçue” no singular, para qualificar uma opinião: “São Pedro de Roma: obra glacial e declamatória , mas que é preciso admirar; é uma ordem, é uma “idée reçue”.

 

Como ele  foi o primeiro autor de besteirol[1] a ter recorrido à forma de dicionário para apresentar suas compilações, o que lhe permitiu denunciar com humor a bobagem dos burgueses se abstendo de qualquer comentário, sua obra é considerada um “modelo do gênero”. No seu dicionário pode-se encontrar “tudo o que se deve dizer em sociedade para ser um homem conveniente e amável”. Flaubert mesmo acrescenta: “..e uma vez que se tenha lido (seu dicionário), não se ousará mais falar, de medo de dizer naturalmente uma das frases que nele se encontram”.

 

Assim, o que ele fez constitui um discurso fundador, o das idéias recebidas, que inspirou muitos outros autores de diferentes áreas de conhecimento e hoje, eu mesma professora de arte.

 

Antes de dizer porque e como Flaubert me inspirou, gostaria de repertoriar alguns outros exemplos que, por sua vez, também me inspiraram.

 

Além dos livros que antecederam o Dicionário de Flaubert e mesmo lhe serviram de modelo, além dos que lhe foram contemporâneos,  dos que tentavam imitá-lo e dos que lhe sucederam, pode-se ainda encontrar entre os livros publicados na França, nos últimos trinta anos,  alguns diretamente ligados ao Dicionário de Flaubert: Assim, em 1975, ocorre a publicação da “Encyclopédie des Idées Reçues” (Enciclopédia das Idéias Recebidas) de Bernard Valette e em 1978, “Idées Reçues sur les Femmes”, (Idéias Recebidas sobre as Mulheres) de N. Bedrines et allii. Depois, em 1987, aparece “Le Catalogue des Idées Reçues sur la Langue” (Catálogo das Idéias Recebidas sobre a Língua) de Marina Yaguello e, em 1988, “Les Idées reçues sur la Sexualité” (As Idéias Recebidas sobre a Sexualidade) de Jacques Waynsberg e anda “Les Idées Reçues en Médecine” (As Idéias Recebidas em Medicina) de Jean-Michel Delaroche.

À parte destes, encontram-se ainda alguns outros exemplos, denominados também de dicionários, e que brincam, fazem trocadilhos, com a palavra reçues. “Dictionnaire des Idées Revues” (Dicionário das Idéias Revistas) de Jacques Sternberg (1985); “Dictionnaire des Idées Reçues et Rejetées” (Dicionário das Idéias Recebidas e Rejeitadas) de Philippe Bouvard (1985) e o “Dictionnaire des Idées Obligées” (Dicionário das Idéias Obrigatórias) de A. Paucard (1990).

 

Mais recentemente, foi também publicado na França, o livro "Du Fer dans les Épinards et autres Idées Reçues"2 (O Ferro no Espinafre e outras Idéias Recebidas) de François Bouvet (organizador), ed. Seuil, (junho de 1997) que apresenta vários artigos de diferentes autores, cada  um sobre uma “idée reçue” atual. Este livro motivou,  inclusive,  a realização de um programa semanal na televisão parisiense, com o mesmo nome do livro, onde, a cada semana, o autor do livro em questão que é também  o apresentador do programa, discute com um grupo de especialistas sobre uma “idée reçue" escolhida.

 

Temos a acrescentar a estes um exemplo brasileiro: em 1952, o escritor Fernando Sabino, publica “Lugares Comuns”, nos Cadernos de Cultura do Ministério da Educação e Saúde, com 102 páginas. Depois de uma introdução bastante pessoal e bem-humorada, apresenta, traduzido por ele ,  o dicionário de Flaubert e, no mesmo compêndio, inclui um não menos curioso “Esboço de  um Dicionário Brasileiro de Lugares Comuns e Idéias Convencionais”, afirmando que o mesmo “foi idealizado como simples apêndice ao de Flaubert”  

                                 

- Desenhos Recebidos Brasileiros-

Como vemos,  Flaubert continua a inspirar pessoas ainda hoje, e isso aconteceu também comigo: após ter lido Flaubert e os estudos sobre ele e sua obra, e ter tomado conhecimento das influências que operou e continua  operando  em seus seguidores, percebi que as imagens apresentadas às crianças na maior parte das escolas infantis brasileiras, não são outra coisa que desenhos recebidos porque eles se revestem praticamente de todas as características que apresentaram as idéias recebidas ao longo da história, muito embora se trate aqui, de imagens, de desenhos expressos por traços, ao invés de idéias expressas por palavras.

