Processos criativos

  • Linguagens artísticas: Artes visuais. Performance. Realiza seus trabalhos através de performances, intervenções urbanas, vídeos, foto-performances, instalações.
 
  • Forma e conteúdo: Conhecimentos científicos da biologia e ecologia, sabedorias ancestrais indígenas, mitologia, debate sobre a conservação ambiental e os direitos indígenas, e das populações LGBTQI+ e periféricas.
 
  • Materialidade: Em suas performances e registros, a artista impacta inicialmente pelas fortes cores e pelo hibridismo das entidades que constrói: “Uýra é uma árvore que anda”. A principal matéria de seu trabalho é seu corpo, usando elementos da natureza e materiais orgânicos da Amazônia na maquiagem e figurino-camuflagem, trazendo também referências da cultura e caracterizações drag queen.
 
  • Conexões transdisciplinares: Em função de sua formação em Biologia e Ecologia, estes campos do conhecimento estão muito presentes no trabalho da artista. Emerson dá aulas de arte e biologia para jovens e adolescentes em comunidades ribeirinhas, ensinando sobre as violências aos sistemas vivos e “(re)contando histórias de encantaria da floresta”. Também produz textos. No campo da arte, seu trabalho se realiza entre as artes visuais e a performance.
 
  • Processos de criação: A formação de bióloga e arte educadora interfere visivelmente no trabalho de Uýra que diz se inspirar nas estruturas vegetais e animais para a criação de sua entidade comunicacional. A partir de caracterizações que lembram a “montagem” drag queen, utilizando maquiagem, materiais orgânicos e camuflagens, Emerson se transforma em Uýra, uma árvore que anda, e cria performances e instalações, normalmente para a câmera, isto é, para registro fotográfico e em vídeo. Além da produção para ambiente expográfico, a artista também concretiza seu trabalho através de oficinas e formações em comunidades ribeirinhas e da criação de textos.
 
  • Saberes estéticos: A artista diz que seu trabalho nasce do diálogo. A despeito da violência das ruas de Manaus, onde realiza grande parte de suas performances e intervenções, contra o que muitos reconhecem como um corpo diferente, Uýra propõe o diálogo e a troca a partir de seus conhecimentos científicos, usando sua atuação como ferramenta de sensibilização da população para a defesa da natureza, compreendendo por natureza, como diz, não apenas os rios e igarapés abandonados, mas também os corpos indígenas, negros e de muheres invisibilizados.

Por que este(a) artista foi escolhido(a) para estar na categoria "novos artistas"?

Quando fala sobre respeito aos Igarapés abandonados em Manaus, Uýra faz relação direta entre esses cursos d’água e a população LGBTQI+, negra e as mulheres, minorizadas por um mesmo sistema político econômico. Seu trabalho contesta as narrativas colonizadoras em torno das identidades indígenas, persistentes até hoje. A artista também relaciona seu trabalho a sua atuação como arte educadora, formando diretamente jovens e adolescentes da região Norte do país, local onde nasceu e vive, fora da concentração do mercado de arte sudestino.

Material

educativo

Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit

Saiba mais sobre

esta consultoria

Conheça quem faz parte e confira outros artistas participantes desta consultoria

Rolar para cima