 

Dizia, num artigo que escrevi em 1995 sobre este tipo de imagem:

 

“Elas vêm não se sabe de onde e vão para onde não se sabe. Nós as usamos simplesmente porque gostamos, achamos “bonitinhas”, “fofinhas”, “uma gracinha”(..) não sabemos quem criou, de onde as aprendemos e nem para que servem. Mesmo assim nós as adotamos indiscriminadamente. Pior, impunemente! Elas nos parecem tão familiares, tão inofensivas ...Sempre as mesmas, enfadonhamente repetidas, elas estão em todos os lugares, mas principalmente nas escolas. É lá onde podemos apreciar a maior quantidade delas (..) Vemo-las nos murais nas janelas, nas portas, nas paredes, nos materiais didáticos, nos trabalhos das crianças. A escola parece mesmo ser o habitat natural destas imagens, um terreno fértil onde vicejam e se reproduzem à exaustão, sob o pretexto ou a ilusão de tornar o ambiente ou a aprendizagem mais atraente, agradável, interessante para a criança”. (VIANNA, 1995)

 

Os professores de arte,  qualificam desde muito tempo, estas imagens de estereotipadas, sem saber muito bem o significado exato desta palavra. Já os professores de educação geral nem ao menos sabem que tais desenhos são assim denominados , porque não têm nenhum conhecimento da noção,  nem consciência sobre estereótipos.

Parafraseando os autores dos livros mais recentes, já citados, inspirados em Flaubert, penso que os desenhos aos quais me refiro, além de serem nomeados de recebidos podem ainda ser adjetivados de várias outras maneiras.

Por exemplo, por parte dos professores e alunos, eles podem ser qualificados de desenhos oferecidos, na medida em que os professores os oferecem às crianças nas salas de aula. Porém, esta denominação me parece fraca; estes desenhos não são simplesmente oferecidos, dados às crianças; eles são antes, impostos a elas, que são obrigadas a colori-los, muitas vezes até a copiá-los, donde se poderia ter a expressão desenhos impostos (não tão elegante como quando em francês - dessins imposés).

Todos sabemos que, em tais escolas, as crianças não têm o direito de rejeitá-los ou recusá-los. Na medida em que elas são obrigadas a lhes aceitar sem objeções, se poderia também denominá-los desenhos aceitos ou, desenhos aceitos por obrigação, portanto, desenhos obrigatórios.

Por outro lado, considerando a parte administrativa da escola, e conhecendo como pensam, em sua maioria, diretores e coordenadores, estes desenhos podem ser adjetivados de adequados, convenientes, específicos para crianças.

Já pela mentalidade corrente entre os pais de alunos, se poderia dizer que se trata de desenhos aprovados pela grande maioria, e mais, de desenhos (muito) apreciados.

No artigo ao qual já me referi anteriormente, escrevi; “Diretores e donos de escola sabendo que os pais gostam destas enfeitadas, abusam dos estereótipos, com o objetivo de atrair alunos. Salvo raros pais esclarecidos, a maioria se deixa envolver pela decoração do prédio, julgando, equivocadamente, ser bom o colégio que enfeita suas paredes. Dificilmente pais gostam de matricular seus filhos em escolas de paredes nuas”. Vianna,1995.

Falemos agora sobre a maneira como trabalhei por muitos anos na formação de professores. Em meus cursos, assumi sempre posição contrária aos desenhos estereotipados, que poderiam por causa disso serem qualificados de desenhos recebidos porém rejeitados, porque eu não os aceitava em seu emprego tão difundido.

 

Além disso, na medida em que eu me propunha a lhes denunciar como alguma coisa nociva (..) os desenhos estereotipados empobrecem a percepção e a imaginação da criança, inibem sua necessidade expressiva, embotam seus processos mentais, não permitem que desenvolvam naturalmente suas potencialidades, (..) (VIANNA,1995) eu poderia igualmente dizer que eles são desenhos recebidos, sim, porém são desenhos denunciados, porque com meus alunos, eu tratava sempre de promover a consciência sobre os  estereótipos.

 

Considerando que a maioria das pessoas adultas, independente da idade, desenha de uma forma impessoal, mais ou menos padronizada, em geral reproduzindo imagens que lhes foram transmitidas desde a infância e que tais imagens já estão cristalizadas no desenho dessas pessoas,  constituindo-se em modelos -desde muito-adquiridos e por isso mesmo difíceis de serem substituídos, sistematizei alguns exercícios de desenho com o objetivo de levar as pessoas a abandonar esses desenhos recebidos e a se expressar de uma forma mais pessoal e criativa.

Assim, como tentei desenvolver um processo de “desestereotipização”, (sucessão de desenhos cujo objetivo é transformar  um estereótipo em um não-estereótipo), poderia também os qualificar de desenhos revistos, desenhos revisitados, desenhos transformados e assim por diante

 

Por associação à minha experiência no campo das imagens escolares brasileiras, outras idéias para nomeá-las me vêm à mente sem cessar, mas prefiro a expressão desenhos recebidos que me parece a mais  adequada. Desenhos recebidos é também um sintagma mais simpático que desenhos estereotipados. Recebido  pode substituir perfeitamente o adjetivo estereotipado, este sim com forte conotação pejorativa.

 

De todas as maneiras, estou consciente que o processo de “desestereotipização” que eu desenvolvi e para o qual criei inclusive este neologismo, é um contra-estereótipo que, a despeito de minhas boas intenções, corre o risco de se tornar um novo estereótipo, na medida em que, como já afirmava Flaubert, não se pode escapar das idéias recebidas (portanto, nem dos desenhos recebidos), ou seja: é quase impossível se abandonar alguns estereótipos sem se adotar novos  estereótipos em seu lugar.

 

A propósito,  notei, por exemplo, que quando proponho aos meus alunos-professores os exercícios de desestereotipização que concebi, eles depois de os experimentarem, os repetem em suas classes, com seus alunos, em geral sem em nada modificá-los. O pior é que os utilizam com crianças, de maneira exatamente igual à que vivenciaram, ainda que em minhas aulas eu tente exaustivamente, deixar claro que tais exercícios não são absolutamente aplicáveis  àqueles que começam a desenhar livremente.

 

Por outro lado, quanto às minhas intenções de encontrar as fontes dos desenhos estereotipados escolares brasileiros que, cheguei a acreditar, estivessem nas imagens de Épinal3, na França, hoje sei que tal busca seria provavelmente  inútil: segundo o pesquisador Dufays, o estereótipo tem sempre um caráter “inoriginado”4, quer dizer: “suas fontes não são facilmente localizáveis, elas são difusas, estando dispersas em toda a produção de uma época, de uma corrente ou de um gênero”. (DUFAYS,1994)

 

Para finalizar tenho a dizer que começo a ficar convencida que os estereótipos fazem parte da sociedade, que eles talvez até tenham um caráter positivo que os eruditos não desejam normalmente admitir. Eles se inscrevem, creio eu, na necessidade de “être ensemble” (estar junto) da qual fala Maffesoli –os estereótipos permitem isso- e carregam um quê de banalidade que, a seu ver, é importante para a vida em sociedade e para a História.

                         

-Idéias Recebidas sobre Desenhos Recebidos-

Refletindo um pouco mais, descubro ainda que nem só os desenhos foram recebidos. No ambiente escolar existe uma unanimidade em relação a eles: são as idéias que respaldam o uso indiscriminado deste tipo de imagem, idéias que propõem, incentivam, aprovam e aplaudem o seu uso. São as idéias recebidas sobre os desenhos recebidos.

Assim, parodiando  mais uma vez Flaubert, se tivéssemos como ele, o projeto de compor um dicionário poderíamos denominá-lo de Dicionário das Idéias Recebidas sobre os Desenhos Recebidos. Em ordem alfabética, sem prioridades nem destaques, entre outros, teríamos verbetes como estes :

 

1.   Calendário: datas festivas, cívicas, folclóricas ou religiosas devem ser comemoradas com desenhos específicos.

 

2.   Coordenação motora: colorir imagens prontas ajuda muito a desenvolvê-la nas crianças.

 

3.   Coordenações pedagógicas: devem ter coleções de desenhos prontos  para ceder aos professores em todas as ocasiões festivas.

 

4.   Crianças: adoram imagens prontas para colorir.

 

5.    Desenho pedagógico: a disciplina mais importantes em qualquer curso de formação de professores, porque as imagens devem ser padronizadas.

 

6.   Desenhos de animais: têm que parecer com os seres humanos; flores, árvores e objetos também.

 

7.   Desenhos prontos: com eles as crianças aprendem a desenhar, pela imitação.

 

8.   Desespero: não saber fazer desenhos para as crianças.

 

9.   Diminutivos: imprescindíveis no linguajar escolar. Nunca dizer árvore, casa, flor, gato, coelho. Dizer sempre:  arvorezinha, casinha, florzinha, gatinho, coelhinho, etc..

 

10.Diretoras e donas de escola:  gostam mais das professoras que reproduzem estereótipos.

 

11. Escola: aquela que é enfeitada é que é boa.

 

12. Escolas infantis: têm que ser decoradas com desenhos que a criança já conhece.

 

13. Estereótipos escolares: quanto mais se colocar na escola, melhor.

 

14.   Férias: é preciso abrir mão da sua última semana, para fazer os enfeites da escola e bem receber as crianças no início do ano.

 

15.   Formação de professores: este curso tem que oferecer modelos de desenhos aos alunos futuros professores.

 

16.   Ilustrações: necessárias em todo o material do aluno, devem seguir padrões consagrados. Não precisam ter nenhuma relação com o conteúdo, são só para alegrar o ambiente da criança.

 

17.   Manuais de modelos: são muito úteis, indispensáveis ao professor.

 

18.   Matrículas: serão em maior número se a escola for bem decorada.

 

19.   Mimeógrafo: toda escola tem que ter um. Máquina de xerox é melhor ainda.

 

20.   Murais: quando é a  professora quem faz fica mais bonito e apresentável.

 

21.   Pais: preferem escolas que enfeitam portas, janelas e murais. Não matriculam os filhos em escolas de paredes nuas.

 

22.   Professora: é boa professora aquela que desenha ou reproduz mais e melhor os modelos que lhe foram e são  oferecidos.

 

23.   Revistas de modelos: toda escola que se preza deveria assinar pelo menos uma.

 

24.   Sala de aula: deve ser enfeitada com desenhos feitos pela professora..

 

25.Talento artístico: saber reproduzir imagens, copiando modelos consagrados.

 

 

 

 Se continuássemos, muitos outros verbetes poderiam ser arrolados.

 

 

Como Flaubert, abstenho-me de tecer comentários sobre a realidade escolar que constatei e aqui expus em forma de verbetes de dicionário. Neles, deixo implícitas  minha ironia, minhas críticas e minha visão pessoal  dos fatos observados. São assim os dicionários: a ordem alfabética retira e substitui a ordem de importância; os verbetes expõem, mas não comentam. E este  “esboço de dicionário” é interativo: permite que qualquer leitor, advindo do meio, possa contribuir, completando-o com novos verbetes, pelos quais, aliás,  antecipadamente agradeço.

 

 

 

 

 

 

 

Nota da autora: (Para o arte na escola): Este artigo foi escrito inicialmente  em francês, depois traduzido, revisto e ampliado, foi publicado em outubro de 1999, pela Revista Tuiuti, Ciência e Cultura, vol 11, pp.35-43, em Curitiba-PR, portanto, um ano antes da defesa da Tese de Doutorado que a autora escreveu sobre o assunto, na  Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (tese ainda não-publicada). O esboço de dicionário a que se refere o artigo, foi concluído e constituiu-se como o “Dicionário das Idéias Recebidas sobre os Desenhos Recebidos” composto de verbetes ilustrados com imagens recolhidas na imageria escolar brasileira. Foi apresentado na ocasião, como separata da Tese em questão.

 

 

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

-    AMOSSY, Ruth e PIERROT, Anne Herschberg. Stéréotypes et Clichés. Nathan; Paris,     1997.

-    BOUVET, François. Du Fer dans les épinards et autres idées reçues. Seuil, Paris, 1997.

-    DELAROCHE, Jean-Michel. Les idées reçues en Médecine. Hachette, France, 1988.

-    DUFAYS, Jean-Louis. Stéréotype et lecture. Mardaga, Belgique, 1994.

-    FLAUBERT, Gustave. Dicionário das Idéias Feitas. trad. Cristina Murachco, Nova            Alexandria, São Paulo, 1995.

- ......................................  Dictionnaire des Idées Reçues. Texte integral. Ed. Mille et une Nuit, France, 1994.

- ......................................  Le Dictionnaire des Idées Reçues suivi du Catalogue des Idées Chic. Édition établie et annotée par Anne Herschberg Pierrot. Le Livre de Poche Classique; Paris, 1997.

- PIERROT, Anne Herschberg. Histoire des Idées Reçues. In: Romantisme, No. 86; Paris, 1994.

-...........................................Problématiques de cliché - sur Flaubert. Paris : Poétique, 43, 1980.

- SABINO, Fernando. Lugares Comuns. Ministério da Educação e Saúde; Rio de Janeiro  1952.

-    VIANNA, Maria Leticia R. Desenhos estereotipados: um mal necessário ou é necessário acabar com este mal ? Revista ADVIR, No. 5, R.J., 1995, pp. 55-60.

- .............................................  Les dessins reçus. comunicação apresentada no seminário: État des Recherches du Centre D’Études sur L’Actuel et le Quotidien, Sorbonne, Paris V, junho 1997. (não publicada)

 

 



[1] No francês, sottisier, que traduzi por besteirol, porque sottisier  vem de sottise e quer dizer: bobagem,

  besteira, bobice.

2  Este livro foi agora traduzido para o português como: “Tem mesmo ferro no espinafre? e outras idéias feitas, testadas e reprovadas- Editora Ática, 1998.

3 Epinal é uma cidade da França. Em 1870, Pelérin cria em Epinal a sua fábrica de imagens, que ficou célebre no séc.XIX. A expressão Imagem de Epinal apareceu na linguagem corrente para designar uma imagem ingênua, reduzida a traços gerais e simplificados. Também  para designar histórias feitas com imagens em sequência, separadas por casas (histórias em quadrinhos).

4 Do francês: inoriginé – vocábulo sem tradução para o português.

Comentários Deixe o seu comentário

  • Edna Maria Pereira Leonardo, 21:54 - 03/04/2013
    Fiquei muito satisfeita ao ler o seu artigo, mais ainda, de saber que você foi minha professora. Passei anos sem ter contato com algum material escrito por você. Que bom que te encontrei aqui. Hoje faço uma especialização em arte educação, você sempre foi uma referência para mim. Parabéns pelo artigo.
  • Edna Maria Pereira Leonardo, 22:03 - 03/04/2013
    Adorei o artigo,muito mais de reencontrar com você. Fui sua aluna na graduação na Universidade Estácio de Sá. Você sempre foi um grande exemplo para mim.

Deixe o seu comentário

Os campos assinalados com (*) são de preenchimento obrigatório.




Envie seu artigo

Compartilhe o seu conhecimento adquirido durante sua pesquisa.

Faça o login para enviar seu artigo

Filtrar artigos

Ver todos os artigos